Mageia Linux 1 Lançado!

Standard

Mageia Linux foi lançado recentemente em sua versão ULTRA estável. Uma das coisas que devemos evidenciar/reverenciar é a forma que os desenvolveores do Mageia Linux Trabalham afim de lançar releases muito consistentes. Se você quer conferir a história do Mageia Linux pode acessar nosso portal de Linux (nosso site, e escolha a categoria do Mageia). Nosso já fizemos (fomos os primeiros no Brasil) how tos completos sobre Mageia Linux, esta distribuição, tanto no que tange a origem do Mageia como também no Uso e configurações iniciais do Mageia como desktop (assim como suporte a redes). Usamos o Gnome afim de alcançarmos o máximo de estabilidade na fase beta.

Veja as notas de lançamento:

Major features in Mageia

Package Management tools

Mageia uses the all too familiar urpmi, this the default dependency resolver in Mageia, you can use to install RPM packages on the system. It can also be used to update the system, for the full usage details check the urpmi man page.

The rest of the family are:

  • urpme: used to uninstall RPM packages installed on the system, with many command line options
  • urpmf: a tool that can be used to show what package contains a certain file; it can also be used to search for all sorts of RPM tags (requires, suggests, conflicts, obsoletes) in the packages in the official repositories, among other features
  • urpmq: the urpmi database query tool, think of it as ‘rpm -q’ but with many more extended features, that can be used to check RPM packages in the official repositories
  • urpmi.update: a tool to update the urpmi database on the user’s installation, it can also be used to disable (ignore) configured media sources on the system
  • urpmi.addmedia: a tool to add the Mageia media sources (online (http, ftp, rsync) and local alike)
  • urpmi.removemedia: a tool to remove the media sources configured on the system

Mageia system configuration tools

Mageia will go on using all the familiar drak tools; here’re the highlights:

  • drakconf: The Mageia control center, which can be used to launch all sorts of system administration tools
  • drak3d: A tool to to configure 3D desktop effects (e.g. Compiz)
  • drakguard: A tool that allows to configure parental control. It can block access to web sites and restrict the internet connection to specific timeframe
  • rpmdrake: A simple interface that makes it easy to install and remove software packages (RPM) in Mageia
  • drakx-net: The default Mageia network tools
  • userdrake: A user-friendly and powerful tool for administrating users and groups
  • system-config-printer: A powerful printer configuration tool, developed by Redhat/Fedora

Migration from Mandriva Linux

If you are using Mandriva Linux 2010.1 or 2010.2, see our migration guide.


Available Desktop Environments

As a desktop-agnostic distribution, Mageia has all the popular desktop environments, along with various window managers. Here’s an overview of them:

KDE4

KDE SC 4.6.3. This release brings many improvements and new features for more details check the release announcement.

GNOME

GNOME 2.32, with the plethora of popular applications that come with it (Totem, Rhythmbox, Epiphany, Evolution, The GNOME Archiver (file-roller), Evince, F-Spot… etc).

XFCE4

The latest stable version, 4.8.1, of XFCE, it brings many improvements, for the full details have a look at the XFCE 4.8 release announcement.

LXDE

Latest stable LXDE packages (PCManFM, LXSession, LXTerminal, Gpicview, LXRandR).

Window Managers

Various other window managers, which in reality they’re just small and very lightweight desktop environments:

  • Openbox
  • WindowMaker
  • IceWM
  • Fluxbox
  • Fvwm2

Desktop Applications

A lot of the popular desktop applications, here are the highlights.

Web Browsers and email clients

  • Firefox: Firefox 4.0.1., this new release brings with it a lot of improvements concerning all aspects of Firefox, for more info have a look at the Firefox 4 release notes
  • Chromium-Browser: Google Chromium-browser 11.0.696.65., and for users’ convenience the Chromium-browser comes in three different flavours, stable, beta and unstable, each one following a different upstream channel/branch, needless to say that beta and unstable are not for the weak of heart!
  • Epiphany: The latest stable version, 2.30.6, of the GNOME web browser based on the webkit rendering engine is available in the Mageia repos
  • KMail: The latest stable version, 4.4.11.1, of the famous KDE4 email client
  • Thunderbird: The latest stable version of the famous email client from Mozilla, Thunderbird 3.1.10, is available in the online repositories, with all the improvements and fixes in the 3.1.x series, for more info have a look at the release notes. Both Enigmail and Lightning extensions are available too
  • Evolution: The latest stable version, 2.32.2, of the famous GNOME mailer, calendar, contact manager and communications tool.

