Como descobrir qual processador roda no seu Mac Os X de forma simples.

Standard

Galera, vamos rodar simples comandos para colhermos informações sobre nossos macs, ok?

Primeiro teremos de abrir nosso terminal, para isto clique em Aplicativos-> Utilitários -> Terminal:

abrir terminal UNIX no mac

abrir terminal UNIX no mac

Dentro do terminal você digitara os seguintes comandos:

 

Little-oaks-iMac:~ little_oak$ sysctl -n machdep.cpu.brand_string

A saída deve parecer com esta da imagem abaixo (que é Intel(R) Pentium(R) Dual CPU E2160 @ 1.80ghz —> Perceba que varia de cada processador, com certeza o seu deve ser core i5 e etc):

Lendo info da CPU

Lendo info da CPU

Temos outra alternativa VIÁVEL :P, bora ver?

 

Little-oaks-iMac:~ little_oak$ system_profiler | grep Processor

A saída deve se parecer muito com:

Processor Name: Intel Core 2 Duo
Processor Speed: 1.8 GHz
Number Of Processors: 1

Lendo info da CPU EXTRA

Lendo info da CPU EXTRA

Curtiu?

Use uma mágica chamda SHARE!

😛

 

Fonte: http://osxdaily.com

O dia em que testemunhei a pirataria prevalecendo

Standard

Estes dias estava observando um notebook de um conhecido, o qual não tinha conhecimento em sistemas operacionais livres e mais uma das vítimas dos “enlatados”. Pois é, como de costume, instalei no notebook dele o Windows XP service pack 2. Lutei para que o respeito aos produtos da Microsoft fossem prezados (não que deixe de apoiar ou que seja xiita, pelo contrário, para mim plataforma é unix-like), procurei evitar piratarias com aquelas coisas “enlatadas” de sempre.
Instalei coisas grátis como BrOffice, acrobat reader, winzip com evaluation e Avast Free (home).

software enlatado

software enlatado

Passaram-se semanas e ele (o “vitimado”) me liga e fala:

– Olha, dá para ver meu notebook, vou dar um pulinho aí e você vê o que pode fazer!

Pensei comigo:

– Poxa, deve ter sido algum trojan, alguma coisa que comprometeu o sistema do cara.

Assim que ele adentrou a porta da minha casa pedi que ligasse o notebook, um belo notebook core2duo e deixei a coisa andar.
Assim que o sistema foi carregado perguntei aonde estava o erro e ele me disse:

– Não, não há erro algum, é porque não sei digitar textos em um editor que não seja o Word e um gerador de planilhas que seja o excell.

Naquela hora ainda insisti:

– Preste atenção, instalar isso eu não posso por que não é original, não tem como, as atualizações em falta vão comprometer a segurança de seu pc a tal ponto que nem anti-vírus poderá suprir tamanho furo. E mais, usar um sistema broffice não é problema, pelo contrário, é muito parecido com os aplicativos que o office disponibiliza. Sem contar na simplicidade de menus e coisas do gênero.

Pois é, foi vã a minha insistência.

O cara pegou o pendrive, meteu o office 2003 PIRATA, instalou tudo que tinha direito, meteu um serial que achou em qualquer buraco e disse:

– Até que enfim achei o que eu realmente precisava, isso sim é que é editor!

Comecei a me perguntar o por que dessas coisas, visto que não faz sentido que as pessoas não atentem pela segurança de sua casa, de seus filhos, pois acredite, ter um pc seguro ajuda e muito na segurança de seus filhos, desde estelionatários até pedófilos utilizando keyloggers.

Sinceramente não entendia aquilo, e ao pensar por pouquíssimos segundos lembrei das coisas que vi e que vivi na minha infância em relação a sistemas operacionais e coisas do tipo, aonde os “técnicos” forneciam a mais célebre frase do mundo da TI:

– Pode instalar, eu me responsabilizo, este troço é perfeito e é “gratuito”.

Aplicam uma licença de um Adobe Photoshop pirata e falam tais misérias tecnológicas.
Assim foi seguindo e fui lembrando de “mais facilidades da vida”:

– Ah, usa este soft (não é software que eles dizem) aqui, ele é muito mais simples de usar.

Foi em uma dessas que em meados de 97 pagamos (eu e meu irmão) por uma instalação pirata do windows 95.

Fico pensando, até aonde as pessoas vão, até aonde elas realmente são sinceras e honestas consigo mesmas. Olhando pelo lado humano, você gostaria que alguém pegasse 1 kilo de cimento de sua loja e saísse com ele sem pagar afirmando que o pagamento foi copiado e colado de um outro depósito?

É assim que acontece, as pessoas utilizam-se de software pirata afirmando estarem santas em quaisquer aspectos da vida, mas esquecem que em outras palavras não passam de ladras.

Obs: nada de “santarrice”, pelo contrário, já fui praticante disto, mas hoje, como sou desenvolvedor e sei o quão esforçado é fazer as coisas corretas, dentro dos parâmetros de usabilidade e segurança (acredite, segurança de mais pode matar a usabilidade de um sistema caso o mesmo não tenha sido feito com precisão e com muita lógica), sei quão caro isto é para o tempo/bolso de um desenvolvedor.

Pense em uma coisa:

VOCÊ nunca agradaria-se de alguém invadindo seu supermercado e levando carnes, ovos, leite, arroz e etc falando que pegou o número da nota do vizinho que “deixou cair ao chão”.

Pense, reflita e pague por isso, quando alguém paga, este alguém pode exigir suporte, qualidade, reportar falhas e etc.

Lamentável a minha situação, pois além de ficar chateado com o rapaz eu não acreditei na falta de consciência prestada pelo mesmo, nem sequer parou para entender o que eu havia acabado de falar sobre atualizações, segurança e outros blá blá blá que a turma de ti tem.

Quantas empresas não saem perdendo com isto, e o pior, quanto não se perde com esta prática insana?

Pense que no fim de tudo, se houvesse mais dinheiro nas mãos dos desenvolvedores a estratégia seria sempre progressiva e talvez este software que você tanto reclama poderia ser bem melhor pela equipe mais qualificada de desenvolvimento, ou mesmo pela quantidade superior de desenvolvedores atuando em um mesmo projeto.

Mas é isto, bola para frente e Make life!