Como Atualizar o MILESTONE 2 para o Android 4.1 (Jelly Bean) com SEGURANÇA

Standard

Sobre o artigo

Existem inúmeros artgos na WEB, mas poucos detalham com clareza como instalar o android 4.1 no Milestone 2 sem ter crashes no sistema operacional.

Antes de mais nada reportaremos que NÃO iremos mais disponibilizar nenhum link novo com o uso do Dropbox, pois continuamente está sendo suspenso o tráfego em detrimento da quantidade de downloads realizados diariamente. Iremos agora colocar os links internamente. (em nosso site)

Para lhe encorajar a ir eu ressalto alguns pontos bombados:

1 – NEM o galaxy s3 tem o 4.1 rodando oficialmente até a data de hoje!

2 – A leveza desse trem é algo de causar inveja em qualquer concorrente (Motorola Milestone 2 possui 1ghz de clock e apenas 512mb de ram)!

3 – A velocidade dos aplicativos e a remoção do motoblur,

4 – Sistema de updates OTA bem curioso que a “gangue santa” da Cyanogenmod fez parece muito promissor.

 

Esse artigo é confiável???

Bem, rodamos 4 osreloads no aparelho para testes e a satisfação é muito grande, se isso não te encoraja continue com essa rom tosca 2.3.6 cheia de limitações :).

Primeiro de TUDO quero afirmar que as ferramentas que usamos NÃO funcionaram em outro sistema operacional que não fosse WINDOWS XP 32bt (e diga-se de passagem que foi o Service Pack 2, ou seja, o service pack 3 com os patches mais recentes deverá funcionar SEM problemas).
SÓ SIGA O ARTIGO SE TIVER ALGUMA ROM RODANDO COMO GINGERBREAD, OU SEJA, ANDROID 2.3.x, se for 2.2 vá para o nosso antigo artigo ou vá para nosso artigo de como dar FULL RESTORE no MILESTONE 2, aplicando assim uma rom de fábrica 2.3.6 e depois seguindo esse artigo.
SE VOCÊ TEM AMOR A SUA VIDA DEIXE A BATERIA TODA CARREGADA ANTES DE FAZER OS PROCEDIMENTOS, POIS O RESTORE TAMBÉM DEPENDE DELA (CASO VOCÊ FAÇA ALGO DE ERRADO, POIS NÓS TESTAMOS 4 VEZES NOSSO ARTIGO!)

Todas as ferramentas já foram analisadas por AVs, mas se quiserem podem dar scan antes de abrir qualquer uma delas.
Reporto também que, por conter exploits para o sistema de base, o SuperOneClick vai acusar suspeita no AV, verifique com detalhes para ver que NÃO É NENHUMA SACANAGEM NOSSA, foi baixado direto da XDA (se quiserem podem baixar por lá, bastar ir na área do Milestone 2 e só alegria).

O que eu devo baixar?

Droid 2 Recovery Bootstrap (para ativar modo de recuperação) —> http://www.appunix.com.br/repository/droid2recovery.apk

Rom 4.1 Diretinho da gangue da XDA (no google) —> http://cm-milestone2.googlecode.com/files/CM10-20120917-NIGHTLY-milestone2.zip

SuperOneClick (para dar root permanente no aparelho) —> http://www.appunix.com.br/repository/SuperOneClickv2.3.3-ShortFuse.zip

Google Apps (patch) —> http://goo.im/gapps/gapps-jb-20120726-signed.zip

RSDLite com MTKpatch (gestor de rom) —> http://www.appunix.com.br/repository/RSDLite5.6_and_MTKpatch.zip

MotoHelper (drivers massa para o M2)—> http://www.appunix.com.br/repository/MotoHelper_2.0.49_Driver_5.0.0.exe

Não tente coisas como z4root e afins, só quem funcionou realmente aqui foi o SuperOneClick, que de coração recomendo que façam doações para o desenvolvedor!
No caso do RSDLite a gente nem vai usar aqui, deixei ali para que, se houver PROBLEMAS (isso nós testamos 4 vezes e NÃO CORROMPEU NADA) você pode dar OSRELOAD sem problemas.

