Como instalar o Adobe AIR e TweetDeck mais recentes no OpenSuse 11.4

Standard

Bom, pessoal, nós do AppUnix decidimos fazer um simples How to (bem easy-to-use mesmo) para que você possa instalar facilmente o Adobe Air junto com Tweetdeck sob OpenSuse 11.4. Sobre as notas de distribuição e hardware, nada tão gritante. Antes damos um alerta para quem “viaja” demais e instala Sistemas Operacionais Linux 64 bits quando NÃO SE TEM MAIS DE 4 gb de ram. Evite isto, pois Kernel PAE dá conta do recado e reconhece os 4gb de ram sob 32 bits com MUITO louvor.

Voltando ao ponto de specs, seguem abaixo:

Notebook Testado

Acer 7745 -> i3 350M, 4gb de ram.

Opensuse 11.4 32 bits.

Vamos que vamos?

Nosso primeiro passo é instalar o pacote RPM que está disposto no site da Adobe (pacote adobe air), Para baixar DIRETAMENTE acesse o link abaixo:

http://get.adobe.com/br/air/thankyou/?installer=Adobe_AIR_2.6_for_Linux_%28.rpm%29

Isto vai cair no site já para download.

Siga os passos abaixo:

adobeair passo 1

adobeair passo 1

Primeiro passo é dizer que queremos abrir o pacote com o gestor de pacotes RPM (mostrado acima).

adobeair passo 2

adobeair passo 2

Acima vemos o download prosseguindo (mesmo escolhendo ABRIR com gestor de pacotes RPM).

adobeair passo 3

adobeair passo 3

No passo acima vemos a execução do pacote baixado. Devemos clicar em INSTALAR para prosseguir.

adobeair passo 4

adobeair passo 4

No passo acima devemos confirmar que queremos instalar o pacote.

adobeair passo 5

adobeair passo 5

Devemos confirmar com nossa senha (senha de root do seu OpenSUSE 11.4) para autorizar a instalação do pacote.

adobeair passo 6

adobeair passo 6

Acima vemos o processo de instalação do adobe air rodando normalmente.

adobeair FINAL

adobeair FINAL

Para conferir que a instalação ocorreu filé clique em COMPUTADOR -> MAIS APLICATIVOS. Deve aparecer idêntico a foto acima.

Pronto, agora que metemos bala no Adobe Air, teremos de meter pólvora  (ou POIVA -> no interiorzão) no TweetDeck. Bora? Vamos na velocidade do dragão branco?

Primeiro passo é acessar o site oficial: http://www.tweetdeck.com/

tweetdeck passo 1

tweetdeck passo 1

Devemos clicar no menu COMPUTADOR para podermos baixar a versão DESKTOP.

tweetdeck passo 2

tweetdeck passo 2

Clicando em DOWNLOAD NOW iremos ativar o bichão (download dele). Devemos fazer isto para prosseguir com a instalação.

tweetdeck passo 3

tweetdeck passo 3

Veja o carregamento do arquivo direto no site.

tweetdeck passo 4

tweetdeck passo 4

Agora devemos clicar em ABRIR para baixar e usar o Adobe Air automaticamente na abertura dos arquivos.

tweetdeck passo 5

tweetdeck passo 5

Estamos terminando o download, falta pouco.

tweetdeck passo 6

tweetdeck passo 6

Agora iremos autorizar o Adobe Air a instalar o TweetDeck.

tweetdeck passo 7

tweetdeck passo 7

Estamos acima definindo o ponto de instalação do TweetDeck. Deveremos deixar o padrão, só confirme isto.

tweetdeck passo 8

tweetdeck passo 8

Acima devemos concordar com os termos da Adobe.

tweetdeck passo 9

tweetdeck passo 9

Conforme imagem acima, devemos colocar a senha de root do OpenSuse 11.4 afim de que seja autorizada a instalação/conclusão da instalação.

tweetdeck passo 10

tweetdeck passo 10

Depois disso é só ENJOY véi!

 

Curtiu? Aplique um SHARE nisso e se lhe salvou o dia comenta aí, please!

 

4ppUn1x agradece sua visita :P.

Redsn0w 0.9.8b5 Lançado para Jailbreak no iOS 5 Beta 5

Standard

A equipe de desenvolvimento do Redsn0w lançou recentemente uma versão, a Redsn0w 0.9.8b5, sendo a mesma prontinha para uso no iOS 5 Beta 5.

