Avaliação abrangente do Ubuntu 10.04 beta 2

Standard


Há 3 anos que venho utilizando-me do Ubuntu, mas há certas horas que “gosto de mudar as coisas” em busca de uma produtividade maior. Desta vez, após avaliar um review de um usuário, novamente me pego de queixo caído:

Será que não vale a pena ter o Ubuntu como single boot ao invés de tentar outro S.O.?

Já usei bastante o Fedora, que inclusive em sua versão 12 me trouxe uma sensação de establidade incrível (coisa aonde atirei muita pedra nas versões anteriores), mas como resistir a tanto automatismo e estabilidade?

Quer ver a avaliação que anda me convencendo que o Ubuntu é um dos mais aclamados S.O. de todos os tempos?
Vide:

http://marcinhostudiopro.blogspot.com/2010/04/review-ubuntu-104-beta-2.html

A próprosito, estou esperando sair o Stable para entrar com a cara e a coragem no single boot.

Como instalar subversion no ubuntu Karmic (9.10) – how to install subversion ubuntu 9.x com ssl

Standard

Boa noite ALL,

Abaixo mostro como instalar o subversion no ubuntu karmic (9.10):

Como em toda instalação ou configuração no Ubuntu, recomendo atualizar os repositórios do APT e instalar quaisquer atualizações disponíveis.

# apt-get update
# apt-get upgrade
Instalação do Subversion

Os pacotes necessários são: subversion, libapache2-svn, apache2 e ssl-cert, onde:

* subversion – é o pacote contendo além dos arquivos binários, também as ferramentas de administração svnadmin e distribuição svnserve;
* libapache2-svn – contém os módulos mod_dav_svn e mod_authz_svn que permitem o acesso aos repositórios através do protocolo http e https via WebDAV;
* apache2 – é servidor web. Veja mais em: http://pt.wikipedia.org/wiki/Servidor_Apache;
* ssl-cert – pacote que permite a instalação de outros pacotes que precisam criar certificados SSL. Leia também sobre OpenSSL.

Para instalação desse pacotes utilize o comando abaixo:

# apt-get install subversion libapache2-svn apache2 ssl-cert
Habilitando o Suporte ao SSL

Após a instalação, vamos habilitar o suporte a SSL no Apache 2. Para isso, é necessário criar um certificado digital. Utilizando o comando make-ssl-cert é possível fazer esta criação, porém é necessário utilizar um modelo de configuração. Por padrão o Ubuntu Intrepid Ibex (Ubuntu 8.10) já traz este modelo em /usr/share/ssl-cert/ssleay.cnf. Sugiro dar uma olhada neste modelo, eu particularmente fiz algumas alterações que visam exibir informações do responsável pela emissão do certificado. Veja o modelo:

#
# SSLeay example configuration file.
#

RANDFILE = /dev/urandom

[ req ]
default_bits = 1024
default_keyfile = privkey.pem
distinguished_name = req_distinguished_name
prompt = no
policy = policy_anything

[ req_distinguished_name ]
commonName = @HostName@
emailAddress = Seu Email
organizationalUnitName = Departamento
organizationName = Empresa
localityName = Campinas
stateOrProvinceName = Sao Paulo
countryName = BR

Não há problemas caso você não faça nenhuma modificação.

Crie o diretório onde o certificado será criado:

# mkdir /etc/apache2/ssl

Agora, utilizando o make-ssl-cert e o modelo no arquivo ssleay.cnf vamos criar o certificado armazenando-o no arquivo apache.pem:

# make-ssl-cert /usr/share/ssl-cert/ssleay.cnf /etc/apache2/ssl/apache.pem

Surgirá uma tela, como a figura abaixo, onde será solicitado o nome do servidor. Eu, particularmente, preencho com o IP, pois meu DNS não está configurado e pretendo acessar o Subversion em outras máquinas.
Criação do certificado SSL. Definindo o nome do servidor.