 

Hora do RUSH!

Depois de baixar TUUUUUDO, coloque dentro da pasta principal (raiz, para fácil localização quando entrar em modo recovery) os arquivos droid2recovery.apk, a rom da xda (4.1) e o google apps (10 mb).

Primeira coisa é instalar o RSDLite com patch e depois o MOTOHELPER. Reinicie seu Windows XP, assim que retornar plug o Milestone 2 com o cabo de dados (o da “batera”, pls!), em seguida, sendo identificado pelo XPzão, abra o SUPERONECLICK. Antes de mais nada, coloque seu aparelho em modo DEBUG (isso, entra lá em desenvolvimento e ativa o modo de depuração).

Depois CLICK em ROOT no SUPERONECLICK. Esse processo demora um pouco, pois o aparelho vai receber uma série de exploits para liberar o acesso root (ultra necessário para ativarmos o boot menu de recovery). Depois de uma série de coisas (MASSIVAMENTE TESTADA POR NÓS, É CLARO), seu aparelho JÁ ESTARÁ COM O ROOT LIBERADOOO! Remova o aparelho do cabo, agora é hora do fight!

Depois abra o droid2recovery (com seu gestor de arquivos, que na minha mente santa já consigo entender que é o ASTRO), abra o APK e instale o mesmo. Em seguida clique em ABRIR e ABRA o Droid2Recovery. Abrindo ele não click em reboot recovery, escolha a outra opção, será pedido permissão de root, diga que sim, quer dar permissão de root, confirmado, click em reboot recovery, e será liberado o momento de recovery.

Os botões de volume servem para andar de um lugar para outro, o botão da câmera serve para selecionar a opção que você escolher através dos botões de volume.

Ok, vamos ao fight?

1 – Procure pela opção INSTALL ZIP FROM SDCARD, entre nela e localize a rom do Jelly Bean, que provavelmente deve ter um nome semelhante a CM10-20120917-NIGHTLY-milestone2.zip, mande instalar, demorará alguns segundos, TERMINANDO, repita os procedimentos e vá a procura do arquivo GAPPS-JB-20…ZIP, instale-o.

2 – Aplique os 2 WIPES, em seguida clique em ADVANCED e dê + 2 WIPES lá presentes.

Pronto, depois disso volte aos menus anteriores (TECLAR LEVEMENTE SEM SEGURAR O POWER), e dê um REBOOT.

Feito isso espere alguns minutos (bem menos de 10), rodando você terá imagens como:

 

Daí, rolando tudo certo NÃO SE ESQUEÇA DE TRAZER UMA CAIXA DE BIZ PARA EU E O DOOOGUINHA!
Se houver problemas dá para voltar para rom original SEM QUALQUER DIFICULDADE: http://www.appunix.com.br/howto/linux/como-fazer-o-restore-completo-do-milestone-2-100-garantida-a-restauracao/ 

 

 

Como instalar o Adobe AIR e TweetDeck mais recentes no OpenSuse 11.4

Standard

Bom, pessoal, nós do AppUnix decidimos fazer um simples How to (bem easy-to-use mesmo) para que você possa instalar facilmente o Adobe Air junto com Tweetdeck sob OpenSuse 11.4. Sobre as notas de distribuição e hardware, nada tão gritante. Antes damos um alerta para quem “viaja” demais e instala Sistemas Operacionais Linux 64 bits quando NÃO SE TEM MAIS DE 4 gb de ram. Evite isto, pois Kernel PAE dá conta do recado e reconhece os 4gb de ram sob 32 bits com MUITO louvor.

Voltando ao ponto de specs, seguem abaixo:

Notebook Testado

Acer 7745 -> i3 350M, 4gb de ram.

Opensuse 11.4 32 bits.

Vamos que vamos?

Nosso primeiro passo é instalar o pacote RPM que está disposto no site da Adobe (pacote adobe air), Para baixar DIRETAMENTE acesse o link abaixo:

http://get.adobe.com/br/air/thankyou/?installer=Adobe_AIR_2.6_for_Linux_%28.rpm%29

Isto vai cair no site já para download.