Para baixar as versões Mac os X e Windows basta clicar nos links abaixo:

https://sites.google.com/a/iphone-dev.com/files/home/redsn0w_mac_0.9.8b5.zip?attredirects=0&d=1

https://sites.google.com/a/iphone-dev.com/files/home/redsn0w_win_0.9.8b5.zip?attredirects=0&d=1

Com isto você estará apto a fazer jailbreak no seu idevice que use versão 5 beta do ios. 😉

ENJOY!

Como descobrir qual processador roda no seu Mac Os X de forma simples.

Standard

Galera, vamos rodar simples comandos para colhermos informações sobre nossos macs, ok?

Primeiro teremos de abrir nosso terminal, para isto clique em Aplicativos-> Utilitários -> Terminal:

abrir terminal UNIX no mac

abrir terminal UNIX no mac

Dentro do terminal você digitara os seguintes comandos:

 

Little-oaks-iMac:~ little_oak$ sysctl -n machdep.cpu.brand_string

A saída deve parecer com esta da imagem abaixo (que é Intel(R) Pentium(R) Dual CPU E2160 @ 1.80ghz —> Perceba que varia de cada processador, com certeza o seu deve ser core i5 e etc):

Lendo info da CPU

Lendo info da CPU

Temos outra alternativa VIÁVEL :P, bora ver?

 

Little-oaks-iMac:~ little_oak$ system_profiler | grep Processor

A saída deve se parecer muito com:

Processor Name: Intel Core 2 Duo
Processor Speed: 1.8 GHz
Number Of Processors: 1

Lendo info da CPU EXTRA

Lendo info da CPU EXTRA

Curtiu?

Use uma mágica chamda SHARE!

😛

 

Fonte: http://osxdaily.com

Como instalar o Lynx (navegador para o terminal/console) no Mac Os X Lion

Standard

Dica simples e rápida!

Galera é o seguinte, quer instalar o Lynx (navegador web) no seu terminal Unix no Mac Os X Lion?

O que teremos de ter nesta PRIULA:

1 – Xcode 4.1 instalado,

2 – Ports do Mac 2.0 para Lion.

Como conseguimos os dois bichos?

1 – http://itunes.apple.com/us/app/xcode/id448457090?mt=12

Está disponível na AppleStore e 100% free para quem tem o LION. Instale-o.

2 – Instale agora o ports do Mac (100% compatível com o LION) no link abaixo:

http://www.macports.org/install.php

Depois de instalar ambos faça o seguinte em seu terminal (Aplicativos -> Utilitários -> Terminal):

abrir terminal UNIX no mac

abrir terminal UNIX no mac

Assim que abrir o terminal rode o seguinte comando abaixo:

sudo port install lynx

Depois disso rode o seguinte comando:

lynx appunix.com.br

Abriu?

Equipe AppUnix Agradece!

 

Fonte: http://osxdaily.com

Como mudar plano de Fundo do Terminal no Mac Os X

Standard

Olá, pessALL, nós do 4ppun1x estamos ensinando nesse how to como mudar o plano de fundo do seu terminal unix, passos simples que vão te dar muita moral para isso (lol, “achamos a cura da AIDS”…). Vamos simbora?

Primeiro precisamos abrir o terminal Unix do mac (… nããããããão, iremos abrir o photoshop pra editar no terminal… lol), para isso clique em Applications (Aplicativos) -> Utilities (Utilitários) e procure por uma caixinha preta, TERMINAL, conforme a imagem abaixo:

abrir terminal UNIX no mac

abrir terminal UNIX no mac

Depois procure pelo menu por Preferences (Preferências), veja o print:

Preferencias no terminal

Preferencias no terminal

Agora devemos procurar por Settings (Ajustes), conforme a imagem abaixo:

Ajustes no terminal

Ajustes no terminal

Depois disso basta clicar na aba WINDOW (Janela) e no meio do menu aparecerá IMAGE, escolha um png punk e substitua-o :P.

Abraços.

 

Fonte: http://osxdaily.com

Como instalar PHP, Apache e Mysql no Mac Os X Snow Leopard (mamp2 no mac)

Standard

Este é um artigo daqueles “easy-to-use”, aonde instalaremos o apache 2, o php 5 e o mysql 5 para que possamos programar sossegadamente (fazer um webserver para hospedar nossa aplicação localmente).
O sistema operacional usado aqui foi o Mac Os X Snow Leopard 10.6.7, mas o procedimento é o mesmo para 10.6.8.