Office

  • LibreOffice: Mageia promised to fully support LibreOffice and it’s kept its promise, the stable LibreOffice 3.3.2.2 is available the Mageia repositories, bringing a full suite of office applications
  • Calligra: The Calligra Suite project is a continuation of the KOffice project, it has all the familiar components of KOffice, for a detailed list of available applications and what they can do check their web site
  • KmyMoney: The latest stable version, 4.5.3 personal finance manager for KDE4 is already in the online repositories, its mainly focuses on being accurate, easy to use and fully featured with all the familiar features you’d expect in a finance manager
  • Skrooge: with the philosophy of giving users options, Skrooge 0.8.1 is available in the Mageia repositories too, a personal finance manager for KDE4, it aims to be highly intuitive, while providing powerful functions
  • GnuCash: GnuCash 2.4.5 is available in the online repositories, it’s comes with a check-book like register GUI that allows you to enter and track your financial matters

Communications

Instant Messaging
  • Kopete: The latest stable version of the familiar instant messenger, part of KDE SC 4.6.3, is available with support for a wide variety of instant messaging protocol
  • Pidgin: The latest stable version, 2.7.11, of the famous GTK+2.0 based instant messaging client is available in the online repositories, it supports a plethora of instant messaging protocols. For more details about the fixes and improvements this version brings have a look at the changelog
  • Empathy: Empathy is an IM client based on the Telepathy framework, Empathy 2.34.0.
  • Kadu: An instant messenger compatible with the Gadu-Gadu protocol. The latest stable version, 0.9.1
IRC
  • Quassel: The latest stable version, 0.7.2, of Quassel, a Qt-based modern distributed IRC client is available in the online repositories
  • Konversation: A fully featured graphical IRC client with KDE support, the latest stable version, 1.3.1, is available in the Mageia online repositories
  • XChat-gnome: A graphical IRC client for the GNOME desktop. The latest stable version, 0.26.1, is available in the repositories
  • KVIrc: A Qt-based IRC client with support for themes, transparency, encryption, many extended IRC features, and scripting. The latest stable version, 4.0.4, is available in the repositories
VOIP
  • QuteCom: A SIP softphone which allows you to make free PC to PC video and voice calls, and to integrate all your IM contacts in one place, it’s Qt-based. The latest stable version 2.2.
  • Ekiga: A tool to communicate with video and audio over the internet. It uses both SIP and H323 protocol and is compatible with Microsoft Netmeeting. It used to be called GnomeMeeting. The latest stable version, 3.2.7,.

Virtualisation

  • VirtualBox: Version 4.0.6, of the general-purpose full virtualizer is available in the Mageia repositories
  • virt-manager: Mageia ships with the latest version of virt-manager (and libvirtd), the popular management toolset for virtualisation, along with binding for various languges, to ease the management of virtual machines, either based on kvm or xen.
  • WINE: The latest development version of WINE, 1.3.20, is available in the repositories; you can be assured that you’ll usually find the latest version of this famous application in the Backports repository shortly after upstream pushes a new release!

Graphics

  • Gimp: version 2.6.11 of the famous GNU Image Manipulation Program.
  • Inkscape: version 0.48.1 of the famous SVG-based vector-drawing program.
  • Blender: The high quality animation studio. Version 2.49b.

IDEs

  • Anjuta: A powerful GNOME IDE for C, C++, Python, Java,…
  • Eclipse: The well known IDE for Java and other languages
  • Netbeans: The equally well known alternative for eclipse
  • KDevelop: The KDE IDE

Base System

  • Mageia ships with the 2.6.38 kernel series, specifically 2.6.38.7 at release time, for more details on the improvements in this kernel series have a look here; the highlights of this kernel:
    • Support for automatic process grouping (for more details see Linus Torvalds’ post on LKML (Linux Kernel Mailing list); and mentions of that patch on LWN.net)
    • Significant scalability improvements in the Linux VFS (Virtual File System) layer
    • Transparent Huge Page support (without using hugetblfs)
    • Automatic spreading of outgoing network traffic across multiple CPUs
    • Support for the AMD Fusion APUs
    • Support for Intel Sandy Bridge and Panther Point.
    • Ipset 6.4 with IPv6 support
  • Boot system: still uses initscripts, 9.21
  • ALSA 1.0.24.x:
    • libalsa2-1.0.24.1
    • alsa-plugins-1.0.24
    • alsa-tools-1.0.24.1: The firmware bits have been split in a new separate package, alsa-firmware
    • alsa-utils-1.0.24.2

X server

  • X server 1.10.1, with full Udev support (Udev replaces HAL in this regard)
  • ATI/AMD free radeon driver: Kernel Mode Setting is now enabled by default, bringing performance and compatibility improvements.
  • Intel Sandy Bridge (2nd Generation Intel® Core™ i7/i5/i3) support according to Intel specifications.
  • Nouveau: the Nouveau driver is used by default for supported nVidia graphics cards. It brings Kernel Mode Setting support, 2D acceleration, and RandR 1.2 support (for easy multi-monitor setup)

Proprietary graphics cards drivers

The latest versions of both the nVidia and ATI (fglrx) proprietary drivers are available in the Nonfree online repository.


Input Methods

To select the Input Method of your choice, you can use draklocale (“Manage localization of your system” in the Mageia Control Center → System). Mageia 1 will have two input methods:

IBus

IBus support (the Intelligent Input Bus), version 1.3.9 is already available in the official repositories.