Siga os passos abaixo:

adobeair passo 1

adobeair passo 1

Primeiro passo é dizer que queremos abrir o pacote com o gestor de pacotes RPM (mostrado acima).

adobeair passo 2

adobeair passo 2

Acima vemos o download prosseguindo (mesmo escolhendo ABRIR com gestor de pacotes RPM).

adobeair passo 3

adobeair passo 3

No passo acima vemos a execução do pacote baixado. Devemos clicar em INSTALAR para prosseguir.

adobeair passo 4

adobeair passo 4

No passo acima devemos confirmar que queremos instalar o pacote.

adobeair passo 5

adobeair passo 5

Devemos confirmar com nossa senha (senha de root do seu OpenSUSE 11.4) para autorizar a instalação do pacote.

adobeair passo 6

adobeair passo 6

Acima vemos o processo de instalação do adobe air rodando normalmente.

adobeair FINAL

adobeair FINAL

Para conferir que a instalação ocorreu filé clique em COMPUTADOR -> MAIS APLICATIVOS. Deve aparecer idêntico a foto acima.

Pronto, agora que metemos bala no Adobe Air, teremos de meter pólvora  (ou POIVA -> no interiorzão) no TweetDeck. Bora? Vamos na velocidade do dragão branco?

Primeiro passo é acessar o site oficial: http://www.tweetdeck.com/

tweetdeck passo 1

tweetdeck passo 1

Devemos clicar no menu COMPUTADOR para podermos baixar a versão DESKTOP.

tweetdeck passo 2

tweetdeck passo 2

Clicando em DOWNLOAD NOW iremos ativar o bichão (download dele). Devemos fazer isto para prosseguir com a instalação.

tweetdeck passo 3

tweetdeck passo 3

Veja o carregamento do arquivo direto no site.

tweetdeck passo 4

tweetdeck passo 4

Agora devemos clicar em ABRIR para baixar e usar o Adobe Air automaticamente na abertura dos arquivos.

tweetdeck passo 5

tweetdeck passo 5

Estamos terminando o download, falta pouco.

tweetdeck passo 6

tweetdeck passo 6

Agora iremos autorizar o Adobe Air a instalar o TweetDeck.

tweetdeck passo 7

tweetdeck passo 7

Estamos acima definindo o ponto de instalação do TweetDeck. Deveremos deixar o padrão, só confirme isto.

tweetdeck passo 8

tweetdeck passo 8

Acima devemos concordar com os termos da Adobe.

tweetdeck passo 9

tweetdeck passo 9

Conforme imagem acima, devemos colocar a senha de root do OpenSuse 11.4 afim de que seja autorizada a instalação/conclusão da instalação.

tweetdeck passo 10

tweetdeck passo 10

Depois disso é só ENJOY véi!

 

Curtiu? Aplique um SHARE nisso e se lhe salvou o dia comenta aí, please!

 

4ppUn1x agradece sua visita :P.

Broadcom Corporation BCM43225 802.11b/g/n no OpenSuse 11.4 (Acer 7745)

Standard

Antes de mais nada quero agradecer a Deus por estar usando este notebook, pois, sinceramente acho punk demais programar em monitores de alta resolução (1600×900).
Outro ponto importante para este artigo é que estou encantado com o nível de estabilidade do OpenSuse 11.4 neste notebook, que desde já deixo claro no mini overview que:

1 – Placa de rede está operando com eficiência (sim, pacotes sendo enviados usando GB),
2 – Som do Notebook alto pra caramba (e com qualidade),
3 – Brilho do monitor MUITO bem trabalhado (lembram do esquema de brilhos no ubuntu e mint, que o pau comeu pro nosso lado? http://www.appunix.com.br/howto/linux/resolvendo-problema-de-brilho-ubuntu-10-04-10-10-11-04-e-linux-mint-9-e-10-julia/),
4 – Reconhecimento de memória ram foi MUITO interessante (vide:

appunix-labs:~ # uname -a

Linux appunix-labs.site 2.6.37.6-0.5-desktop #1 SMP PREEMPT 2011-04-25 21:48:33 +0200 i686 i686 i386 GNU/Linux

appunix-labs:~ # free -m
total used free shared buffers cached
Mem: 3639 1118 2521 0 45 726
-/+ buffers/cache: 346 3293
Swap: 2058 0 2058

appunix-labs:~ #
)

5 – Repositórios para quem usa Velox estão muito rápidos (1 mb de link compartilhado aqui no labs, avephoenix… 🙁 ).