Vamos para o fight?
Iremos usar o console do Mac os x, assim como o ports do Mac para gerenciar o trem com velocidade.
Façamos o seguinte, clique em terminal (veja a imagem abaixo):

como abrir terminais no mac os x

como abrir terminais no mac os x

Clicando lá você fará o seguinte:

Little-oaks-appunixlabs:~ sudo apachectl start

Isto fará com que você chame recursos globais como super usuário e ative o serviço do apache 2 dentro do seu Mac os x, LEMBRANDO que será requisitada a senha de superusuário para que você possa rodar este recurso, pois o sudo te dá poder de root para executar um determinado comando, como neste caso tomtamos o exemplo do apachectl.

Para conferir que o procedimento deu certo abra seu navegador web (no nosso caso curtimos muito o Mozilla Firefox, mas fica ao seu critério o navegador [isto não influenciará em nada neste how to]), conforme imagem abaixo, na barra de endereços digite

Apache ok

Apache ok

HTTP://localhost

Nosso segundo ponto e muito importante é entrar no arquivo de configuração do apache 2 afim de habilitarmos o suporte ao PHP, vamos por a mão na massa? Estamos usando o VIM, um editor muito eficaz e leve (todos que já amaram o vi um dia com certeza amam/amarão o vim):

Little-oaks-appunixlabs:~ sudo vim /etc/apache2/httpd.conf

 

Dentro deste arquivo devemos remover o comentário da linha abaixo:

LoadModule php5_module libexec/apache2/libphp5.so

Recomendo que aperte a tecla / no vim e digite php5, você já vai cair em cima da linha a ser descomentada, em seguida, no sinal de libra (#), caminhe até ele e aperte x
Isto nos deixará com suporte ao PHP, depois basta apertar ESC e digitar isto:
:wq!
Assim que pressionar ENTER o arquivo será salvo.
Vamos explicar o por que de :wq!

: representa comando para o arquivo
W representa ESCREVER
Q representa QUIT (sair)
! representa EXECUTAR as instruções informadas

Para finalizarmos o suporte ao php precisamos rodar o seguinte comando:

Little-oaks-appunixlabs:~ sudo apachectl restart

É mania de todos criar um arquivo com a função phpinfo() contida nele, porém, se fizermos isso “de cara” o apache vai exibir muitos warnings (interpretados pelo php) por questões de permissões e de existência do arquivo php.ini. Para sanarmos isto deveremos fazer o seguinte:

Little-oaks-appunixlabs:~ cd /etc
Little-oaks-appunixlabs: sudo cp php.ini.default php.ini
Little-oaks-appunixlabs: sudo chmod 666 php.ini

Estamos copiando o php.ini default do /etc (área de arquivos de configurações em Unix-like systems) e atribuindo permissões 666 (dono pode ler e escrever no arquivo, grupo também e demais também).
No arquivo php.ini temos de localizar o trecho aonde o TimeZone é identificado (mas está comentado). É muito importante mudar esta linha e ajustarmos nosso timezone corretamente, pois isto nos dará um horário adequado. Para isto devemos proceder da seguinte forma:
Little-oaks-appunixlabs: sudo vim php.ini
Em seguida aperte a tecla / para localizar um termo, informe o seguinte date.timezone, isto lhe deixará na linha acima da que precisamos mudar. Descomente a linha abaixo para que fique assim:
date.timezone =

Você removerá o ; apertando x em cima dele. Para deixarmos o vim em modo de edição de arquivos precisamos apertar a tecla i, isto nos dará poder de editar o arquivo (saindo de modo comando).
Agora iremos colocar depois do = o seguinte:
America/Sao_Paulo
Então o resultado final será —> date.timezone = America/Sao_Paulo
Dê ESC e digite
:wq!
Aperte ENTER e terá o arquivo salvo.

