Posts Tagged ‘fedora’

Ispconfig 2: how to create a park domain – como deixar um domínio acessar o conteúdo do outro como park no ispconfig

Monday, June 7th, 2010

Uma das coisas mais interessantes no IspConfig é sua capacidade de permitir customizações em tudo que você possa imaginar. Aproveitando esta “boquinha” vamos fazer algo diferente.
Parkear domínios no Parallels Plesk e no Whm/CPanel é coisa fácil, pois tudo é automatizado, mas isto não quer dizer que o bom e velho vim (ou qualquer OUTRO EDITOR) não entre em ação.

Para isto, precisamos logar-nos como root no servidor aonde iremos parkear domínios, e devemos (antes de mais nada) fazer backup do arquivo de configuração do apache, sendo assim use o comando:

cp -rp /etc/httpd/conf/httpd.conf /root/httpd.conf.OLD


Temos então um arquivo garantido para que, em qualquer eventualidade sirva para consulta ou possivelmente correção do arquivo mais recente.

Entremos no arquivo de configuração:

vim /etc/httpd/conf/httpd.conf

Vá para o final do arquivo e localize exatamente este trecho:


Options ExecCGI -Indexes
AllowOverride None
AllowOverride Indexes AuthConfig Limit FileInfo
Order allow,deny
Allow from all

Deny from all

Feito isto, o que devemos fazer é simples.
Sabendo-se que o ISPConfig lê um outro arquivo com os vhosts dos usuários web, devemos antecipar nossa configuração de maneira que a linha do ispconfig fique abaixo do nosso vhost.

Acima da linha com a informação:

Include /etc/httpd/conf/vhosts/Vhosts_ispconfig.conf

Devemos fazer algo assim:

ServerName www.nomedodominioparkeado.com:80
ServerAdmin webmaster@dominiodestino.com.br
DocumentRoot /var/www/web100/web
ServerAlias dominiodestino.com.br
DirectoryIndex index.html index.htm index.php index.php5 index.php4 index.php3 index.shtml index.cgi index.pl index.jsp Default.htm default.htm
Alias /cgi-bin/ /var/www/web100/cgi-bin/
AddHandler cgi-script .cgi
AddHandler cgi-script .pl
ErrorLog /var/www/web100/log/error.log
AddType application/x-httpd-php .php .php3 .php4 .php5
php_admin_flag safe_mode On
AddType text/html .shtml
AddOutputFilter INCLUDES .shtml
Alias /stats “/var/www/web100/web/webalizer”
Alias /error/ “/var/www/web100/web/error/”
ErrorDocument 400 /error/invalidSyntax.html
ErrorDocument 401 /error/authorizationRequired.html
ErrorDocument 403 /error/forbidden.html
ErrorDocument 404 /error/fileNotFound.html
ErrorDocument 405 /error/methodNotAllowed.html
ErrorDocument 500 /error/internalServerError.html
ErrorDocument 503 /error/overloaded.html
AliasMatch ^/~([^/]+)(/(.*))? /var/www/web100/user/$1/web/$3
AliasMatch ^/users/([^/]+)(/(.*))? /var/www/web100/user/$1/web/$3

RewriteEngine on
RewriteCond %{REQUEST_METHOD} ^(TRACE|TRACK)
RewriteRule .* – [F]

Perceba que no começo falei XXX.XXX.XXX.XXX, isto refere-se ao ip do seu dedicado (shared ip dos domínios :P)

Por este vhost pegue a coisa em cheio.

A charada está nas linhas:

ServerName www.nomedodominioparkeado.com:80
ServerAdmin webmaster@dominiodestino.com.br
DocumentRoot /var/www/web100/web
ServerAlias dominiodestino.com.br

1 – indica o parkeamento
2 – email do main domain
3 – arquivos web de onde o parkeamento vai ler assim que o internauta acessar a página www.nomedodominioparkeado.com
4 – indica o destino do parkeamento, ou seja, ao acessar www.nomedodominioparkeado.com a pessoa na realidade acessa dominiodestino.com.br, porém tendo no cabeçalho o nome www.nomedodominioparkeado.com (url de entrada no navegador)


OBS: CASO O ARTIGO NÃO EXIBA AS TAGS DO APACHE, POR FAVOR VERIFIQUEM JUNTO AO ARQUIVO /ETC/HTTPD/CONF/HTTPD.CONF.

