Como verificar versões de CMS de maneira rápida e prática

Standard

Para verificar devemos baixar a seguinte ferramenta em um dos dois endereços abaixo:

root@appunix:˜#wget http://server.cmsversion.com/checktest.sh

ou

root@appunix:˜#wget http://www.libphp.net/checktest.sh

Em seguida fazer o seguinte

root@appunix:˜#chmod +x checktest.sh

root@appunix:˜#./checktest.sh -u logindeumacontanomeuserver

A saída deverá assemelhar-se com:

Latest Joomla: 1.5.23
Installed Version: 1.5.20
Installed Location: /home/logindeumacontanomeuserver/public_html/pathdocms/

Essa dica funciona para Joomla, WordPress, WHMCS e etc.

Mozilla Lança ThunderBird 5

Standard

Senhores, é com muita alegria que informamos que a Mozilla (desenvolvedora do Firefox) lançou recentemente o ThunderBird 5.

O cliente de email Free agora está muito mais estável que antes.

Para baixar acesse http://www.mozilla.org/pt-BR/thunderbird/ ou clique no menu Procurar por Atualizações em seu ThunderBird.

Veja o que há de mais novo neste lançamento:

  • Resposta mais rápida a requisições locais, tanto no inciar do aplicativo como no uso propriamente dito, ou seja, bem mais leve.
  • Thunderbird Está baseado na engine Mozilla Gecko 5.
  • Novo Gestor de Add-ons.
  • Revisão da Criação de contas com o assistente de criação de contas.
  • Nova página de suporte para resolução de erros.
  • As Tabs permitem reordenação and Arrasto para janelas diferentes.
  • Tamanho de anexos disponíveis no ato de anexar arquivos ao email.
  • Plugins podem ser carregados nos RSS feeds por padrão.
  • MUITAS correções de temas para Windows Vista e Windows 7
  • Support para Mac 32/64 bit Universal builds (Thunderbird no longer supports PowerPC on Mac)
  • Mais de 390 correções para gerar melhor performance, estabilidade e segurança.

Comandos para análise de dispositivos (placa-mãe, processador e etc) no LINUX

Standard

 

Tá, isso aí é dúvida de muuuuuuita gente, mas é algo simples, um dia foi minha, mas decidimos fazer um “packzinho” de comandos que quebram o galho quando o assunto é detalhamento de Hardware. Imagine-se a 4 mil km de distância de seu server (Normal quando se loca server no exterior), como faremos para saber o que de fato está rodando? No caso do DMIDECODE, ele detalha até se o camarada colocou alguma paravirtualização (vmware, por exemplo).
As vezes precisamos fazer perícias para saber se uma aplicação/daemon será compatível com nossa estrutura de dispositivos (arquitetura, fsb, chipset e etc), e para isto precisamos de informações beeeeem detalhadas.
Abaixo descrevo alguns comandos que acho bacana:

lspci
Este comando lhe dá um detalhe bem legal sobre dispositivos pci em seu pc.
Em um pc simples a saída fica mais ou menos assim:

00:00.0 Host bridge: VIA Technologies, Inc. P4M800 Host Bridge
00:00.1 Host bridge: VIA Technologies, Inc. P4M800 Host Bridge
00:00.2 Host bridge: VIA Technologies, Inc. P4M800 Host Bridge
00:00.3 Host bridge: VIA Technologies, Inc. P4M800 Host Bridge
00:00.4 Host bridge: VIA Technologies, Inc. P4M800 Host Bridge
00:00.7 Host bridge: VIA Technologies, Inc. P4M800 Host Bridge
00:01.0 PCI bridge: VIA Technologies, Inc. VT8237/VX700 PCI Bridge
00:0f.0 RAID bus controller: VIA Technologies, Inc. VIA VT6420 SATA RAID Controller (rev 80)
00:0f.1 IDE interface: VIA Technologies, Inc. VT82C586A/B/VT82C686/A/B/VT823x/A/C PIPC Bus Master IDE (rev 06)
00:10.0 USB Controller: VIA Technologies, Inc. VT82xxxxx UHCI USB 1.1 Controller (rev 81)
00:10.1 USB Controller: VIA Technologies, Inc. VT82xxxxx UHCI USB 1.1 Controller (rev 81)
00:10.2 USB Controller: VIA Technologies, Inc. VT82xxxxx UHCI USB 1.1 Controller (rev 81)
00:10.3 USB Controller: VIA Technologies, Inc. VT82xxxxx UHCI USB 1.1 Controller (rev 81)
00:10.4 USB Controller: VIA Technologies, Inc. USB 2.0 (rev 86)
00:11.0 ISA bridge: VIA Technologies, Inc. VT8237 ISA bridge [KT600/K8T800/K8T890 South]
00:11.5 Multimedia audio controller: VIA Technologies, Inc. VT8233/A/8235/8237 AC97 Audio Controller (rev 60)
00:12.0 Ethernet controller: VIA Technologies, Inc. VT6102 [Rhine-II] (rev 78)
01:00.0 VGA compatible controller: VIA Technologies, Inc. KM400/KN400/P4M800 [S3 UniChrome] (rev 01)

Para informações beeem detalhadas use lspci -vv
(use os camandos como root).

lshw
Este comando é muito amigável e lhe dá um resumo bem bombado sobre seu hardware (memória, cpu e etc).
Em alguns casos ele consegue informar a frequência da memória (isto mesmo, ddr 1066 por exemplo).
Esse comando (na minha opinião) deve ser usado da seguinte forma:

lshw | more

O pipe “|” + more serve para paginar a saída de maneira que você possa ver pausadamente.