 

As vezes você pode estar se perguntando:

Poxa, mas meu timezone não tem nada a ver com o de Sampa, o que faço?
Relaxa, rapá! A galera do Appunix pensou em você! Abaixo segue a lista de timezone da América:
http://www.php.net/manual/en/timezones.america.php

Se mesmo assim não lhe agradar você pode usar os globais:
http://www.php.net/manual/en/timezones.others.php

Mas é impossível você não se agradar dos timezones da América, são repletos.
Os mais comuns que são usados são:
America/Porto_Velho
America/Noronha
America/Rio_Branco
America/Recife
America/Sao_Paulo
America/Porto_Acre
Mas escolha o que mais lhe agradar.

Assim que decidir qual seu TimeZone você deve reiniciar o apache para reler o php.ini e ativar o negócio:
Little-oaks-appunixlabs: sudo apachectl restart

Agora precisamos instalar o Mysql 5 para que possa trabalhar da forma que almejamos.
Para irmos direto ao ponto acesse o link abaixo:
http://dev.mysql.com/downloads/mysql/5.1.html#macosx-dmg
Se cuide para baixar a versão ideal para você.
Aí é 64 bits? Não sabe como é? Quer saber como seu Mac Os X Snow Leopard está operando? Clique na maça, depois clique em Sobre Este MAC, em seguida clique em Software (Categoria) e procure pela linha Kernel de 64-bit e Extensões: Sim (conforme a foto abaixo):

como ver informações do seu mac os x

como ver informações do seu mac os x

Caso seja Sim é 64 bits (x86_64), então baixe o pacote para 64 bits.
Vamos simbora?
Baixe o arquivo x86_64 no formato DMG.

baixar pacote mysql 64 bits (DMG)

baixar pacote mysql 64 bits (DMG)

Quando você clicar no formato DMG automaticamente o site da Mysql vai te convidar a logar-se lá com eles, mas basta prestar a atenção (conforme imagens abaixo) para não precisar perder tempo com esta burocracia, se você quer baixar direto (melhor Né?) basta fazer o seguinte, clique no link abaixo:
HTTP://dev.mysql.com/get/Downloads/MySQL-5.1/mysql-5.1.58-osx10.6-x86.dmg/form/http://mysql.cce.usp.br/
Deixa o download terminar siga os passos das fotos abaixo (literalmente instalar o mysql e seu ícone), Devemos concluir os passos extras para adição do Mysql como sendo parte do painel administrativo, para isto siga os passos abaixo:

passo1

passo1

 

Feito isto iremos confirmar se o mysql está rodando com o seguinte comando:

Little-oaks-appunixlabs: /usr/local/mysql/bin/mysql

Feito isto iremos reiniciar o apache 2 para garantir que o nosso servidor está integrando literalmente tudo, faremos com o seguinte comando:

Little-oaks-appunixlabs: sudo apachectl restart

Para conferirmos tudo vamos entrar dentro da nossa pasta pessoal, na pasta Sites e criar um arquivo chamado index.php. Dentro dele iremos colocar o seguinte (ISTO EM /Library/WebServer/Documents):
Ou seja -> sudo vim /Library/WebServer/Documents/index.php

< ?php phpinfo(); ?>

Teremos liberadas extensões como PDO (Muito boa para abstração no banco de dados mysql), Mysqli (a versão aprimorada do conector nativo do Mysql [somente disponível a partir do Mysql 5.x])
Pronto, feito isto instalamos o Mysql 5 , Php 5 e Apache 2 em nosso Mac Os X :D.
Abraços a todos e saibam que o AppUnix aprecia sua visita!

Centos 5.6 Apache 2 php 5 Mysql 5 em passos simples :P

Standard

O caboclo que disser que o CentOs não é um ambiente bombado para Apache 2, Mysql 5, PHP 5 e PHPMYADMIN  é um belo mentiroso!

Estamos abaixo fazendo um How to em poucos passos usando o Yum afim de deixar muito rapidamente seu lamp2 rodando filé.

Faça todos os passos como root, please.

Primeiro vamos instalar o mysql 5:

yum install mysql mysql-server -y

O comando acima instala o mysql client e server.

Vamos  dar permissão para que o mysql execute o serviço no boot e em seguida iniciar o bichão:

chkconfig –levels 235 mysqld on

/etc/init.d/mysqld start

Agora vamos corrigir as tranqueiras de senhas:

mysql_secure_installation

A saída desse comando será semelhante a de baixo (sem contar que você terá de interagir com algumas requisições):

NOTE: RUNNING ALL PARTS OF THIS SCRIPT IS RECOMMENDED FOR ALL MySQL
SERVERS IN PRODUCTION USE!  PLEASE READ EACH STEP CAREFULLY!