No mais o sistema em si é um tesão, Gnome 2.x, LibreOffice e etc.

Segue um lspci do Hardware testado:

00:00.0 Host bridge: Intel Corporation Core Processor DRAM Controller (rev 12)
00:02.0 VGA compatible controller: Intel Corporation Core Processor Integrated Graphics Controller (rev 12)
00:16.0 Communication controller: Intel Corporation 5 Series/3400 Series Chipset HECI Controller (rev 06)
00:1a.0 USB Controller: Intel Corporation 5 Series/3400 Series Chipset USB2 Enhanced Host Controller (rev 06)
00:1b.0 Audio device: Intel Corporation 5 Series/3400 Series Chipset High Definition Audio (rev 06)
00:1c.0 PCI bridge: Intel Corporation 5 Series/3400 Series Chipset PCI Express Root Port 1 (rev 06)
00:1c.5 PCI bridge: Intel Corporation 5 Series/3400 Series Chipset PCI Express Root Port 6 (rev 06)
00:1d.0 USB Controller: Intel Corporation 5 Series/3400 Series Chipset USB2 Enhanced Host Controller (rev 06)
00:1e.0 PCI bridge: Intel Corporation 82801 Mobile PCI Bridge (rev a6)
00:1f.0 ISA bridge: Intel Corporation Mobile 5 Series Chipset LPC Interface Controller (rev 06)
00:1f.2 SATA controller: Intel Corporation 5 Series/3400 Series Chipset 4 port SATA AHCI Controller (rev 06)
00:1f.3 SMBus: Intel Corporation 5 Series/3400 Series Chipset SMBus Controller (rev 06)
00:1f.6 Signal processing controller: Intel Corporation 5 Series/3400 Series Chipset Thermal Subsystem (rev 06)
02:00.0 Ethernet controller: Atheros Communications AR8151 v1.0 Gigabit Ethernet (rev c0)
09:00.0 Network controller: Broadcom Corporation BCM43225 802.11b/g/n (rev 01)
ff:00.0 Host bridge: Intel Corporation Core Processor QuickPath Architecture Generic Non-core Registers (rev 02)
ff:00.1 Host bridge: Intel Corporation Core Processor QuickPath Architecture System Address Decoder (rev 02)
ff:02.0 Host bridge: Intel Corporation Core Processor QPI Link 0 (rev 02)
ff:02.1 Host bridge: Intel Corporation Core Processor QPI Physical 0 (rev 02)
ff:02.2 Host bridge: Intel Corporation Core Processor Reserved (rev 02)
ff:02.3 Host bridge: Intel Corporation Core Processor Reserved (rev 02)

Pronto, vamos meter o pau e resolver logo essa parada com a velocidade do dragão?

Em primeiros passos DEVEMOS habilitar alguns repositórios que por default (mantidos pela comunidade) não estão ativos, porém, para que tudo funfe ok precisam estar instalados. Primeiro devemos abrir o YAST2 (Meu computador -> SISTEMA -> YAST), devemos seguir exatamente conforme a tela abaixo, para clicar nos repositórios afim de localizarmos o trecho para add repositórios:

Yast2

Yast2

Pronto, feito isto devemos selecionar os repositórios principais, mas para isso iremos avançar menu por menu até chegar na hora fatal :P, veja as imagens abaixo:

clicar em adicionar OPENSUSE

clicar em adicionar OPENSUSE

Veja que, conforme o print, na tela, devemos clicar em ADICIONAR afim de que adicionemos repositórios pelo gestor, veja a imagem abaixo que mostra a tela seguinte:

Escolher Repositórios da COMUNIDADE

Escolher Repositórios da COMUNIDADE

Assim que clicarmos em adicionar nos será dado um leque de opções, devemos escolher adicionar um repositório da comunidade, que como podem ver marcamos Mozilla Beta, Packman (sem este não conseguiremos colocar a Wifi para  moer), Mozilla e o Contrib, veja os prints seguintes:

Processando Escolha da comunidade

Processando Escolha da comunidade

Listas de Repositórios disponíveis

Listas de Repositórios disponíveis

Terminando Marcações de Repositórios

Terminando Marcações de Repositórios

 

Depois disto, quando clicarmos em OK o sistema vai processar nossas escolhas, porém, ele reclamará de chaves não válidas, devemos ignorar tais mensagens aceitando tais chaves gpg, veja a imagem abaixo:

Importar Chaves Problemáticas

Importar Chaves Problemáticas

 

Estamos perto da glória e neste instante não vamos perder o fôlego, antes devemos receber uma notificação do que foi mudado, veja nosso print:

Status de Mudanças Realizadas

Status de Mudanças Realizadas

 

Agora é hora de console 😛

Devemos impor as mãos e meter o pau no negócio, vamo que vamo?

Devemos rodar todos os comandos abaixo como ROOT afim de nem perdermos tempo com autorizações, para isto digite su – e coloque a senha do sistema para ganhar direitos globais como root e use os seguintes comandos abaixo:

appunix-labs:~ # lsmod | grep “b43|ssb|wl”
appunix-labs:~ # rmmod b43
appunix-labs:~ # rmmod ssb
appunix-labs:~ # zypper remove b43-fwcutter
appunix-labs:~ # echo “blacklist ssb” >> /etc/modprobe.d/50-blacklist.conf
appunix-labs:~ # echo “blacklist bcm43xx” >> /etc/modprobe.d/50-blacklist.conf
appunix-labs:~ # echo “blacklist b43” >> /etc/modprobe.d/50-blacklist.conf
appunix-labs:~ # echo “blacklist ndiswrapper” >> /etc/modprobe.d/50-blacklist.conf
appunix-labs:~ # zypper in broadcom-wl broadcom-wl-kmp-desktop
appunix-labs:~ # modprobe wl

 

Por fim dê um reboot:

appunix-labs:~ # reboot

 

Assim que seu S.O. voltar você deverá apertar FN + F3 para habilitar sua WIFI, dando tudo ok o resultado deve ser parecido com a foto abaixo:

wifi no opensuse

wifi no opensuse

 

Rolou ok aí?

Se ficar uma mini gamb de não aceitar sua WIFI pass, faça o seguinte, reinicie o pc, DESCONECTE qualquer cabo de rede e tente conectar-se via WIFI.

Rolou ok agora?

Tudo certinho?

Curtiu?

Use uma tática chamada SHARE, compartilhe.
Quer agradecer?
Comenta aí!
AppUnix agradece sua visita -> ENJOY!

Android 2.3 no Milestone 2 (Motorola Owned) LOL

Standard

Quanto mais a motorola se faz de cadeado mais hackers de verdade trabalham e ownam tudo que querem. Ownaram a zé bestona recentemente e o método de rodar a SBF rooteada segue-se de 3 formas abaixo:

 

 

Lembrando que os métodos acima só rodam para o MILESTONE 2 (A953) da Motorola (vulgo Zé BESTÃO).
Good LUCK!

Lamp2: Ubuntu Server APACHE 2 Mysql 5 PHP 5 phpmyadmin

Standard

Um ambiente LAMP2 (apache 2 mysql 5 php 5 e phpmyadmin) é fundamental para quem desenvolve e deseja testar sua app antes de envia-la para web, sem mais, vamos aos passos:

1 – Clique em Aplicativos->Acessórios->Terminal OU CASO ESTEJA USANDO QUALQUER OUTRA VERSÃO SERVER SEM X, CTRL + ALT + F2.
2 – rode o comando:

sudo apt-get install apache2

Este comando serve para instalar o apache 2. Ressalto que usei o gestor de pacotes e habilitei o suporte a pacotes instáveis e também o repositório partner (mais abaixo posto como fazer).