SCIM

SCIM (Smart Common Input Method), version 1.4.9, is also available in the official repositories.


Available installation media

Mageia has two distinctive installation media types:

  • DVD ISO and Dual-arch CD ISO, which use the drakx traditional installer and
  • Live CD ISO, this is a live ISO which can be used to preview the distribution and can also be used to install Mageia on your HDD

You will always find the download info on the Mageia download page; direct (ftp and http) and BitTorrent downloads are available. For more information, have a look at the Mageia installation media page.


Software online repositories

The packages in Mageia exist in three different repositories/media, depending on what license each package uses.

Here’s an overview of those repositories:

  • Core:

    The Core repository includes packages with free-open-source software, i.e. packages licensed under a free-open-source license, the set of the Core media are added by default and the “Core Release” and “Core Updates” are enabled by default

  • Nonfree:

    The Nonfree repository includes packages that are free-of-charge, i.e. Mageia can redistribute them, but they contain closed-source software (hence the Nonfree name); For example this repository includes the nVidia and ATI graphics cards proprietary drivers, firmware for various Wi-Fi cards… etc. The set of the Nonfree media is added by default and the “Nonfree Release” and “Nonfree Updates” are enabled by default

  • Tainted:

    The Tainted repository includes packages under various licenses, free and nonfree ones, but the main criteria for packages in this repository is that they may infringe patents and copyright laws in some countries in the world (e.g. multimedia codecs needed to play various audio/video files, packages needed to play commercial video DVD… etc); as such the set of the Tainted media is added by default but not enabled by default, i.e. it’s completely opt-in; so check your local laws before using packages from this repository. This repository is only added for the convenience of the users. This repository is to Mageia what PLF is to Mandriva users or RPM Fusion is to Fedora users.

Quer fazer download do Mageia Linux?

Download (mirror list): mageia-dvd-1-i586.iso (3,826MB, MD5, torrent), mageia-dvd-1-x86_64.iso (3,726MB, MD5, torrent). LiveCds com suporte a linguas européis + inglês EUA: mageia-livecd-1-KDE4-i586.iso (693MB, MD5, torrent), mageia-livecd-1-GNOME-i586.iso (621MB, MD5, torrent).

Lançado Mandriva 2011 Beta 3

Standard

Foi lançado recentemente o Beta 3 do Mandriva Linux. Para conferir de perto as notas de lançamento veja:

Mandriva 2011 beta3

Hi folks,

as was previously announced in cooker mailing list, Mandriva and Rosa teams has decided that additional time would be needed to finish the stabilization of Mandriva 2011 and Rosa 2011 desktop editions. Therefore, as was promised last week on cooker mailing list, I am gladly presenting to you Mandriva 2011 beta3 version, which should be available on your favorite mirror shortly.

Among the highlights of this release, the following items are present:

  • – from now on, the image contains non-free software for improved desktop experience, such as dkms drivers and non-free firmware for improved out-of-the-box functionality of peripheral devices
  • – new UI theme for widgets, KDM and KDE environment, developed by ROSA Labs, is provided by default
  • – new features in system panel (rosapanel), stack folders and system start menu (SimpleWelcome, also known as ROSA Starter),
  • – new TimeFrame feature, powered by nepomuk technology, which provides semantic desktop capabilities to the initial menu, allowing you to easily browse your files by date
  • – new dolphin file browsing interface
  • – a mass-rebuilding procedure was carried out to improve the system stability for supported packages
  • – and, of course, lots of bugfixes and package updates

Se você já quer baixar o mesmo:

32 bits-> http://ftp.lip6.fr/pub/linux/distributions/Mandrakelinux/devel/iso/2011/Mandriva.2011-beta3.i586.iso

64 bits-> http://ftp.free.fr/mirrors/ftp.mandriva.com/MandrivaLinux/devel/iso/2011/Mandriva.2011-beta3.x86_64.iso

 

Entendendo a origem do Mageia Linux, como Doar e Espectativas do projeto

Standard

Apoiando um grande projeto Open Source, estável e muito amado, Mageia!

Em primeiro passo quero descrever um pouco do que é a história do Mageia, para que você sinta-se à vontade para doar.
Antes, vou comentar algo que acho muito interessante, a forma comercial com que a Red Hat se porta no mundo Linux.
É evidente o crescimento incalculável que a Red Hat tem alcançado, graças a sua política de comercialização do Linux, a empresa cresce fortemente.

Um passo semelhante foi dado pela Mandrake, ao fundir-se com a Conectiva, a distribuição Mandrake tornou-se Mandriva. A empresa tornou-se bastante conhecida e muito respeitada. A aquisição e fusão trouxeram custos e metas. Ao longo do tempo, mesmo com excelente documentação, facilidade de uso, KDE muito estável, elegante, pacotes funcionando corretamente, centros de treinamentos e muitas empresas usando a situação financeira da empresa (Mandriva) não estava caminhando para mares tranquilos.