Criação do certificado SSL. Definindo o nome do servidor.

Vamos definir a permissão ao arquivo.

# chmod 660 /etc/apache2/ssl/apache.pem
Configurando Apache 2 e habilitando o SSL

Verifique se o Apache 2 para que seja habilitada o suporte a porta 443. Para isso visualize o arquivo ports.conf no diretório do Apache 2:

# vi /etc/apache2/ports.conf

Seu arquivo deverá estar como mostro abaixo:

NameVirtualHost *:80
Listen 80


# SSL name based virtual hosts are not yet supported, therefore no
# NameVirtualHost statement here
Listen 443

Para habilitar o módulo de suporte ao SSL no Apache 2 é necessário utilizar o script a2enmod. O a2enmod criará um link simbólico no diretório /etc/apache2/mod-enabled. Para desabilitar um módulo utilize o script a2dismod. A linha de comando é:

# a2enmod ssl

O último passo da configuração do Apache 2, para o perfeito funcionamento do SSL, consiste em criar o arquivo svn em /etc/apache2/sites-available, este arquivo deve conter as configurações para a porta 443, ou seja, a porta ao qual definimos como responsável pelo SSL.

Para isso vamos copiar o arquivo default que está em /etc/apache2/sites-available para o arquivo svn.

# cp /etc/apache2/sites-available/default /etc/apache2/sites-available/svn

Agora edite o arquivo utilizando o vim:

# vi /etc/apache2/sites-available/svn

Altere a linha para e logo abaixo adicione as linhas:

SSLEngine on
ServerSignature On
SSLCertificateFile /etc/apache2/ssl/apache.pem

Vamos entender cada uma das três linhas acima:

* SSLEngine on – Ativa se definida como “on” a utilização do protocolo SSL/TLS;
* SeverSignature On – Ativa ou desativa a exbição da assinatura do servidor, ou seja, a linha que exibe as configurações do Apache. Por exemplo: Apache/2.2.9 (Ubuntu) DAV/2 SVN/1.5.1 PHP/5.2.6-2ubuntu4.1 with Suhosin-Patch mod_ssl/2.2.9 OpenSSL/0.9.8g Server at 192.168.0.30 Port 44. Na influencia no funcionamento do servidor;
* SSLCertificateFile – Define o caminho para certificado.

Após a criação do arquivo svn, então é necessário habilitá-lo no Apache 2. Para isso utilize o script a2ensite. Este script habilita arquivos que contenham o bloco no Apache2. Para desabilitar um arquivo de configuração utilize o script a2dissite. A linha de comando é esta:

# a2ensite svn

Reinicialize o Apache 2 com o comando:

# /etc/init.d/apache2 force-reload

Caso ocorra algum erro, então consulte o arquivo de log do Apache 2. Este arquivo está localizado em /var/log/apache2/error.log.

Dica de solução:

# openssl req -config /usr/share/ssl-cert/ssleay.cnf -new -x509 -days 1460 -nodes -out /etc/apache2/ssl/apache.pem -keyout /etc/apache2/ssl/apache.pem

Teste seu servidor, digitando no navegador o endereço IP precedido por https, por exemplo: https://
DAV svn
SVNParentPath /var/svn
AuthType Basic
AuthName “Repositorio da Logica Digital”
AuthUserFile /etc/apache2/dav_svn.passwd
Require valid-user
SSLRequireSSL

Entendendo as linhas de configuração:

* – como o repositório deve aparecer no navegador, no caso irá aparecer https://ip-do-servidor/svn;
* DAV svn – habilita o repositório;
* SVNParentPath – utilizado para múltiplos repositórios;
* AuthType Basic – define o método de autenticação de usuário. É possível inclusive utilizar LDAP para habilitar Single sign-on. Prometo que farei um post sobre essa configuração;
* AuthName – serve apenas como descritivo;
* AuthUserFile – caminho do arquivo criado pelo comando htpasswd;
* Require valid-user – configuração para que apenas usuários autenticados tenham acesso ao repositório. É possível tornar o servidor acessível à usuários anônimos, porém eu não acho uma boa prática;
* SSLRequireSSL – obriga que a comunicação com o servidor de controle de versão seja feita sobre o protocolo SSL.