Ainda no console use o comando abaixo:

sudo apt-get install php5 libapache2-mod-php5
Isto servirá para instalar o php5 e ainda integra-lo como DSO no apache (como módulo).

Já que estamos na metade do caminho o ideal seria dar um restart no apache para garantir que ele leu seu conf.
Use o comando:

sudo /etc/init.d/apache2 restart

A saída deverá ser parecida com:

* Restarting web server apache2 apache2: Could not reliably determine the server’s fully qualified domain name, using 127.0.1.1 for ServerName
… waiting apache2: Could not reliably determine the server’s fully qualified domain name, using 127.0.1.1 for ServerName
[ OK ]

Para garantir que o apache está interpretando códigos php (fazendo uso do interpretador como módulo) podemos editar um arquivo e testa-lo. use o comando abaixo:

sudo vi /var/www/index.php

Dentro deste arquivo informe:

echo 'APPUNIX é um lab de nerds!';
?>

escreva : e depois escreva wq! e pressione enter, ficando algo como :wq! , você salvará o arquivo e sairá do vi.
Feito isto acesse o arquivo para ver se a mensagem APPUNIX é um lab de nerds! aparece, caso sim, sucesso total! Do contrário releia este manual!
Este teste pode ser feito em http://localhost/index.php

Para instalar o mysql como servidor de banco de dados devemos usar o seguinte comando:
sudo apt-get install mysql-server


No meio desse esquema todo serão exibidas janelas que solicitarão a senha de administrador do mysql, semelhantes as imagens abaixo:

senha mysql root

senha mysql root

Outra tela:

senha root mysql 2

senha root mysql 2

Estas telas pedem para que você dê uma senha para o usuário root do mysql, escolha uma senha ao seu gosto e depois repita a mesma.

Agora iremos integrar o php + apache + mysql + phpmyadmin, para isto precisaremos usar o comando:

sudo apt-get install libapache2-mod-auth-mysql php5-mysql phpmyadmin

Neste meio tempo uma tela para escolher entre apache e lighttpd aparecerá, escolha apache. Veja:

escolha apache

escolha apache

Na primeira tela escolha OK e dê um tab para confirmar que aceita a opção.

phpmyadm

phpmyadm

A próxima tela pedirá uma senha de admin para o phpmyadmin, para isto defina algo seu. Veja a tela:

pass phpmyadm

pass phpmyadm

Costumo, após terminar uma instalação de integração como esta utilizar-me de lago, insira as seguintes linhas naquela página index.php usando sudo vim /var/www/index.php
Informe dentro dela o seguinte:

mysql_connect(‘localhost’, ‘root’, ‘suaSENHA’) or die(mysql_error());
?>

Acesse http://localhost/index.php

Se nada ocorrer tudo está 100%.

Quando terminar use o comando:
sudo /etc/init.d/apache2 restart

Isto vai fazer o apache reler todos os confs.

Para concluir precisamos levar o phpmyadmin para a pasta web afim de que possamos editar nossos bds. Para isto precisamos copiar o phpmyadmin para dentro do /var/www usando o comando:

cp -rp /usr/share/phpmyadmin /var/www

Sendo assim, para acessar somente precisamos de um http://localhost/phpmyadmin

Como instalar Google Chromium no Ubuntu 10.10 de maneira rápida/segura/simples

Standard

Olá pessoALL, mais uma vez estamos aqui escrevendo sobre a plataforma Gnu/Linux, em especial o Ubuntu Linux, uma versão muito estável e amigável feita pela empresa Canonical, baseada no Debian Testing.
Eu particularmente (Little_Oak) acho que uma das coisas mais inovadoras feita para o usuário final desta distribuição foi reunir os aplicativos em uma central de programas do Ubuntu. O pequeno artigo de hoje mostra como instalar o Google Chrome (conhecido como Chromium Browser) no Ubuntu 10.10.