In order to log into MySQL to secure it, we’ll need the current
password for the root user.  If you’ve just installed MySQL, and
you haven’t set the root password yet, the password will be blank,
so you should just press enter here.

Enter current password for root (enter for none):
OK, successfully used password, moving on…

Setting the root password ensures that nobody can log into the MySQL
root user without the proper authorisation.

Set root password? [Y/n] <– APERTE ENTER
New password: <– DIGITE A SENHA DE ROOT DO MYSQL
Re-enter new password: <– REPITA A SENHA DE ROOT DO MYSQL
Password updated successfully!
Reloading privilege tables..
… Success!

By default, a MySQL installation has an anonymous user, allowing anyone
to log into MySQL without having to have a user account created for
them.  This is intended only for testing, and to make the installation
go a bit smoother.  You should remove them before moving into a
production environment.

Remove anonymous users? [Y/n] <– ENTER PARA CONFIRMAR
… Success!

Normally, root should only be allowed to connect from ‘localhost’.  This
ensures that someone cannot guess at the root password from the network.

Disallow root login remotely? [Y/n] <– ENTER PARA CONFIRMAR
… Success!

By default, MySQL comes with a database named ‘test’ that anyone can
access.  This is also intended only for testing, and should be removed
before moving into a production environment.

Remove test database and access to it? [Y/n] <– ENTER PARA CONFIRMAR
– Dropping test database…
… Success!
– Removing privileges on test database…
… Success!

Reloading the privilege tables will ensure that all changes made so far
will take effect immediately.

Reload privilege tables now? [Y/n] <– ENTER PARA CONFIRMAR
… Success!

Cleaning up…

All done!  If you’ve completed all of the above steps, your MySQL
installation should now be secure.

Thanks for using MySQL!

 

—-

 

Agora que nosso mysql está mais seguro que o default e instalado temos de instalar oo apache 2:

yum install httpd -y

Teremos de atribuir as permissões para que o Apache 2 inicie juntamente com o server:

chkconfig –levels 235 httpd on

Vamos iniciar o bichão:

/etc/init.d/httpd start

Presumindo que você setou um ip ou que no ifconfig seu ip seja 10.0.0.1, se quiser conferir que ficou filé o apache acesse assim (no navegador):

http://10.0.0.1

Normalmente Rhel-Based atribuem o root site aqui: /var/www/html

Chega de demoras e vamos meter bala no PHP:

yum install php

Vamos garantir que os novos confs vão rodar?

/etc/init.d/httpd restart

Como testar se o apache está interpretando php:

vim /var/www/html/testes.php

Dentro do arquivo coloque:

<?php phpinfo(); ?>

Em seguida abra o navegador e tente acessar assim: http://10.0.0.1/testes.php

Vamos integrar mais coisas ao php assim como o mysql sendo suportado pelo mesmo?

yum install php-mysql php-gd php-imap php-ldap php-odbc php-pear php-xml php-xmlrpc -y

 

E o phpmyadmin? Rola ou não rola?

Se o seu S.O. for 64 bits rode assim:

wget http://packages.sw.be/rpmforge-release/rpmforge-release-0.5.2-2.el5.rf.x86_64.rpm
rpm -Uhv rpmforge-release-0.5.2-2.el5.rf.x86_64.rpm

Se o seu S.O. for 32 bits rode assim:

wget http://packages.sw.be/rpmforge-release/rpmforge-release-0.5.2-2.el5.rf.i386.rpm
rpm -Uhv rpmforge-release-0.5.2-2.el5.rf.i386.rpm

Depois disso meta bala na instalação do phpmyadmin:

yum install phpmyadmin -y

Depois vamos deixar as coisas no devido lugar. Teremos de fazer um alias para que o phpmyadmin rode corretamente:

vim /etc/httpd/conf.d/phpmyadmin.conf

#
#  Web application to manage MySQL
#

#<Directory "/usr/share/phpmyadmin">
#  Order Deny,Allow
#  Deny from all
#  Allow from 127.0.0.1
#</Directory>

Alias /phpmyadmin /usr/share/phpmyadmin
Alias /phpMyAdmin /usr/share/phpmyadmin
Alias /mysqladmin /usr/share/phpmyadmin

 

Vamos editar o modo de autenticação do phpmyadmin de cookie para http:

vim /usr/share/phpmyadmin/config.inc.php

[...conteúdo anterior]
/* Authentication type */
$cfg['Servers'][$i]['auth_type'] = 'http';
[...conteúdo posterior]

 

Depois disso temos que reiniciar o apache para garantir que o phpmyadmin rode filé:

/etc/init.d/httpd restart

 

Vamos nos certificar do crime???

http://10.0.0.1/phpmyadmin

Se rodar sem problemas, parabéns, você seguiu fielmente este how to.

