O que fazer quando cair água, álcool ou líquidos malucos no teclado do seu notebook (notebook comum ou macbook)?

Standard

Tem gente que fica pirada X 100 quando se depara com uma situação maluca como esta, veja-se nisto:

—-> Estamos batendo papo, derrepente eu, sem querer, é claro, derrubo um copo com água, ou um recipiente com álcool vira sobre o teclado do seu notebook, e de prache seu teclado começa a repetir teclas com 6, z e etc.

O que fazer para parar o efeito do “teclado drogado”?

– Primeira coisa a fazer é ARRANCAR a bateria do seu notebook/macbook (sim, isto é MAIS QUE NECESSÁRIO),

– Segunda coisa a se fazer é virar o notebook de cabeça para baixo, deixando ele aberto por 24 HORAS! (sim, na verdade recomendaria 48 horas).

 

Depois disso seu teclado estará novinho em folha.
Caso não esteja ferrou com cirtcuitos do teclado e THE END, só autorizada.

Essas horas de cabeça para baixo fazem com que todo o líquido desça para a superfície do teclado.
O tempo desligado é o tempo de secagem (arrancar a humidade).

Cool ;).

Equipe AppUnix agradece.

Comandos para análise de dispositivos (placa-mãe, processador e etc) no LINUX

Standard

 

Tá, isso aí é dúvida de muuuuuuita gente, mas é algo simples, um dia foi minha, mas decidimos fazer um “packzinho” de comandos que quebram o galho quando o assunto é detalhamento de Hardware. Imagine-se a 4 mil km de distância de seu server (Normal quando se loca server no exterior), como faremos para saber o que de fato está rodando? No caso do DMIDECODE, ele detalha até se o camarada colocou alguma paravirtualização (vmware, por exemplo).
As vezes precisamos fazer perícias para saber se uma aplicação/daemon será compatível com nossa estrutura de dispositivos (arquitetura, fsb, chipset e etc), e para isto precisamos de informações beeeeem detalhadas.
Abaixo descrevo alguns comandos que acho bacana:

lspci
Este comando lhe dá um detalhe bem legal sobre dispositivos pci em seu pc.
Em um pc simples a saída fica mais ou menos assim:

00:00.0 Host bridge: VIA Technologies, Inc. P4M800 Host Bridge
00:00.1 Host bridge: VIA Technologies, Inc. P4M800 Host Bridge
00:00.2 Host bridge: VIA Technologies, Inc. P4M800 Host Bridge
00:00.3 Host bridge: VIA Technologies, Inc. P4M800 Host Bridge
00:00.4 Host bridge: VIA Technologies, Inc. P4M800 Host Bridge
00:00.7 Host bridge: VIA Technologies, Inc. P4M800 Host Bridge
00:01.0 PCI bridge: VIA Technologies, Inc. VT8237/VX700 PCI Bridge
00:0f.0 RAID bus controller: VIA Technologies, Inc. VIA VT6420 SATA RAID Controller (rev 80)
00:0f.1 IDE interface: VIA Technologies, Inc. VT82C586A/B/VT82C686/A/B/VT823x/A/C PIPC Bus Master IDE (rev 06)
00:10.0 USB Controller: VIA Technologies, Inc. VT82xxxxx UHCI USB 1.1 Controller (rev 81)
00:10.1 USB Controller: VIA Technologies, Inc. VT82xxxxx UHCI USB 1.1 Controller (rev 81)
00:10.2 USB Controller: VIA Technologies, Inc. VT82xxxxx UHCI USB 1.1 Controller (rev 81)
00:10.3 USB Controller: VIA Technologies, Inc. VT82xxxxx UHCI USB 1.1 Controller (rev 81)
00:10.4 USB Controller: VIA Technologies, Inc. USB 2.0 (rev 86)
00:11.0 ISA bridge: VIA Technologies, Inc. VT8237 ISA bridge [KT600/K8T800/K8T890 South]
00:11.5 Multimedia audio controller: VIA Technologies, Inc. VT8233/A/8235/8237 AC97 Audio Controller (rev 60)
00:12.0 Ethernet controller: VIA Technologies, Inc. VT6102 [Rhine-II] (rev 78)
01:00.0 VGA compatible controller: VIA Technologies, Inc. KM400/KN400/P4M800 [S3 UniChrome] (rev 01)

Para informações beeem detalhadas use lspci -vv
(use os camandos como root).

lshw
Este comando é muito amigável e lhe dá um resumo bem bombado sobre seu hardware (memória, cpu e etc).
Em alguns casos ele consegue informar a frequência da memória (isto mesmo, ddr 1066 por exemplo).
Esse comando (na minha opinião) deve ser usado da seguinte forma:

lshw | more

O pipe “|” + more serve para paginar a saída de maneira que você possa ver pausadamente.

A saída deste comando é beeem legal, veja um pedacinho da saída falando de memória:

*-memory:0
description: System Memory
physical id: 40
slot: System board or motherboard
size: 4GiB
*-bank:0
description: DIMM 667 MHz (1.5 ns)
product: None
vendor: None
physical id: 0
serial: None
slot: DIMM_B1
size: 2GiB
width: 64 bits
clock: 667MHz (1.5ns)

 

Legal né?