Clique no menu de Aplicativos->Central de Programas do Ubuntu. (a imagem abaixo mostra exatamente aonde fica o menu):


Clicando neste menu a central de programas (exibida na imagem a seguir) deverá ter uma interface muito parecida com a nossa:

termo de buscaPerceba que o ponto chave da figura acima é justamente a área de pesquisa que fica logo a direita, informaremos ali o termo Chrome e autoamticamente aparece o Google chrome como alternativa de instalação.
Abaixo dele tem um botão chamado Instalar. Clique nele e em seguida informe a senha do seu usuário. Feito isto a tela que será exibida deverá ser semelhante a nossa (logo abaixo):

instalar ChromiumA barra de progresso tende ir avançando a medida que o pacote vai sendo instalado (baixado e em seguida instalado). Se quiser acompanhar de perto o progresso (falo em números mesmo) você pode ver o que já foi baixado, basta clicar no item “EM PROGRESSO” que estará com ícone verde (menu esquerdo), ao clicar nele a tela que deverá ser exibida para você deverá ser muito pareceda com a tela a seguir:

Assim que concluir a instalação você já poderá conferir este maravilhoso navegador da seguinte forma:
Clique no menu Aplicativos —> Internet —> Chromium Navegador da Internet.
(imagem descreve melhor a localização)

Google Chromium no MenuPronto, feito isto você estará munido de um dos melhores navegadores da atualidade.

Abraços pessoALL, breve estaremos de volta :P.

Att: little_oak

How to install yum on red hat 4 or Centos 4 – Como instalar yum no Redhat 4 ou Centos 4

Standard

Essa é uma questão muito comum entre os sysadmins que tentam instalar o yum no red hat 4 ou centos 4 e não têm tido sucesso.

Abaixo preparei um how to com um link próprio dos arquivos para que você não tente encontrar o pacote na web e acabe se decepcionando ao ver navios.

Para instalar o yum no centos ou redhat siga exatamente o que será descrito.

Esse how to mostra como instalar o yum no RedHat 4.x (centos 4.x) de maneira simples e amigável.

O que será preciso?

1 – Estar logado como root no terminal,
2 – Criar um diretório aonde as coisas estarão armazenadas,
3 – Ter uma internet acessível para poder baixar (claro!).

Logue-se como root, em seguida, na pasta root crie algo como:

mkdir tmp
cd tmp

Agora que estamos dentro de /root/tmp nós iremos baixar todos os arquivos necessários e iremos deixar que o próprio yum dê conta do recado. Use exatamente os comandos abaixo para pegar os arquivos:

wget http://www.libphp.net/repositorio/yum-2.4.2-0.4.el4.rf.noarch.rpm
wget http://www.libphp.net/repositorio/libsqlite-2.8.15-1.i386.rpm
wget http://www.libphp.net/repositorio/python-elementtree-1.2.6-7.el4.rf.i386.rpm
wget http://www.libphp.net/repositorio/python-sqlite-0.5.0-1.2.el4.rf.i386.rpm
wget http://www.libphp.net/repositorio/python-urlgrabber-2.9.7-1.2.el4.rf.noarch.rpm

Agora que já temos os arquivos (pacotes) vamos instalar os mesmos:

rpm -ivh libsqlite-2.8.15-1.i386.rpm
rpm -ivh python-elementtree-1.2.6-7.el4.rf.i386.rpm
rpm -ivh python-sqlite-0.5.0-1.2.el4.rf.i386.rpm
rpm -ivh python-urlgrabber-2.9.7-1.2.el4.rf.noarch.rpm
rpm -ivh yum-2.4.2-0.4.el4.rf.noarch.rpm

Vamos ajustar o repositório:

wget http://www.libphp.net/repositorio/rpmforge-release-0.3.6-1.el4.rf.i386.rpm

Após

rpm -ivh rpmforge-release-0.3.6-1.el4.rf.i386.rpm

Depois disto somente faça:

yum update

Pronto!

Abração a todos e bom trabalho.