 

 

Nossas fontes:

 

Como limpar todo o cache de updates do Cpanel (stable, release, current ou edge) sem problemas

Standard

É muito comum na plataforma CPANEL/WHM manter um padrão de arquivos guardados em uma pasta para que, ao tentar rodar uma update você perceba algo veloz no tocante a baixar arquivos, na verdade a maior parte dos arquivos já está em cache :(.

Como resolver este problema?

rm -Rfv /home/.cpcpan /home/.cpan

Se por exemplo eu quiser reparar módulos perl e atualizar o cpanel já poderei perceber a mudança extremamente importante nos novos pacotes baixados em tempo real, faça um teste:

/scripts/checkperlmodules –force –full
/scripts/upcp –force

Os comandos acima foram testados e já estão em uso.
Não causam qualquer instabilidade a máquina ;).
Abraços.

Como fazer os pacotes do ubuntu alpha ficarem mais novos (TRICKS)

Standard

Das coisas mais espantosas que podemos perceber com o Ubuntu (Debian Based) é a facilidade de atualização e manutenção geral dos pacotes que o apt-get dá.
Mas você está usando o Ubuntu em alpha testing (talvez até atualizou da 10.10 para 11.04 com do-release-upgrade -d ) e recebe continuamente a informação semelhante a esta:

A LISTA DE PACOTES OBSOLETOS… etc… etc… etc… que na verdade exige uma atualização.

Mesmo com apt-get update && apt-get upgrade -y você não obtém o pacote que deseja.
Veja bem, para conseguir isso basta fazer o seguinte:

 

apt-get dist-upgrade -y

 

Isso vai fazer com que pacotes obsoletos sejam substituídos por pacotes mais novos.

Apliquei esse comando pois no meu caso o Unity havia parado de trabalhar no começo da semana com as últimas updates lançadas.
Esse tutorial se encaixa no caso de você encontrar o seu servidor X quebrado (travando, não passando do login e coisas do tipo).

Fiquei somente triste pois o acpi parou de funcionar de novo. Vou verificar e breve faço um artigo sobre isto.

Depois foi só alegria 😉 .

Como instalar Google Chromium no Ubuntu 10.10 de maneira rápida/segura/simples

Standard

Olá pessoALL, mais uma vez estamos aqui escrevendo sobre a plataforma Gnu/Linux, em especial o Ubuntu Linux, uma versão muito estável e amigável feita pela empresa Canonical, baseada no Debian Testing.
Eu particularmente (Little_Oak) acho que uma das coisas mais inovadoras feita para o usuário final desta distribuição foi reunir os aplicativos em uma central de programas do Ubuntu. O pequeno artigo de hoje mostra como instalar o Google Chrome (conhecido como Chromium Browser) no Ubuntu 10.10.

Clique no menu de Aplicativos->Central de Programas do Ubuntu. (a imagem abaixo mostra exatamente aonde fica o menu):


Clicando neste menu a central de programas (exibida na imagem a seguir) deverá ter uma interface muito parecida com a nossa:

termo de buscaPerceba que o ponto chave da figura acima é justamente a área de pesquisa que fica logo a direita, informaremos ali o termo Chrome e autoamticamente aparece o Google chrome como alternativa de instalação.
Abaixo dele tem um botão chamado Instalar. Clique nele e em seguida informe a senha do seu usuário. Feito isto a tela que será exibida deverá ser semelhante a nossa (logo abaixo):

instalar ChromiumA barra de progresso tende ir avançando a medida que o pacote vai sendo instalado (baixado e em seguida instalado). Se quiser acompanhar de perto o progresso (falo em números mesmo) você pode ver o que já foi baixado, basta clicar no item “EM PROGRESSO” que estará com ícone verde (menu esquerdo), ao clicar nele a tela que deverá ser exibida para você deverá ser muito pareceda com a tela a seguir:

Assim que concluir a instalação você já poderá conferir este maravilhoso navegador da seguinte forma:
Clique no menu Aplicativos —> Internet —> Chromium Navegador da Internet.
(imagem descreve melhor a localização)

Google Chromium no MenuPronto, feito isto você estará munido de um dos melhores navegadores da atualidade.