Em nota, abaixo vou publicar os links para que o texto aqui não se prolongue, os quais mostram a queda nos rendimentos financeiros da empresa, ou seja, desde a época que era apenas uma especulação até a data de divulgação de decadência financeira, medidas bruscas da empresa e o novo time que está criando o Fork.

Um ponto a se destacar, quando focarmos nos links é que as notas vêm de um site cuja credibilidade no mundo Linux é irrevogável, por isso a qualidade da notícia, integridade nos fatos e repercussão da notícia são reais, o portal o qual me refiro é o BR-LINUX.

Divulgação da situação financeira:

http://br-linux.org/2010/mandriva-divulga-nota-sobre-sua-situacao/

Procura de Parceria e Possíveis compradores:
http://br-linux.org/2010/mandriva-estaria-procurando-um-comprador-para-a-empresa/

Release Duvidoso e mais especulações:

http://br-linux.org/2010/release-da-mandriva-traz-mais-duvidas-do-que-respostas/

Novos mantenedores apoiando o projeto:

http://br-linux.org/2010/mandriva-teria-sido-salva-por-investidores-nao-identificados-publicamente/

Demora no release do novo site:
http://br-linux.org/2010/mandriva-disponibiliza-novo-website-brasileiro/

Situação financeira em Assembléia é confirmada, Crise abala Mandriva:

http://br-linux.org/2010/mandriva-assembleia-geral-confirma-situacao-e-fim-das-novas-versoes-anuais/

Mais especulações e informações internas da situação financeira da Mandriva:

http://br-linux.org/2010/mandriva-na-chuva/

Informações sobre gravidade do problema financeiro, problema judicial e alerta por parte de empresa da Mandriva:

http://br-linux.org/2010/liquidacao-judicial-mandriva-acende-a-luz-de-alerta-na-europa-e-brasil/

Ex-Desenvolvedores do Mandriva se concentrando em um fork:
http://br-linux.org/2010/mandriva-desenvolvedores-demitidos-vao-atuar-no-recem-criado-fork-chamado-mageia/

Traduções em progresso no novo site oficial do Mageia (fork do Mandriva):

http://br-linux.org/2010/mageia-novo-fork-da-mandriva-ja-tem-versao-em-portugues-do-seu-site/

Mageia ganha força, mais 50 colaboradores entram na equipe e Mandriva declara reestruturação, fortalecimento financeiro e revitaliza parcerias:

http://br-linux.org/2010/mandriva-diretoria-expoe-nota-oficial-controle-passa-para-os-russos-e-mageia-passa-de-50-colaboradores/

Em nenhum momento quero expor uma imagem de decadência consolidada da Distribuição Maravilhosa, a Mandriva, quero neste post mostrar como o Mageia existiu, como o projeto recebeu o abraço amigo de muitos desenvolvedores, como as doações estão ganhando força e como haverá transparência na administração e investimento de recursos.

A distribuição Mageia conta com experientes ex-desenvolvedores do Mandriva Linux, ou seja, pessoas que conhecem o ambiente, “a velha casa” e sabem como tudo funciona, em outras palavras, como será maravilhosa esta distribuição.
O release, segundo confirmei com um pessoal no irc oficial (freenode -> mageia) está previsto para ainda este ano (pouco antes do final), mas que o projeto precisa de força e colaboração de todos. O APPUNIX assume um papel simples, porém fundamental que será:

Doar com frequência fundos arrecadados,
Doar para comunidade How Tos feitos em cima desta distribuição maravilhosa.

Antemão tudo precisa de um passo inicial e hoje iremos mostrar como doar, ainda que pouco, mas iremos mostrar como os donativos podem ser feitos facilmente.

Em primeiro passo acesse o link:

http://donate.mageia.org/pt-br/

Neste link você verá textos em português brasileiro.
No meio do conteúdo haverá uma imagem do paypal, conforme abaixo:

link do paypal

link do paypal

Clicando nela a tela que será redirecionada, além de segura é simples de operar, o Paypal será carregado aonde as únicas coisas necessárias são:

crie ou logue se no paypal

crie ou logue se no paypal

Se você tem login, logue-se, informe o valor em EURO (para saber quanto está valendo o EURO acesse: http://economia.uol.com.br/cotacoes/cambio.jhtm).
Caso não tenha conta, crie-a, informe seu cartão de crédito Internacional e doe.

Abaixo iremos mostrar nossa pequena doação, mas valiosa.

Doe, não custa nada doar tão pouco para ter algo tão bom!

Ispconfig 2: how to create a park domain – como deixar um domínio acessar o conteúdo do outro como park no ispconfig

Standard

Uma das coisas mais interessantes no IspConfig é sua capacidade de permitir customizações em tudo que você possa imaginar. Aproveitando esta “boquinha” vamos fazer algo diferente.
Parkear domínios no Parallels Plesk e no Whm/CPanel é coisa fácil, pois tudo é automatizado, mas isto não quer dizer que o bom e velho vim (ou qualquer OUTRO EDITOR) não entre em ação.

