Como instalar PHP, Apache e Mysql no Mac Os X Snow Leopard (mamp2 no mac)

Standard

Este é um artigo daqueles “easy-to-use”, aonde instalaremos o apache 2, o php 5 e o mysql 5 para que possamos programar sossegadamente (fazer um webserver para hospedar nossa aplicação localmente).
O sistema operacional usado aqui foi o Mac Os X Snow Leopard 10.6.7, mas o procedimento é o mesmo para 10.6.8.

Vamos para o fight?
Iremos usar o console do Mac os x, assim como o ports do Mac para gerenciar o trem com velocidade.
Façamos o seguinte, clique em terminal (veja a imagem abaixo):

como abrir terminais no mac os x

como abrir terminais no mac os x

Clicando lá você fará o seguinte:

Little-oaks-appunixlabs:~ sudo apachectl start

Isto fará com que você chame recursos globais como super usuário e ative o serviço do apache 2 dentro do seu Mac os x, LEMBRANDO que será requisitada a senha de superusuário para que você possa rodar este recurso, pois o sudo te dá poder de root para executar um determinado comando, como neste caso tomtamos o exemplo do apachectl.

Para conferir que o procedimento deu certo abra seu navegador web (no nosso caso curtimos muito o Mozilla Firefox, mas fica ao seu critério o navegador [isto não influenciará em nada neste how to]), conforme imagem abaixo, na barra de endereços digite

Apache ok

Apache ok

HTTP://localhost

Nosso segundo ponto e muito importante é entrar no arquivo de configuração do apache 2 afim de habilitarmos o suporte ao PHP, vamos por a mão na massa? Estamos usando o VIM, um editor muito eficaz e leve (todos que já amaram o vi um dia com certeza amam/amarão o vim):

Little-oaks-appunixlabs:~ sudo vim /etc/apache2/httpd.conf

 

Dentro deste arquivo devemos remover o comentário da linha abaixo:

LoadModule php5_module libexec/apache2/libphp5.so

Recomendo que aperte a tecla / no vim e digite php5, você já vai cair em cima da linha a ser descomentada, em seguida, no sinal de libra (#), caminhe até ele e aperte x
Isto nos deixará com suporte ao PHP, depois basta apertar ESC e digitar isto:
:wq!
Assim que pressionar ENTER o arquivo será salvo.
Vamos explicar o por que de :wq!

: representa comando para o arquivo
W representa ESCREVER
Q representa QUIT (sair)
! representa EXECUTAR as instruções informadas

Para finalizarmos o suporte ao php precisamos rodar o seguinte comando:

Little-oaks-appunixlabs:~ sudo apachectl restart

É mania de todos criar um arquivo com a função phpinfo() contida nele, porém, se fizermos isso “de cara” o apache vai exibir muitos warnings (interpretados pelo php) por questões de permissões e de existência do arquivo php.ini. Para sanarmos isto deveremos fazer o seguinte:

Little-oaks-appunixlabs:~ cd /etc
Little-oaks-appunixlabs: sudo cp php.ini.default php.ini
Little-oaks-appunixlabs: sudo chmod 666 php.ini

Estamos copiando o php.ini default do /etc (área de arquivos de configurações em Unix-like systems) e atribuindo permissões 666 (dono pode ler e escrever no arquivo, grupo também e demais também).
No arquivo php.ini temos de localizar o trecho aonde o TimeZone é identificado (mas está comentado). É muito importante mudar esta linha e ajustarmos nosso timezone corretamente, pois isto nos dará um horário adequado. Para isto devemos proceder da seguinte forma:
Little-oaks-appunixlabs: sudo vim php.ini
Em seguida aperte a tecla / para localizar um termo, informe o seguinte date.timezone, isto lhe deixará na linha acima da que precisamos mudar. Descomente a linha abaixo para que fique assim:
date.timezone =

Você removerá o ; apertando x em cima dele. Para deixarmos o vim em modo de edição de arquivos precisamos apertar a tecla i, isto nos dará poder de editar o arquivo (saindo de modo comando).
Agora iremos colocar depois do = o seguinte:
America/Sao_Paulo
Então o resultado final será —> date.timezone = America/Sao_Paulo
Dê ESC e digite
:wq!
Aperte ENTER e terá o arquivo salvo.