Abraços pessoALL, breve estaremos de volta :P.

Att: little_oak

Fedora 14: como instalar o PidGin de maneira fácil

Standard

Nem considero um artigo, mas uma espécie de “comandos do dia”. Se você é um usuário semelhante a mim, gosta muito do pidgin e sentiu falta do danado em seu Fedora 14, no problem, basta fazer o seguinte:

1 – clique em Aplicativos, depois clique em Sistema e por fim escolha TERMINAL.

2 – digite su – para que você solicite permissão de root com todos os recursos globais de root.

3 – digite yum install pidgin -y

Feito isto o próprio YUM (gestor de pacotes muito eficaz e automatizado do Fedora/Centos/Rhel — Red Hat Based) fará todo o trabalho sujo para nós :P.

Depois disto é só alegria.

O pidgin estará no menu:

Iniciar –> Internet –> “Mensageiro de Internet Pidgin”.

Após restaurar um servidor WHM todos os meus pacotes (planos) sumiram, como recuperar os pacotes antigos?

Standard

Em inglês seria how to recovery packages, em pt_br, como recuperar pacotes de um servidor formatado?
A idéia é salvar desde pessoas que procuram como americanos ou brasileiros.
Isto é uma dúvida comum para as pessoas que migram seus servidores (ou recuperam após um grave problema) e não sabem como recuperar os pacotes do servidor.
Bem, nada de preocupação!

Assim que o servidor for formatado, acesse o disco antigo e copie a pasta /antigo_disco_montado/var/cpanel/packages /var/cpanel/packages

Pronto, para conferir você pode listar todas as contas e verá que os respectivos pacotes estarão ok 😉

Abraços.

Instalando YUM no CENTOS 5 (32 e 64 bits) How to install yum on Centos 5

Standard

Galera, bom dia, faz tempo que não posto, maaasss, abaixo segue tutorial de instalação do YUM no CENTOS 5 (tanto para 32 bits como 64 bits):

PARA 32 bits (i386):

rpm -Uvh http://mirror.centos.org/centos-5/5/os/i386/CentOS/elfutils-libs-0.137-3.el5.i386.rpm
rpm -Uvh http://mirror.centos.org/centos-5/5/os/i386/CentOS/gmp-4.1.4-10.el5.i386.rpm
rpm -Uvh http://mirror.centos.org/centos-5/5/os/i386/CentOS/readline-5.1-3.el5.i386.rpm
rpm -Uvh http://mirror.centos.org/centos-5/5/os/i386/CentOS/python-2.4.3-27.el5.i386.rpm
rpm -Uvh http://mirror.centos.org/centos-5/5/os/i386/CentOS/python-iniparse-0.2.3-4.el5.noarch.rpm
rpm -Uvh http://mirror.centos.org/centos-5/5/os/i386/CentOS/libxml2-2.6.26-2.1.2.8.i386.rpm
rpm -Uvh http://mirror.centos.org/centos-5/5/os/i386/CentOS/libxml2-python-2.6.26-2.1.2.8.i386.rpm
rpm -Uvh http://mirror.centos.org/centos-5/5/os/i386/CentOS/expat-1.95.8-8.2.1.i386.rpm
rpm -Uvh http://mirror.centos.org/centos-5/5/os/i386/CentOS/python-elementtree-1.2.6-5.i386.rpm
rpm -Uvh http://mirror.centos.org/centos-5/5/os/i386/CentOS/sqlite-3.3.6-5.i386.rpm
rpm -Uvh http://mirror.centos.org/centos-5/5/os/i386/CentOS/python-sqlite-1.1.7-1.2.1.i386.rpm
rpm -Uvh http://mirror.centos.org/centos-5/5/os/i386/CentOS/elfutils-0.137-3.el5.i386.rpm
rpm -Uvh http://mirror.centos.org/centos-5/5/os/i386/CentOS/rpm-python-4.4.2.3-18.el5.i386.rpm # (1)
rpm -Uvh http://mirror.centos.org/centos-5/5/os/i386/CentOS/m2crypto-0.16-6.el5.6.i386.rpm
rpm -Uvh http://mirror.centos.org/centos-5/5/os/i386/CentOS/python-urlgrabber-3.1.0-5.el5.noarch.rpm
rpm -Uvh http://mirror.centos.org/centos-5/5/os/i386/CentOS/yum-metadata-parser-1.1.2-3.el5.centos.i386.rpm
rpm -Uvh http://mirror.centos.org/centos-5/5/os/i386/CentOS/yum-3.2.22-20.el5.centos.noarch.rpm http://mirror.centos.org/centos-5/5/os/i386/CentOS/yum-fastestmirror-1.1.16-13.el5.centos.noarch.rpm
yum -y update