Arquivo cpuinfo
Essa é uma das formas mais simples de saber que flags seu processador tem, qual velocidade dele, memória cache (L1, L2…) e etc.
Use da seguinte forma:

cat /proc/cpuinfo
A saída deste comando deve sair parecida com esta:

processor : 0
vendor_id : GenuineIntel
cpu family : 15
model : 4
model name : Intel(R) Pentium(R) 4 CPU 3.40GHz
stepping : 10
cpu MHz : 3400.425
cache size : 2048 KB
physical id : 0
siblings : 1
core id : 0
cpu cores : 1
apicid : 0
fdiv_bug : no
hlt_bug : no
f00f_bug : no
coma_bug : no
fpu : yes
fpu_exception : yes
cpuid level : 5
wp : yes
flags : fpu vme de pse tsc msr pae mce cx8 apic mtrr pge mca cmov pat pse36 clflush dts acpi mmx fxsr sse sse2 ss ht tm pbe lm constant_tsc up pni monitor ds_cpl est cid cx16 xtpr lahf_lm
bogomips : 6805.08

Legal!

arquivo devices
Esse é um meio muito resumido e particularmente não gosto muito, mas segue a dica:
cat /proc/devices

Mostra os dispositivos resumidamente (no estilo lsmod).

Arquivo meminfo
Este arquivo lhe informa memória com um pouco mais de detalhes:
cat /proc/meminfo

Comando dmesg

Esse comando é muito legal, precisa somente de um extrinha:


use-o com o more!

dmesg | more

Normalmente a saída é enorme.

O comando dmesg dá um resumo do startup do sistema operacional lgnu/linux, assim como detalha em um rápido processo as coisas boas e ruins que estão ocorrendo com o sistema. (MUITO ÚTIL).


Erros de boot, erros de kernel, dispositivos desconhecidos e etc!

dmidecode

O comando dmidecode é um monstro. Esse comando dá todos os detalhes de hardware (isto mesmo, informe até o modelo da placa-mãe).

 

Utilize-o da seguinte forma:

dmidecode | more

Um pouco da saída:

System Information
Manufacturer: MICRO-STAR INTERNATIONAL CO., LTD
Product Name: MS-7071
Version: 1.00
Serial Number:
UUID: Not Present

Wake-up Type: Power Switch

Esse comando é uma mãe! Isto mesmo, muito bom para saber as informações detalhadas de uma motherboard, sem contar que você pode colher as informações de chipset e modelo da placa-mãe, podendo assim até consultar informações direto do fabricante.

Abraços a todos e espero que este post tenha sido útil.

 

Equipe Appunix -> O lab mais pirado do mundo geek ;P

Problemas com drive intel 82801 GB ICH7- como instalar corretamente

Standard

Pessoal, sei que existem técnicos maravilhosos em nosso meio, por isso decidi somente complementar algo aqui. (isso é para windows XP 32 bits)

Percebi que a pcchips dá suporte a uma placa intel com socket 775, em outras palavras, que exigia a instalação de um drive chamado Intel 82801GB ICH7 HIGH DEFINITION AUDIO.

Bem, sem mais demoras eu vou deixar o link disponível para baixar o drive e logo em seguida explico como sanar:

http://www.libphp.net/Intel_82801GB_ICH7.rar

Pegue este arquivo, abra-o com o Winrar (ou ferramenta de compactação que suporte .RAR).

Assim que isto for feito não instale de imediato, procure percorrer os diretórios e localize um KB (aquele que faz o High Definition Audio Rodar e requerer drive para o som, entretanto este é o melhor) chamado KB35221, este carinha será responsável por abrir os caminhos.

Assim que terminar a instalação do mesmo abra o setup e instale.

Caso funcione EU quero uma CAIXA de BIS, ok? (pode ser chocolate branco também)… rsrsrs

Abraços a todos e fiquem com Deus.

Ferro-Velho, “a verdadeira casa dos Geeks”!

Standard

Você pode até estar se perguntando o porquê deste título.
De fato é algo estranho, juro que não vou mentir em uma palavra sequer do meu post aqui, mas até foto tenho do que realmente vi.

Semana passada o dono do estabelecimento do qual presto consultoria me chamou para irmos ao ferro-velho, isto devido o fato de um amigo (o dono do ferro-velho) ter arrematado um lote de informática gigantesco, e que possivelmente acharíamos algo interessante.

Topei, mas dentro de mim aquela interrogação:

– Como alguém pode encontrar um parafuso que funcione em um computador no meio de um lugar como este que iremos visitar?

Talvez esta seria sua pergunta também, e concordAVA com você até o momento em que pisei lá.

Assim que chegamos atentei para uma pilha gigantesca de máquinas Itautec.
Corri atrás daquela pilha e comecei uma busca de apenas 4 dias úteis corridos.
Ah, em meio a tantas coisas impressionantes, sabe o que achei de bom? Sim existe algo de bom, mas sabe o que achei?

Nada de ter uma taquicardia hein?

1 – Um kit Celeron 2,5 ghz + 512 ddr 333 Samsung + Placa Asus
2 – Um kit pcchips Duron 750 mhz + 256 pc133 + hd 20 gb Seagate
3 – Um kit Celeron 566 mhz + 256 pc 133 + hd Seagate 20gb.

Entre muitas coisas.

Sabe quanto custou o trio acima citado?

R$ 300 reais.

Abaixo segue foto do Celeron 2.5 ghz + placa de rede 3com (achada lá também):

05-02-09_1417

05-02-09_1418

Sabe o que ele vai ser?

Servidor Slave de Banco de Dados e vai rodar Ubuntu Server 8.04!
Para os amantes de tecnologia antiga, achei um server Itautec 100mhz, só que tinha pouca memória e o hd scsi era muito pequeno, senão levava para casa!

Abraços.

=]