O dia em que testemunhei a pirataria prevalecendo

Standard

Estes dias estava observando um notebook de um conhecido, o qual não tinha conhecimento em sistemas operacionais livres e mais uma das vítimas dos “enlatados”. Pois é, como de costume, instalei no notebook dele o Windows XP service pack 2. Lutei para que o respeito aos produtos da Microsoft fossem prezados (não que deixe de apoiar ou que seja xiita, pelo contrário, para mim plataforma é unix-like), procurei evitar piratarias com aquelas coisas “enlatadas” de sempre.
Instalei coisas grátis como BrOffice, acrobat reader, winzip com evaluation e Avast Free (home).

software enlatado

software enlatado

Passaram-se semanas e ele (o “vitimado”) me liga e fala:

– Olha, dá para ver meu notebook, vou dar um pulinho aí e você vê o que pode fazer!

Pensei comigo:

– Poxa, deve ter sido algum trojan, alguma coisa que comprometeu o sistema do cara.

Assim que ele adentrou a porta da minha casa pedi que ligasse o notebook, um belo notebook core2duo e deixei a coisa andar.
Assim que o sistema foi carregado perguntei aonde estava o erro e ele me disse:

– Não, não há erro algum, é porque não sei digitar textos em um editor que não seja o Word e um gerador de planilhas que seja o excell.

Naquela hora ainda insisti:

– Preste atenção, instalar isso eu não posso por que não é original, não tem como, as atualizações em falta vão comprometer a segurança de seu pc a tal ponto que nem anti-vírus poderá suprir tamanho furo. E mais, usar um sistema broffice não é problema, pelo contrário, é muito parecido com os aplicativos que o office disponibiliza. Sem contar na simplicidade de menus e coisas do gênero.

Pois é, foi vã a minha insistência.

O cara pegou o pendrive, meteu o office 2003 PIRATA, instalou tudo que tinha direito, meteu um serial que achou em qualquer buraco e disse:

– Até que enfim achei o que eu realmente precisava, isso sim é que é editor!

Comecei a me perguntar o por que dessas coisas, visto que não faz sentido que as pessoas não atentem pela segurança de sua casa, de seus filhos, pois acredite, ter um pc seguro ajuda e muito na segurança de seus filhos, desde estelionatários até pedófilos utilizando keyloggers.

Sinceramente não entendia aquilo, e ao pensar por pouquíssimos segundos lembrei das coisas que vi e que vivi na minha infância em relação a sistemas operacionais e coisas do tipo, aonde os “técnicos” forneciam a mais célebre frase do mundo da TI:

– Pode instalar, eu me responsabilizo, este troço é perfeito e é “gratuito”.

Aplicam uma licença de um Adobe Photoshop pirata e falam tais misérias tecnológicas.
Assim foi seguindo e fui lembrando de “mais facilidades da vida”:

– Ah, usa este soft (não é software que eles dizem) aqui, ele é muito mais simples de usar.

Foi em uma dessas que em meados de 97 pagamos (eu e meu irmão) por uma instalação pirata do windows 95.

Fico pensando, até aonde as pessoas vão, até aonde elas realmente são sinceras e honestas consigo mesmas. Olhando pelo lado humano, você gostaria que alguém pegasse 1 kilo de cimento de sua loja e saísse com ele sem pagar afirmando que o pagamento foi copiado e colado de um outro depósito?

É assim que acontece, as pessoas utilizam-se de software pirata afirmando estarem santas em quaisquer aspectos da vida, mas esquecem que em outras palavras não passam de ladras.

Obs: nada de “santarrice”, pelo contrário, já fui praticante disto, mas hoje, como sou desenvolvedor e sei o quão esforçado é fazer as coisas corretas, dentro dos parâmetros de usabilidade e segurança (acredite, segurança de mais pode matar a usabilidade de um sistema caso o mesmo não tenha sido feito com precisão e com muita lógica), sei quão caro isto é para o tempo/bolso de um desenvolvedor.

Pense em uma coisa:

VOCÊ nunca agradaria-se de alguém invadindo seu supermercado e levando carnes, ovos, leite, arroz e etc falando que pegou o número da nota do vizinho que “deixou cair ao chão”.

Pense, reflita e pague por isso, quando alguém paga, este alguém pode exigir suporte, qualidade, reportar falhas e etc.

Lamentável a minha situação, pois além de ficar chateado com o rapaz eu não acreditei na falta de consciência prestada pelo mesmo, nem sequer parou para entender o que eu havia acabado de falar sobre atualizações, segurança e outros blá blá blá que a turma de ti tem.

Quantas empresas não saem perdendo com isto, e o pior, quanto não se perde com esta prática insana?

Pense que no fim de tudo, se houvesse mais dinheiro nas mãos dos desenvolvedores a estratégia seria sempre progressiva e talvez este software que você tanto reclama poderia ser bem melhor pela equipe mais qualificada de desenvolvimento, ou mesmo pela quantidade superior de desenvolvedores atuando em um mesmo projeto.

Mas é isto, bola para frente e Make life!

3 thoughts on “O dia em que testemunhei a pirataria prevalecendo

  1. Luiz

    Muito nobre de sua parte ter essa visão, porém é como enxugar gelo, ou remar contra maré.
    Não tenho dizer quando vale um windows, mas pagar+ ou – R$ 600,00 equanto gigantes pagar miseros dolares porque compram muito, porque não tentar oferecer um pouco mais em conta para consumidor final.
    Outra coisa é o office, muita grana, poderia ser mais em conta.

    Difecel dizer quanto vale um programa, mas pel demanda mundial que tem, poderia sair mais em conta.

    falou Jotape.

  2. admin

    Infelizmente parece até com o combate as drogas… mesma coisa… enxugar o gelo é difícil.
    Concordo com sua visão, principalmente em um mundo afligido por um dólar tão inconstante.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.