PARA 64 bits (x86_64):

rpm -Uvh http://mirror.centos.org/centos/5/os/x86_64/CentOS/gmp-4.1.4-10.el5.x86_64.rpm
rpm -Uvh http://mirror.centos.org/centos/5/os/x86_64/CentOS/readline-5.1-3.el5.x86_64.rpm 
rpm -Uvh http://mirror.centos.org/centos/5/os/x86_64/CentOS/python-2.4.3-27.el5.x86_64.rpm
rpm -Uvh http://mirror.centos.org/centos/5/os/x86_64/CentOS/libxml2-2.6.26-2.1.2.8.x86_64.rpm
rpm -Uvh http://mirror.centos.org/centos/5/os/x86_64/CentOS/libxml2-python-2.6.26-2.1.2.8.x86_64.rpm
rpm -Uvh http://mirror.centos.org/centos/5/os/x86_64/CentOS/expat-1.95.8-8.2.1.x86_64.rpm
rpm -Uvh http://mirror.centos.org/centos/5/os/x86_64/CentOS/python-elementtree-1.2.6-5.x86_64.rpm
rpm -Uvh http://mirror.centos.org/centos/5/os/x86_64/CentOS/sqlite-3.3.6-5.x86_64.rpm
rpm -Uvh http://mirror.centos.org/centos/5/os/x86_64/CentOS/python-sqlite-1.1.7-1.2.1.x86_64.rpm
rpm -Uvh http://mirror.centos.org/centos/5/os/x86_64/CentOS/elfutils-libelf-0.137-3.el5.x86_64.rpm
rpm --nodeps -Uvh http://mirror.centos.org/centos/5/os/x86_64/CentOS/elfutils-0.137-3.el5.x86_64.rpm
rpm --nodeps -Uvh http://mirror.centos.org/centos/5/os/x86_64/CentOS/rpm-4.4.2.3-18.el5.x86_64.rpm
rpm -Uvh http://mirror.centos.org/centos/5/os/x86_64/CentOS/rpm-python-4.4.2.3-18.el5.x86_64.rpm
rpm -Uvh http://mirror.centos.org/centos/5/os/x86_64/CentOS/m2crypto-0.16-6.el5.6.x86_64.rpm
rpm -Uvh http://mirror.centos.org/centos/5/os/x86_64/CentOS/python-urlgrabber-3.1.0-5.el5.noarch.rpm
rpm -Uvh http://mirror.centos.org/centos/5/os/x86_64/CentOS/yum-metadata-parser-1.1.2-3.el5.centos.x86_64.rpm
rpm -Uvh http://mirror.centos.org/centos/5/os/x86_64/CentOS/python-iniparse-0.2.3-4.el5.noarch.rpm
rpm -Uvh http://mirror.centos.org/centos/5/os/x86_64/CentOS/yum-fastestmirror-1.1.16-13.el5.centos.noarch.rpm http://mirror.centos.org/centos/5/os/x86_64/CentOS/yum-3.2.22-20.el5.centos.noarch.rpm
yum -y update

Abraços.

Como fazer downgrade do mysql 5 para o 4 no cpanel – how to downgrade mysql 5 to 4

Standard

Primeiro entre no arquivo:

vim /var/cpanel/cpanel.config

procure pela linha mysql-version=5.0 e em seguida coloque 4.1 no lugar de 5.0

saia salvando o arquivo, em seguida rode:

/scripts/mysqlup –force

Após isto, confirme a versão com:

rpm -qa | grep -i mysql-

Obs: Se funcionar eu quero uma caixa de Bis hein?