Abraços e espero ter contribuído com um dia feliz para nós… lol.
bye!

Mais que uma distribuição: Ubuntu é uma paixão!

Tuesday, May 18th, 2010

Por estes dias estive trocando idéias com um amigo meu (dooguinha) que também adora Gnu/Linux, sobre qual distribuição usar, visto que estava com Windows XP em meu desktop pessoal e precisava de algo mais enriquecedor em termos de conhecimento (mexer com registro de Windows para remover falhas não é muito proveitoso, rsrsrs).

Resolvi voltar a utilizar-me do Ubuntu.

Antes quero expor alguns problemas que enfrentei antes desta escolha:

1 – Na tentativa de usar o OPENSUSE eu não poderia deixar de comentar da podridão que é em termos de velocidade de update nos repositórios do Opensuse, sem contar o drama que é para achar uma configuração avançada – resumo -> mv opensuse_my_desk /dev/null (apesar da excelente instalação em um hd ide de 320gb, e detecção de maneira louvável com ênfase em hardware),

2 – Na tentativa de usar o Fedora, o que mais me chamou atenção foi o boot todo voltado para arquitetura sata, ou seja, seu boot fica todo duro no /sbin/loader… Quem diria… o foguete ainda nem saiu do forno e já me deixou sem um minuto sequer desejoso em utiliza-lo. Sabe qual foi o fim? mv fedora_my_desk /dev/null,

3 – Na tentativa de usar o CentOS como desktop eu volto no ponto 2 e vivo o mesmo drama… mv centos_my_desk /dev/null.

Confesso que deixei o Ubuntu como sendo a última alternativa. Isto ocorreu devido um teste um pouco frustrado de utilizar-me da 10.04 em meu modesto desktop. Achei lento no uso, porém rápido no boot, e de maneira precipitada não lembrei que os repositórios estavam lotados graças a quantidade de fãs que esta distribuição faz a cada lançamento.

Decidi então subir manualmente o desktop, afim de obter algum “exclarecimento” no quesito velocidade de S.O., optei pela 9.10 subindo para Lucid. Abaixo segue um screen mostrando o primeiro ponto forte do Ubuntu aos meus olhos:


Após update, cheguei na Lucid e modifiquei os botões de janelas para a direita, afinal de contas de livre o mac só tem a escolha de compra do usuário!

Quer apontar os botões para o lado direito? Use:

gconftool-2 --type string --set "/apps/metacity/general/button_layout" "menu:minimize,maximize,close"

E para que isto se aplique a todos os users faça:

sudo gconftool-2 --direct --config-source xml:readwrite:/etc/gconf/gconf.xml.defaults --type string --set "/apps/metacity/general/button_layout" "menu:minimize,maximize,close"

Ambos comandos pedem autorização para rodar, aplique a senha do root e pronto!

Por fim vai um print do meu desktop 😀 (ainda nem terminei minhas customizações, mas gostei das tonalidades).

O dia de testes na penúltima utilização do Ubuntu foi quando criei o tutorial do LAMP2 no Lucid Lynx.

Ah, o problema somente será o espaço para o Slackware 13.1. Estou um pouco triste por que se continuar curtindo meu Ubuntu terminarei abandonando meu slackzinho :(.

Abraços e boa noite ALL!

Colocando Timezone (corriginfo Timezone) para não se ferrar com horário de verão

Wednesday, October 21st, 2009

Entra no php.ini global do server (/usr/lib/php.ini) e informa isso:

date.timezone = America/Fortaleza

OU, caso a conta tenha um php.ini customizado informe isto acima e tudo ficará filé!

Abraços.

Verificar Spammer no exim – Vamos combater o SPAM

Tuesday, September 15th, 2009

Uma coisa importante a ser adicionada ao sistema EXIM são as informações no cabeçalho dos emails enviados/recebidos em seu sistema.

Com etas informações você poderá mais facilmente identificar os possíveis SPAMMERS que você hospeda além de facilitar também a vida de outros administradores cujo servidores recebem emails vindos de seu sistema.