Para isto, precisamos logar-nos como root no servidor aonde iremos parkear domínios, e devemos (antes de mais nada) fazer backup do arquivo de configuração do apache, sendo assim use o comando:

cp -rp /etc/httpd/conf/httpd.conf /root/httpd.conf.OLD


Temos então um arquivo garantido para que, em qualquer eventualidade sirva para consulta ou possivelmente correção do arquivo mais recente.

Entremos no arquivo de configuração:

vim /etc/httpd/conf/httpd.conf

Vá para o final do arquivo e localize exatamente este trecho:


Options ExecCGI -Indexes
AllowOverride None
AllowOverride Indexes AuthConfig Limit FileInfo
Order allow,deny
Allow from all

Deny from all

Feito isto, o que devemos fazer é simples.
Sabendo-se que o ISPConfig lê um outro arquivo com os vhosts dos usuários web, devemos antecipar nossa configuração de maneira que a linha do ispconfig fique abaixo do nosso vhost.

Acima da linha com a informação:

Include /etc/httpd/conf/vhosts/Vhosts_ispconfig.conf

Devemos fazer algo assim:

ServerName www.nomedodominioparkeado.com:80
ServerAdmin webmaster@dominiodestino.com.br
DocumentRoot /var/www/web100/web
ServerAlias dominiodestino.com.br
DirectoryIndex index.html index.htm index.php index.php5 index.php4 index.php3 index.shtml index.cgi index.pl index.jsp Default.htm default.htm
Alias /cgi-bin/ /var/www/web100/cgi-bin/
AddHandler cgi-script .cgi
AddHandler cgi-script .pl
ErrorLog /var/www/web100/log/error.log
AddType application/x-httpd-php .php .php3 .php4 .php5
php_admin_flag safe_mode On
AddType text/html .shtml
AddOutputFilter INCLUDES .shtml
Alias /stats “/var/www/web100/web/webalizer”
Alias /error/ “/var/www/web100/web/error/”
ErrorDocument 400 /error/invalidSyntax.html
ErrorDocument 401 /error/authorizationRequired.html
ErrorDocument 403 /error/forbidden.html
ErrorDocument 404 /error/fileNotFound.html
ErrorDocument 405 /error/methodNotAllowed.html
ErrorDocument 500 /error/internalServerError.html
ErrorDocument 503 /error/overloaded.html
AliasMatch ^/~([^/]+)(/(.*))? /var/www/web100/user/$1/web/$3
AliasMatch ^/users/([^/]+)(/(.*))? /var/www/web100/user/$1/web/$3

RewriteEngine on
RewriteCond %{REQUEST_METHOD} ^(TRACE|TRACK)
RewriteRule .* – [F]

Perceba que no começo falei XXX.XXX.XXX.XXX, isto refere-se ao ip do seu dedicado (shared ip dos domínios :P)

Por este vhost pegue a coisa em cheio.

A charada está nas linhas:

ServerName www.nomedodominioparkeado.com:80
ServerAdmin webmaster@dominiodestino.com.br
DocumentRoot /var/www/web100/web
ServerAlias dominiodestino.com.br

1 – indica o parkeamento
2 – email do main domain
3 – arquivos web de onde o parkeamento vai ler assim que o internauta acessar a página www.nomedodominioparkeado.com
4 – indica o destino do parkeamento, ou seja, ao acessar www.nomedodominioparkeado.com a pessoa na realidade acessa dominiodestino.com.br, porém tendo no cabeçalho o nome www.nomedodominioparkeado.com (url de entrada no navegador)


OBS: CASO O ARTIGO NÃO EXIBA AS TAGS DO APACHE, POR FAVOR VERIFIQUEM JUNTO AO ARQUIVO /ETC/HTTPD/CONF/HTTPD.CONF.

Abraços e espero ter contribuído com um dia feliz para nós… lol.
bye!

Gnu/Linux e suas dificuldades na usabilidade (diversidade que pode matar)