 

As vezes você pode estar se perguntando:

Poxa, mas meu timezone não tem nada a ver com o de Sampa, o que faço?
Relaxa, rapá! A galera do Appunix pensou em você! Abaixo segue a lista de timezone da América:
http://www.php.net/manual/en/timezones.america.php

Se mesmo assim não lhe agradar você pode usar os globais:
http://www.php.net/manual/en/timezones.others.php

Mas é impossível você não se agradar dos timezones da América, são repletos.
Os mais comuns que são usados são:
America/Porto_Velho
America/Noronha
America/Rio_Branco
America/Recife
America/Sao_Paulo
America/Porto_Acre
Mas escolha o que mais lhe agradar.

Assim que decidir qual seu TimeZone você deve reiniciar o apache para reler o php.ini e ativar o negócio:
Little-oaks-appunixlabs: sudo apachectl restart

Agora precisamos instalar o Mysql 5 para que possa trabalhar da forma que almejamos.
Para irmos direto ao ponto acesse o link abaixo:
http://dev.mysql.com/downloads/mysql/5.1.html#macosx-dmg
Se cuide para baixar a versão ideal para você.
Aí é 64 bits? Não sabe como é? Quer saber como seu Mac Os X Snow Leopard está operando? Clique na maça, depois clique em Sobre Este MAC, em seguida clique em Software (Categoria) e procure pela linha Kernel de 64-bit e Extensões: Sim (conforme a foto abaixo):

como ver informações do seu mac os x

como ver informações do seu mac os x

Caso seja Sim é 64 bits (x86_64), então baixe o pacote para 64 bits.
Vamos simbora?
Baixe o arquivo x86_64 no formato DMG.

baixar pacote mysql 64 bits (DMG)

baixar pacote mysql 64 bits (DMG)

Quando você clicar no formato DMG automaticamente o site da Mysql vai te convidar a logar-se lá com eles, mas basta prestar a atenção (conforme imagens abaixo) para não precisar perder tempo com esta burocracia, se você quer baixar direto (melhor Né?) basta fazer o seguinte, clique no link abaixo:
HTTP://dev.mysql.com/get/Downloads/MySQL-5.1/mysql-5.1.58-osx10.6-x86.dmg/form/http://mysql.cce.usp.br/
Deixa o download terminar siga os passos das fotos abaixo (literalmente instalar o mysql e seu ícone), Devemos concluir os passos extras para adição do Mysql como sendo parte do painel administrativo, para isto siga os passos abaixo:

passo1

passo1

 

Feito isto iremos confirmar se o mysql está rodando com o seguinte comando:

Little-oaks-appunixlabs: /usr/local/mysql/bin/mysql

Feito isto iremos reiniciar o apache 2 para garantir que o nosso servidor está integrando literalmente tudo, faremos com o seguinte comando:

Little-oaks-appunixlabs: sudo apachectl restart

Para conferirmos tudo vamos entrar dentro da nossa pasta pessoal, na pasta Sites e criar um arquivo chamado index.php. Dentro dele iremos colocar o seguinte (ISTO EM /Library/WebServer/Documents):
Ou seja -> sudo vim /Library/WebServer/Documents/index.php

< ?php phpinfo(); ?>

Teremos liberadas extensões como PDO (Muito boa para abstração no banco de dados mysql), Mysqli (a versão aprimorada do conector nativo do Mysql [somente disponível a partir do Mysql 5.x])
Pronto, feito isto instalamos o Mysql 5 , Php 5 e Apache 2 em nosso Mac Os X :D.
Abraços a todos e saibam que o AppUnix aprecia sua visita!