A saída deste comando é beeem legal, veja um pedacinho da saída falando de memória:

*-memory:0
description: System Memory
physical id: 40
slot: System board or motherboard
size: 4GiB
*-bank:0
description: DIMM 667 MHz (1.5 ns)
product: None
vendor: None
physical id: 0
serial: None
slot: DIMM_B1
size: 2GiB
width: 64 bits
clock: 667MHz (1.5ns)

 

Legal né?

Arquivo cpuinfo
Essa é uma das formas mais simples de saber que flags seu processador tem, qual velocidade dele, memória cache (L1, L2…) e etc.
Use da seguinte forma:

cat /proc/cpuinfo
A saída deste comando deve sair parecida com esta:

processor : 0
vendor_id : GenuineIntel
cpu family : 15
model : 4
model name : Intel(R) Pentium(R) 4 CPU 3.40GHz
stepping : 10
cpu MHz : 3400.425
cache size : 2048 KB
physical id : 0
siblings : 1
core id : 0
cpu cores : 1
apicid : 0
fdiv_bug : no
hlt_bug : no
f00f_bug : no
coma_bug : no
fpu : yes
fpu_exception : yes
cpuid level : 5
wp : yes
flags : fpu vme de pse tsc msr pae mce cx8 apic mtrr pge mca cmov pat pse36 clflush dts acpi mmx fxsr sse sse2 ss ht tm pbe lm constant_tsc up pni monitor ds_cpl est cid cx16 xtpr lahf_lm
bogomips : 6805.08

Legal!

arquivo devices
Esse é um meio muito resumido e particularmente não gosto muito, mas segue a dica:
cat /proc/devices

Mostra os dispositivos resumidamente (no estilo lsmod).

Arquivo meminfo
Este arquivo lhe informa memória com um pouco mais de detalhes:
cat /proc/meminfo

Comando dmesg

Esse comando é muito legal, precisa somente de um extrinha:


use-o com o more!

dmesg | more

Normalmente a saída é enorme.

O comando dmesg dá um resumo do startup do sistema operacional lgnu/linux, assim como detalha em um rápido processo as coisas boas e ruins que estão ocorrendo com o sistema. (MUITO ÚTIL).


Erros de boot, erros de kernel, dispositivos desconhecidos e etc!

dmidecode

O comando dmidecode é um monstro. Esse comando dá todos os detalhes de hardware (isto mesmo, informe até o modelo da placa-mãe).

 

Utilize-o da seguinte forma:

dmidecode | more

Um pouco da saída:

System Information
Manufacturer: MICRO-STAR INTERNATIONAL CO., LTD
Product Name: MS-7071
Version: 1.00
Serial Number:
UUID: Not Present

Wake-up Type: Power Switch

Esse comando é uma mãe! Isto mesmo, muito bom para saber as informações detalhadas de uma motherboard, sem contar que você pode colher as informações de chipset e modelo da placa-mãe, podendo assim até consultar informações direto do fabricante.

Abraços a todos e espero que este post tenha sido útil.

 

Equipe Appunix -> O lab mais pirado do mundo geek ;P

Fazendo análise de disco e análise básica de um servidor

Standard

dmesg | grep -i err

Irá verificar erros recentes, problemas de RAM, aplicativos gerando qualquer log de erro significativo pro sistema operacional

tail -f -n XXXXX /var/log/messages

Similar ao anterior. XXX é o numero de linhas para trás. Sempre que o servidor travar, procure as ultimas entradas neste arquivo antes do travamento.

hdparm -Tt /dev/sda (sda, sdb, md0… seja qual for seu disco)

Te dá um relatório de leitura e escrita pro seu disco.

Os valores mínimos aceitáveis são:
Timing cached reads superior a 700
Timing buffered disk reads superior a 25

Se estiver inferior, é grande chance de problema no disco.

Faz um “top” e acompanha o parametro “wa” ou “iowait”.

Este parametro é o quanto seu sistema operacional espera por leitura/escrita do disco. Se durante 5 minutos esse parametro se mantiver muito alto (a cima de uns 60-70%), pode indicar sobrecarga do servidor e/ou problema no disco.

Servidor travou. Será que é Firewall?

Não é dificil acontecer. As vezes o firewall pode estar em um nível de segurança muito alto (acontece muito com o CSF), e o servidor barra todo o tráfego sainte. Tente desativar o Firewall por alguns dias. Não é nada bom ficar sem firewall, mas ir por eliminação nunca faz mal. O APF é uma boa alternativa de firewall pra Linux.

Se usar o CSF, nunca esqueça de sempre fazer update nele.

Alugue um KVM remoto

Outra dica nossa, seria pedir a instalação de um KVM remoto. Desta forma você consegue verificar de forma segura a temperatura do processador, gabinete e outros parametros. Quando o servidor travar, você terá acesso total a máquina e poderá investigar uma possível mensagem de erro no sistema (se houver).

É basicamente isso.. Existem muitas variáveis. Principalmente quando muitos clientes rodam aplicações que desconhecemos.

fonte: http://littleoak.wordpress.com/2009/08/14/fazendo-analise-de-disco-e-analise-basica-de-um-servidor/