Standard

Gnu/Linux sem dúvidas é a prática mais comum no mundo do Software Livre, em outras palavras, é o meio mais fácil e mais comum do mundo Open Source estar declarado em nosso dia-a-dia. Temos ferramentas de uso diário, que são open source e não percebemos, mas quando nos deparamos com o Gnu/Linux nós podemos afirmar – este realmente é free software (ainda que não tenhamos um conceito muito forte do que realmente é software livre, que muitos infelizmente interpretam como software gratuito). Isto, sem sombra de variação é muito fabuloso, pois este excelente sistema que já mostrou do que é capaz, e o melhor, deixou claro que tem seu código aberto para customizações e forks, estando disponível para qualquer pessoa, aonde quer que esteja.
Ao longo de 12 anos de convívio com o Gnu/Linux (tendo somente 5 anos como profissional neste ramo, prestando serviços, e outros 7 “ouvindo falar bem”) pude perceber algumas “metamorfoses” que não vieram e fixaram um conceito amigável de usabilidade.
Vou detalhar isto de maneira abrangente para que fique claro o que realmente desejo expor, a dificuldade na curva de aprendizado, devido a variações muito pesadas nas distribuições Gnu/Linux.
Em 1997 possuía um computador Pentium 133 mhz mmx 100% off-board e tenho um irmão que na época estava fazendo cursos da Conectiva (uma distribuição Gnu/Linux que tinha um corpo técnico que prestava consultoria e cursos), tendo assim um impulso forte para instalação desta distribuição, o que me fez “saber que existia um sistema operacional diferente do Windows 95”, sem contar que no ano seguinte o Macintosh havia se tornado “mais uma daquelas descobertas milenares”. Naquela “descoberta” ouvi falar que ele era Free Software, mas confesso que não fez diferença para mim.
Os anos se passaram, para ser mais preciso 7 anos, e depois de tantas tentativas de me familiarizar com “aquela tela preta, parecia de mais com o MS-DOS”, consegui instalar uma distribuição chamada Slackware. Levei a sério, e fui tomando gosto.
Na época o melhor guia, ou documentação brasileira disponível (ainda está disponível) é o perfeito e completo GuiaFoca, um manual do Gnu/Linux, baseado no Debian, mas operando de maneira simples e direta em outras distribuições.
Passei um ano estudando sem cessar este sistema operacional maravilhoso, o que me fez implementar algumas soluções baseadas em Software Livre no SENAC-PB, empresa que trabalhei durante 3 anos. Adquiri um conhecimento sólido nesta plataforma, mas com o passar do tempo necessitei partir para outras como Red Hat Enterprise, por exemplo, sem contar as distribuições desktop que estavam bombando nesta fase. Com a saída da antiga empresa para outra que prestava consultoria não obtive dificuldades em implementações para clientes, principalmente pelo fato do Slackware ser muito flexível e “bastante Unix”, não senti nada difícil nos primeiros meses.
Nesta etapa eu entendi quais os problemas que as distribuições Gnu/Linux sentiam, isto aos olhos do usuário final, por que o nível de curva de aprendizado torna-se alto quando entramos em uma distribuição comercial. Para que se tenha uma idéia, o CentOS (remasterização do Red Hat Enterprise, respeitando direitos autorais e imagens da instituição), caso seja instalado como servidor, com poucos pacotes default você não terá a ferramenta ifconfig disponível, mas espere, ifconfig é um utilitário disponível em todas as distribuições, isto é padrão, e nem todas usam o system-config. Quantas usam dpkg, apt ou aptitude? Quantas tem o RPM como gestor de pacotes? O Yum? O Yast, Yast2?
Sabemos que são particularidades em cada distribuição, e que tais particularidades visam a automatização de determinadas tarefas que comumente estão vinculadas com o sistema operacional que as implementam.
Neste momento entram as divergências em geral, pois entendemos que comandos básicos sempre serão respeitados, e que seus manuais são preservados de uma distribuição para outra, mas que nem sempre estão no mesmo lugar.
Localidades na árvore de estrutura de dados, nomes de arquivos de configuração, modalidade de configuração de rede a nível de arquivo e forma com que containers web trabalham é muito diversificada em cada distribuição. Isto dificulta no momento de colocar na cabeça de algum xiita de códigos fonte proprietários que o Gnu/Linux é bom!
Observem o estouro e magnitude de distribuições como Ubuntu e Fedora, a nível desktop, vejam o quão abrangentes e aceitáveis elas são, e o mais importante, o quão bem documentadas elas são, mas em uma suave visão diferenciada, tente usar os conceitos aprendidos em cada uma delas em um Gentoo, CentOs ou OpenSuse, talvez você não queira mais usar Gnu/Linux, ou melhor, fará distinção por conhecer todas as ferramentas/utilitários de uma e de outra não.
Deixo claro que o Gnu/Linux é a escolha certa para quem não quer dores de cabeça futuras, quer estabilidade e o melhor, segurança de suas informações garantidas por sistemas que têm geeks de milhares de lugares dedicando-se na provisão de códigos de altíssimo nível e de escalabilidade monstruosa.
Minhas recomendações para marinheiros de primeira viagem:

• Use Ubuntu/Fedora para desktop, principalmente o Ubuntu que permite upgrades de versão do Sistema Operacional de maneira mais segura,
• Use CentOs/Ubuntu/Slackware ou Debian em seus servidores, principalmente Ubuntu/Debian que permitem upgrades de versões sem maiores dores de cabeça,
• Use Ubuntu/Fedora em escritórios, principalmente por sua quantidade enorme de drivers (módulos) para impressoras e etc.