Lamp2: Ubuntu Server APACHE 2 Mysql 5 PHP 5 phpmyadmin

Standard

Um ambiente LAMP2 (apache 2 mysql 5 php 5 e phpmyadmin) é fundamental para quem desenvolve e deseja testar sua app antes de envia-la para web, sem mais, vamos aos passos:

1 – Clique em Aplicativos->Acessórios->Terminal OU CASO ESTEJA USANDO QUALQUER OUTRA VERSÃO SERVER SEM X, CTRL + ALT + F2.
2 – rode o comando:

sudo apt-get install apache2

Este comando serve para instalar o apache 2. Ressalto que usei o gestor de pacotes e habilitei o suporte a pacotes instáveis e também o repositório partner (mais abaixo posto como fazer).

Ainda no console use o comando abaixo:

sudo apt-get install php5 libapache2-mod-php5
Isto servirá para instalar o php5 e ainda integra-lo como DSO no apache (como módulo).

Já que estamos na metade do caminho o ideal seria dar um restart no apache para garantir que ele leu seu conf.
Use o comando:

sudo /etc/init.d/apache2 restart

A saída deverá ser parecida com:

* Restarting web server apache2 apache2: Could not reliably determine the server’s fully qualified domain name, using 127.0.1.1 for ServerName
… waiting apache2: Could not reliably determine the server’s fully qualified domain name, using 127.0.1.1 for ServerName
[ OK ]

Para garantir que o apache está interpretando códigos php (fazendo uso do interpretador como módulo) podemos editar um arquivo e testa-lo. use o comando abaixo:

sudo vi /var/www/index.php

Dentro deste arquivo informe:

echo 'APPUNIX é um lab de nerds!';
?>

escreva : e depois escreva wq! e pressione enter, ficando algo como :wq! , você salvará o arquivo e sairá do vi.
Feito isto acesse o arquivo para ver se a mensagem APPUNIX é um lab de nerds! aparece, caso sim, sucesso total! Do contrário releia este manual!
Este teste pode ser feito em http://localhost/index.php

Para instalar o mysql como servidor de banco de dados devemos usar o seguinte comando:
sudo apt-get install mysql-server


No meio desse esquema todo serão exibidas janelas que solicitarão a senha de administrador do mysql, semelhantes as imagens abaixo:

senha mysql root

senha mysql root

Outra tela:

senha root mysql 2

senha root mysql 2

Estas telas pedem para que você dê uma senha para o usuário root do mysql, escolha uma senha ao seu gosto e depois repita a mesma.

Agora iremos integrar o php + apache + mysql + phpmyadmin, para isto precisaremos usar o comando:

sudo apt-get install libapache2-mod-auth-mysql php5-mysql phpmyadmin

Neste meio tempo uma tela para escolher entre apache e lighttpd aparecerá, escolha apache. Veja:

escolha apache

escolha apache

Na primeira tela escolha OK e dê um tab para confirmar que aceita a opção.

phpmyadm

phpmyadm

A próxima tela pedirá uma senha de admin para o phpmyadmin, para isto defina algo seu. Veja a tela:

pass phpmyadm

pass phpmyadm

Costumo, após terminar uma instalação de integração como esta utilizar-me de lago, insira as seguintes linhas naquela página index.php usando sudo vim /var/www/index.php
Informe dentro dela o seguinte:

mysql_connect(‘localhost’, ‘root’, ‘suaSENHA’) or die(mysql_error());
?>

Acesse http://localhost/index.php

Se nada ocorrer tudo está 100%.

Quando terminar use o comando:
sudo /etc/init.d/apache2 restart

Isto vai fazer o apache reler todos os confs.