Após configurado o arquivo de integração entre o Subversion e o Apache 2, então é necessário reinicializar o Apache 2:

# /etc/init.d/apache2 force-reload

Acesse, através do seu navegador, o endereço https://ip-do-servidor/svn/teste. Assim você estará testando seu novo servidor de controle de versão com Subversion. Caso ele esteja funcionando corretamente, após a autenticação, será exibida uma página como abaixo:
Servidor Subversion autenticado via Apache 2

Servidor Subversion autenticado via Apache 2

Pronto. O servidor de controle de versão com Subversion, Apache 2 com SSL no Ubuntu Intrepid Ibex está funcionado. O próximo post virá com dicas de utilização.

FONTE 100%: http://andreferraro.wordpress.com/2009/04/05/linux-instalando-o-subversion-com-apache-2-e-ssl-no-ubuntu-intrepid-ibex-ubuntu-810/

Gestor de smart trabalha de maneira eficiente no Ubnutu Karmic e revela problemas antes que ocorram

Standard

Uma das coisas que mais gosto no Ubuntu é a sua facilidade de uso e principalmente a forma eficaz que ele gerencia o sistema em si. Estive com um notebook “aposentado” por 4 meses devido a falta do drive de cd-rom (na realidade já não lê nada… rsrsrs). Esperei um bom tempo afim de que uma manutenção fosse realizada (substituição, na realidade era isso) e não consegui achar o bendito drive com preço acessível.

Pensei comigo o que iria fazer, quer fosse um servidor PXE para instalar alguma coisa, quer fosse pegar um drive emprestado (gaveta externa de cd-rom ou cd-rom externo), e nada disso me veio a cabeça.

Pensei em algo mais simples e cheguei a conclusão que instalar o Ubuntu via USB seria a coisa mais simples e amigável do mundo (foi, sem contar a altíssima velocidade, em ver um Celeron 1.5 com 1gb de ram instalado em 12 minutos é de surpreender qualquer peixão).

Após instalar meu bombástico S.O. acabei percebendo que a “aposentadoria” não fez muito bem para o Tux, o smart relatou problemas (coisa que NUNCA iria imaginar, principalmente homem que só vai ao médico quando já está morrendo com dores).

Ao terminar meu upgrade de versão para o Karmic Koala eu startei o S.O. com euforia e ao me deparar com o desktop recebi a notícia de que o disco não estava indo muito bem, por fim, compreendi que apesar da notícia ruim, meu Ubuntu foi mais que um amigo em me avisar o que poderia ocorrer “na calada da noite”!

Segue screenshot:

Este é um sistema amigo, rsrsrs, avisa tudo (mesmo que possa causar uma dorzinha no coração).

Abraços galera!

Upgrade muito rápida no Ubuntu indo em busca do Karmic :D

Standard

Bom, muitas pessoas já sabem que sou um adimirador do Ubuntu, principalmente pela sua facilidade de uso (estou postando por ele). Uma coisa muito interessante foi a velocidade que consegui com minha internet no momento de acessar os repositórios da Cannonical (não foi usando apt-get via console, mas a gestão de pacotes foi muito semelhante). Perceba na foto abaixo que meus 4 mega de link funcionaram com muito louvor:

up ubuntu

up ubuntu

Na menos que 458kbps! (chegando a 478kbps).

Obs: Estava na 8.04 e fui subindo, agora estou na Karmic e meu próximo post vai falar um pouco sobre a simplicidade do desktop e praticidade do “negócio”.

Abraços galera!