Existem outras distribuições Gnu/Linux que têm tido muito prestígio, como por exemplo cito o Mandrake, empresa que assumiu a Conectiva e que tem se destacado pela ampla gama de produtos e suporte de qualidade, sendo hoje conhecida como Mandriva. OpenSuse, outra distribuição muito respeitada, versão Grátis e de código fonte aberto, 100% baseada no Suse Enterprise, mantido pela comunidade open source do mundo inteiro, esta é bastante amigável também.
Lembre-se que uma distribuição deve primar por conceitos de segurança, estabilidade e alto desempenho, principalmente, deverá ser bem documentada, e trivialmente falando, documentada maciçamente sobre suas ferramentas em particular.
Gestores de pacotes também são algo que tornam a problemática maior, por que os pacotes .DEB e .RPM imperam, seguidos de seus gestores deb/apt/aptitude e RPM/up2date/yum. Sabemos que é simples compilar algo (em alguns casos, devido requerimento de paths para libs a situação poderá complicar-se) e ajustar paths de destino, mas nem tudo isto brilha aos olhos dos mantenedores de software, tanto pelo nível de dificuldade avaliado para compilações e geração de source pré-compilado na plataforma como pela simplicidade de gestão (upgrade, downgrade e patching em geral).
Quanto ao GuiaFoca, este ainda é a melhor alternativa em documentação Gnu/Linux (falando de maneira geral), mas não atenha-se ao mesmo pois as distribuições estão mudando e agora parecem que estão tomando “independência” ou pensam em seguir assim, longe de padrões LSB.
Aprender sempre é bom, mas não atenha-se a distribuições muito individualistas, isto poderá complicar sua vida em um futuro muito próximo, principalmente no que tange ciclo de vida da versão do sistema ou até descontinuidade do projeto adotado por você ou por sua empresa (vide distribuições como Kurumin que tinham excelente iniciativa, mas que estão agonizado neste momento, Conectiva – adquirida pela Mandrake e outras).

As particularidades excessivas das distribuições estão levando as distribuições que adotam esta modalidade de negócio/serviço para uma ilha de destaque e talvez solidão.

Muito cuidado com sua escolha!

Abraços a todos e bom trabalho/estudo.

Gnu/Linux e suas dificuldades na usabilidade (diversidade que pode matar)

Standard

Gnu/Linux e suas dificuldades na usabilidade (diversidade que pode matar)

Gnu/Linux sem dúvidas é a prática mais comum no mundo do Software Livre, em outras palavras, é o meio mais fácil e mais comum do mundo Open Source estar declarado em nosso dia-a-dia. Temos ferramentas de uso diário, que são open source e não percebemos, mas quando nos deparamos com o Gnu/Linux nós podemos afirmar – este realmente é free software (ainda que não tenhamos um conceito muito forte do que realmente é software livre, que muitos infelizmente interpretam como software gratuito). Isto, sem sombra de variação é muito fabuloso, pois este excelente sistema que já mostrou do que é capaz, e o melhor, deixou claro que tem seu código aberto para customizações e forks, estando disponível para qualquer pessoa, aonde quer que esteja.
Ao longo de 12 anos de convívio com o Gnu/Linux (tendo somente 5 anos como profissional neste ramo, prestando serviços, e outros 7 “ouvindo falar bem”) pude perceber algumas “metamorfoses” que não vieram e fixaram um conceito amigável de usabilidade.
Vou detalhar isto de maneira abrangente para que fique claro o que realmente desejo expor, a dificuldade na curva de aprendizado, devido a variações muito pesadas nas distribuições Gnu/Linux.
Em 1997 possuía um computador Pentium 133 mhz mmx 100% off-board e tenho um irmão que na época estava fazendo cursos da Conectiva (uma distribuição Gnu/Linux que tinha um corpo técnico que prestava consultoria e cursos), tendo assim um impulso forte para instalação desta distribuição, o que me fez “saber que existia um sistema operacional diferente do Windows 95”, sem contar que no ano seguinte o Macintosh havia se tornado “mais uma daquelas descobertas milenares”. Naquela “descoberta” ouvi falar que ele era Free Software, mas confesso que não fez diferença para mim.
Os anos se passaram, para ser mais preciso 7 anos, e depois de tantas tentativas de me familiarizar com “aquela tela preta, parecia de mais com o MS-DOS”, consegui instalar uma distribuição chamada Slackware. Levei a sério, e fui tomando gosto.
Na época o melhor guia, ou documentação brasileira disponível (ainda está disponível) é o perfeito e completo GuiaFoca, um manual do Gnu/Linux, baseado no Debian, mas operando de maneira simples e direta em outras distribuições.
Passei um ano estudando sem cessar este sistema operacional maravilhoso, o que me fez implementar algumas soluções baseadas em Software Livre no SENAC-PB, empresa que trabalhei durante 3 anos. Adquiri um conhecimento sólido nesta plataforma, mas com o passar do tempo necessitei partir para outras como Red Hat Enterprise, por exemplo, sem contar as distribuições desktop que estavam bombando nesta fase. Com a saída da antiga empresa para outra que prestava consultoria não obtive dificuldades em implementações para clientes, principalmente pelo fato do Slackware ser muito flexível e “bastante Unix”, não senti nada difícil nos primeiros meses.
Nesta etapa eu entendi quais os problemas que as distribuições Gnu/Linux sentiam, isto aos olhos do usuário final, por que o nível de curva de aprendizado torna-se alto quando entramos em uma distribuição comercial. Para que se tenha uma idéia, o CentOS (remasterização do Red Hat Enterprise, respeitando direitos autorais e imagens da instituição), caso seja instalado como servidor, com poucos pacotes default você não terá a ferramenta ifconfig disponível, mas espere, ifconfig é um utilitário disponível em todas as distribuições, isto é padrão, e nem todas usam o system-config. Quantas usam dpkg, apt ou aptitude? Quantas tem o RPM como gestor de pacotes? O Yum? O Yast, Yast2?
Sabemos que são particularidades em cada distribuição, e que tais particularidades visam a automatização de determinadas tarefas que comumente estão vinculadas com o sistema operacional que as implementam.
Neste momento entram as divergências em geral, pois entendemos que comandos básicos sempre serão respeitados, e que seus manuais são preservados de uma distribuição para outra, mas que nem sempre estão no mesmo lugar.
Localidades na árvore de estrutura de dados, nomes de arquivos de configuração, modalidade de configuração de rede a nível de arquivo e forma com que containers web trabalham é muito diversificada em cada distribuição. Isto dificulta no momento de colocar na cabeça de algum xiita de códigos fonte proprietários que o Gnu/Linux é bom!
Observem o estouro e magnitude de distribuições como Ubuntu e Fedora, a nível desktop, vejam o quão abrangentes e aceitáveis elas são, e o mais importante, o quão bem documentadas elas são, mas em uma suave visão diferenciada, tente usar os conceitos aprendidos em cada uma delas em um Gentoo, CentOs ou OpenSuse, talvez você não queira mais usar Gnu/Linux, ou melhor, fará distinção por conhecer todas as ferramentas/utilitários de uma e de outra não.
Deixo claro que o Gnu/Linux é a escolha certa para quem não quer dores de cabeça futuras, quer estabilidade e o melhor, segurança de suas informações garantidas por sistemas que têm geeks de milhares de lugares dedicando-se na provisão de códigos de altíssimo nível e de escalabilidade monstruosa.
Minhas recomendações para marinheiros de primeira viagem:

• Use Ubuntu/Fedora para desktop, principalmente o Ubuntu que permite upgrades de versão do Sistema Operacional de maneira mais segura,
• Use CentOs/Ubuntu/Slackware ou Debian em seus servidores, principalmente Ubuntu/Debian que permitem upgrades de versões sem maiores dores de cabeça,
• Use Ubuntu/Fedora em escritórios, principalmente por sua quantidade enorme de drivers (módulos) para impressoras e etc.

Existem outras distribuições Gnu/Linux que têm tido muito prestígio, como por exemplo cito o Mandrake, empresa que assumiu a Conectiva e que tem se destacado pela ampla gama de produtos e suporte de qualidade, sendo hoje conhecida como Mandriva. OpenSuse, outra distribuição muito respeitada, versão Grátis e de código fonte aberto, 100% baseada no Suse Enterprise, mantido pela comunidade open source do mundo inteiro, esta é bastante amigável também.
Lembre-se que uma distribuição deve primar por conceitos de segurança, estabilidade e alto desempenho, principalmente, deverá ser bem documentada, e trivialmente falando, documentada maciçamente sobre suas ferramentas em particular.
Gestores de pacotes também são algo que tornam a problemática maior, por que os pacotes .DEB e .RPM imperam, seguidos de seus gestores deb/apt/aptitude e RPM/up2date/yum. Sabemos que é simples compilar algo (em alguns casos, devido requerimento de paths para libs a situação poderá complicar-se) e ajustar paths de destino, mas nem tudo isto brilha aos olhos dos mantenedores de software, tanto pelo nível de dificuldade avaliado para compilações e geração de source pré-compilado na plataforma como pela simplicidade de gestão (upgrade, downgrade e patching em geral).
Quanto ao GuiaFoca, este ainda é a melhor alternativa em documentação Gnu/Linux (falando de maneira geral), mas não atenha-se ao mesmo pois as distribuições estão mudando e agora parecem que estão tomando “independência” ou pensam em seguir assim, longe de padrões LSB.
Aprender sempre é bom, mas não atenha-se a distribuições muito individualistas, isto poderá complicar sua vida em um futuro muito próximo, principalmente no que tange ciclo de vida da versão do sistema ou até descontinuidade do projeto adotado por você ou por sua empresa (vide distribuições como Kurumin que tinham excelente iniciativa, mas que estão agonizado neste momento, Conectiva – adquirida pela Mandrake e outras).

As particularidades excessivas das distribuições estão levando as distribuições que adotam esta modalidade de negócio/serviço para uma ilha de destaque e talvez solidão.

Muito cuidado com sua escolha!

Abraços a todos e bom trabalho/estudo.