Para concluir precisamos levar o phpmyadmin para a pasta web afim de que possamos editar nossos bds. Para isto precisamos copiar o phpmyadmin para dentro do /var/www usando o comando:

cp -rp /usr/share/phpmyadmin /var/www

Sendo assim, para acessar somente precisamos de um http://localhost/phpmyadmin

Como instalar o apache 2 mysql 5 php 5 e phpmyadmin no Debian 5.0.6

Standard

PessoALL, estamos fazendo outro How to da série Lamp2. O ambiente apache (container web ou servidor de páginas mais utilizado da internet), php 5 (linguagem de programação mais utilizada da internet), mysql 5 (banco de dados mais usado na internet) e phpmyadmin (gestor de bases de dados mysql mais amigável em termos de front-end) é indispensável para desenvolvedores php. Abaixo, em passos e imagens simples você saberá como instalar e deixar 100% operacional a famosa arquitetura LAMP2.

Primeiro passo é ter poder de root (no caso de nossa instalação). Iremos abrir o console como root afim de evitar que utilizemos o comando sudo antes dos comandos gerais de instalação do lamp2. Na realidade NADA impede que você possa instalar o lamp2 com comandos em um terminal comum, a única coisa que ressaltamos é que tome cuidado sempre com a precedência do comando sudo na frente de nossos comandos abaixo citados, ou logar-se como root com su –  para atrair um ambiente root globalmente. No mais tudo será muito semelhante.

O Hardware testado é simples, celeron i386 (debian 32 bits em cima de um celeron), 512 de ram e disco de 10gb.
A versão usada é o Debian 5.0.6.

1 – Clique em Aplicações -> Acessórios -> Terminal Como Root. A imagem abaixo demonstra claramente como este passo-a-passo é feito:

terminal root

terminal root

Antes de mais nada certifique-se que tudo está ok com o apt-get, por isso use:

apt-get update

A saída é muito parecida com a imagem abaixo:

Apt get

Certificar o Apt

Assim que o terminal estiver operando (aberto) vamos instalar o apache2 com o seguinte comando:

apt-get install apache2

Assim que este comando for digitado, a saída exige que se Aperte S para confirmar ou N para cancelar a instalação. A imagem é muito parecida com a saída abaixo:

confirmar apache2

confirmar apache2

A saída após confirmar com S é muito parecida com:

saida apache2

saida apache2

Neste ponto o apache 2 está online.
Agora vamos instalar o php5 no apache 2 como DSO (php como módulo do apache2).
Para isto digite o comando:

apt-get install php5 libapache2-mod-php5

A saída para este comando é muito parecida com a imagem abaixo:

apache php mod

apache php mod

Pronto, para confirmar que o php 5 está sendo interpretado no apache2, primeiro é necessário digitar o comando abaixo afim de que o apache 2 possa reler suas configurações de maneira simples e rápida:

/etc/init.d/apache2 restart

Esse comando reinicia o apache2. Feito isto, podemos remover o index.html e criar um arquivo php. Para isto faça:

rm -rf /var/www/index.html

Este comando remove o arquivo index.html default do apache2. Abaixo vamos criar um arquivo index.php:

vim /var/www/index.php

Dentro do arquivo coloque o conteúdo da imagem abaixo:

index php

index php

A saída disto pode ser testada em um navegador através do endereço:

http://localhost/index.php

A saída deste acesso deve ser indêntica a imagem abaixo:

localhost

localhost

Agora precisams instalar o mysql 5 em nosso Debian, para isto use o seguinte comando:

apt-get install mysql-server

Será necessário confirmar, conforme a imagem abaixo:

instalar MYSQL

instalar MYSQL

Confirme com S, assim que ocorrer o processo de instalação do mysql server a saída será muito parecida com a imagem abaixo:

confirmar senha MYSQL

confirmar senha MYSQL

Esse trecho o mysql vai pedir a senha de root que será a senha padrão do administrador do mysql 5. Confirme com qualquer senha definida ao seu critério, em seguida uma nova tela será exibida pedindo confirmação de senha novamente, conforme a tela abaixo:

Repetir Senha MYSQL

Repetir Senha MYSQL

As mensagens exibidas na instalação do mysql após confirmado devem ser muito parecidas com as da tela abaixo:

Resultado Mysql

Resultado Mysql

Agora iremos para o passo final, a integração entre o apache, php, mysql e phpmyadmin. Para isto precisamos instalar a integração com o seguinte comando:

apt-get install libapache2-mod-auth-mysql php5-mysql phpmyadmin

Assim que o comando é digitado, conforme citamos acima, você precisa apertar S para que seja confirmada a instalação da integração de o phpmyadmin. A saída do comando acima é muito parecida com a imagem a seguir:

lamp Integracao

Confirmando com S a instalação prosseguirá, porém o phpmyadmin solicitará o container o qual ele vai operar. Devemos escolher o Apache2 conforme nosso padrão de instalação. Printamos a tela com esta informação:

Marque Apache

Marque Apache

Após marcação, a saída final segue-se abaixo:

Saida Integracao

Saida Integracao

Pronto, agora só precisamos reiniciar o apache2 para que toda integração ocorra fielmente, precisamos copiar a pasta do phpmyadmin para o /var/www afim de acessarmos com c o front-end do phpmyadmin.
Para isto digite os comandos:

/etc/init.d/apache2 restart

cp -rp /usr/share/phpmyadmin /var/www

O segundo comando faz a cópia citada.

Para testarmos TUDO basta abrirmos o navegador e inserirmos o endereço http://localhost/phpmyadmin, se a saída for idêntica a da imagem abaixo, parabéns, sua missão acaba agora!

Teste php myadmin FINAL

Teste php myadmin FINAL

Se quiser acessar o phpmyadmin basta colocar root como usuário e informar a senha de root definida no momento da instalação do mysql.

Agradecemos pelo seu empenho junto conosco neste how to 😛

Att: littleoak

Mais que uma distribuição: Ubuntu é uma paixão!

Standard

Por estes dias estive trocando idéias com um amigo meu (dooguinha) que também adora Gnu/Linux, sobre qual distribuição usar, visto que estava com Windows XP em meu desktop pessoal e precisava de algo mais enriquecedor em termos de conhecimento (mexer com registro de Windows para remover falhas não é muito proveitoso, rsrsrs).

Resolvi voltar a utilizar-me do Ubuntu.

Antes quero expor alguns problemas que enfrentei antes desta escolha:

1 – Na tentativa de usar o OPENSUSE eu não poderia deixar de comentar da podridão que é em termos de velocidade de update nos repositórios do Opensuse, sem contar o drama que é para achar uma configuração avançada – resumo -> mv opensuse_my_desk /dev/null (apesar da excelente instalação em um hd ide de 320gb, e detecção de maneira louvável com ênfase em hardware),

2 – Na tentativa de usar o Fedora, o que mais me chamou atenção foi o boot todo voltado para arquitetura sata, ou seja, seu boot fica todo duro no /sbin/loader… Quem diria… o foguete ainda nem saiu do forno e já me deixou sem um minuto sequer desejoso em utiliza-lo. Sabe qual foi o fim? mv fedora_my_desk /dev/null,

3 – Na tentativa de usar o CentOS como desktop eu volto no ponto 2 e vivo o mesmo drama… mv centos_my_desk /dev/null.

Confesso que deixei o Ubuntu como sendo a última alternativa. Isto ocorreu devido um teste um pouco frustrado de utilizar-me da 10.04 em meu modesto desktop. Achei lento no uso, porém rápido no boot, e de maneira precipitada não lembrei que os repositórios estavam lotados graças a quantidade de fãs que esta distribuição faz a cada lançamento.

Decidi então subir manualmente o desktop, afim de obter algum “exclarecimento” no quesito velocidade de S.O., optei pela 9.10 subindo para Lucid. Abaixo segue um screen mostrando o primeiro ponto forte do Ubuntu aos meus olhos:


Após update, cheguei na Lucid e modifiquei os botões de janelas para a direita, afinal de contas de livre o mac só tem a escolha de compra do usuário!

Quer apontar os botões para o lado direito? Use:

gconftool-2 --type string --set "/apps/metacity/general/button_layout" "menu:minimize,maximize,close"

E para que isto se aplique a todos os users faça:

sudo gconftool-2 --direct --config-source xml:readwrite:/etc/gconf/gconf.xml.defaults --type string --set "/apps/metacity/general/button_layout" "menu:minimize,maximize,close"

Ambos comandos pedem autorização para rodar, aplique a senha do root e pronto!

Por fim vai um print do meu desktop 😀 (ainda nem terminei minhas customizações, mas gostei das tonalidades).

O dia de testes na penúltima utilização do Ubuntu foi quando criei o tutorial do LAMP2 no Lucid Lynx.

Ah, o problema somente será o espaço para o Slackware 13.1. Estou um pouco triste por que se continuar curtindo meu Ubuntu terminarei abandonando meu slackzinho :(.

Abraços e boa noite ALL!

Fedora 10: Lamp2 – linux apache 2 mysql e php 5 + ruby + python

Standard

Vou mandar ver em um how to interessante para os amantes do LAMP sob fedora. Todos que usam Fedora devem (ou deveriam) saber que a versão atual deste fabuloso sistema encontra-se na 10. Iremos fazer um how to sobre lamp 2 no Fedora 10, então atente para estar usando Fedora 10.

Requisitos:

Internet (se rápida será melhor ainda),
Fedora 10,
Vontade de rodar o lamp2 no Fedora 10 ?:) ,
Estar logado como root.

Indo ao Combate

Após instalar seu Fedora acesse o console como root e execute os seguintes comandos:

yum update -y

Isso vai atualizar os repositórios e recursos do sistema (kernel, utilitários  e etc).

Após vamos instalar o mysql:

yum -y install mysql mysql-devel mysql-server

Isso vai instalar o mysql, mas logo após sua instalação aplique os comandos abaixo:

chkconfig –levels 235 mysqld on
/etc/init.d/mysqld start

Confirme se a porta já está ativa e esperando conexões:

netstat -tap | grep mysql

Isto deve gerar uma saída mais ou menos assim:

tcp        0      0 *:mysql                     *:*                         LISTEN      2407/mysqld

Após faça este ajuste aqui:

vi /etc/my.cnf

#skip-networking

Comentar a linha acima.

Reinicie o mysql com o comando:

/etc/init.d/mysqld restart

Pronto, defina a senha de root do mysql com os comandos abaixo:

mysqladmin -u root password Sua_nova_SENHA
mysqladmin -h maquina.meudominio.com -u root password Sua_nova_SENHA

Isso aplicará a senha de root do mysql.

Agora vamos aplicar php, python e ruby + apache 2:

yum -y install httpd php php-devel php-gd php-imap php-ldap php-mysql php-odbc php-pear php-xml php-xmlrpc php-eaccelerator php-magickwand php-magpierss php-mapserver php-mbstring php-mcrypt php-mhash php-mssql php-shout php-snmp php-soap php-tidy curl curl-devel perl-libwww-perl ImageMagick libxml2 libxml2-devel

chkconfig –levels 235 httpd on

Pronto, depois disso faça o teste com —>

/etc/init.d/httpd start

Instale o ruby:

yum install httpd-devel ruby ruby-devel

cd /tmp
wget http://www.modruby.net/archive/mod_ruby-1.3.0.tar.gz
tar zxvf mod_ruby-1.3.0.tar.gz
cd mod_ruby-1.3.0/
./configure.rb –with-apr-includes=/usr/include/apr-1
make
make install

vi /etc/httpd/conf.d/ruby.conf

LoadModule ruby_module modules/mod_ruby.so

/etc/init.d/httpd restart

yum install mod_python

/etc/init.d/httpd restart

Prontooo!