Acesse o WHM e no link “Exim Configuration Editor” e no mesmo no botão “Advanced Editor”. Logo no primeiro campo de formulário (logo abaixo do “#!!# cPanel Exim 4 Config”) adicione:

log_selector = +address_rewrite +all_parents +arguments +connection_reject +delay_delivery +delivery_size +dnslist_defer +incoming_interface +incoming_port +lost_incoming_connection +queue_run +received_sender +received_recipients +retry_defer +sender_on_delivery +size_reject +skip_delivery +smtp_confirmation +smtp_connection +smtp_protocol_error +smtp_syntax_error +subject +tls_cipher +tls_peerdn

Agora observe o cabeçalho dos emails em seu queue.

fonte: http://blog.scriptseguro.com.br/verificar-spammer-no-exim/

Failed loading /usr/local/Zend/lib/Optimizer-3.3.3/php-5.1.x/ZendOptimizer.so: /usr/local/Zend/lib/Optimizer-3.3.3/php-5.1.x/ZendOptimizer.so: cannot restore segment prot after reloc: Permission denied OU COM IONCUBE

Monday, September 14th, 2009

Se você instalou o IONCUBE no CENTOS/RedHat/Fedora, NÃO entre em pânico se recebeu a mensagem acima ou algo bem semelhante (com compontente da zend). Há uma probabilidade monstruosa do problema estar ocorrendo por causa do SELINUX. Para sanar esse problema rode:

/usr/sbin/setenforce 0

OU

edite o arquivo /etc/selinux/config colocando no lugar de enforcing a informação disable.

Reinicie seu server e depois seja feliz 😛

How to install mod evasive, como instalar o mod evasive

Tuesday, April 28th, 2009

Para instalar o mod evasive em seu cpanel use:

wget http://www.zdziarski.com/projects/mo…_1.10.1.tar.gz
tar -xzvf mod_evasive_1.10.1.tar.gz
cd mod_evasive_1.10.1
/usr/local/apache/bin/apxs -i -a -c mod_evasive20.c
/usr/local/apache/bin/apachectl restart

Após entre no conf do apache e edite o mesmo:

/usr/local/apache/conf/httpd.conf

<IfModule mod_evasive20.c>
DOSHashTableSize 3097
DOSPageCount 2
DOSSiteCount 50
DOSPageInterval 1
DOSSiteInterval 1
DOSBlockingPeriod 10
</IfModule>

Após reinicie o apache:

service httpd restart

Gnu/Linux e suas dificuldades na usabilidade (diversidade que pode matar)

Thursday, April 16th, 2009

Gnu/Linux sem dúvidas é a prática mais comum no mundo do Software Livre, em outras palavras, é o meio mais fácil e mais comum do mundo Open Source estar declarado em nosso dia-a-dia. Temos ferramentas de uso diário, que são open source e não percebemos, mas quando nos deparamos com o Gnu/Linux nós podemos afirmar – este realmente é free software (ainda que não tenhamos um conceito muito forte do que realmente é software livre, que muitos infelizmente interpretam como software gratuito). Isto, sem sombra de variação é muito fabuloso, pois este excelente sistema que já mostrou do que é capaz, e o melhor, deixou claro que tem seu código aberto para customizações e forks, estando disponível para qualquer pessoa, aonde quer que esteja.
Ao longo de 12 anos de convívio com o Gnu/Linux (tendo somente 5 anos como profissional neste ramo, prestando serviços, e outros 7 “ouvindo falar bem”) pude perceber algumas “metamorfoses” que não vieram e fixaram um conceito amigável de usabilidade.
Vou detalhar isto de maneira abrangente para que fique claro o que realmente desejo expor, a dificuldade na curva de aprendizado, devido a variações muito pesadas nas distribuições Gnu/Linux.
Em 1997 possuía um computador Pentium 133 mhz mmx 100% off-board e tenho um irmão que na época estava fazendo cursos da Conectiva (uma distribuição Gnu/Linux que tinha um corpo técnico que prestava consultoria e cursos), tendo assim um impulso forte para instalação desta distribuição, o que me fez “saber que existia um sistema operacional diferente do Windows 95”, sem contar que no ano seguinte o Macintosh havia se tornado “mais uma daquelas descobertas milenares”. Naquela “descoberta” ouvi falar que ele era Free Software, mas confesso que não fez diferença para mim.
Os anos se passaram, para ser mais preciso 7 anos, e depois de tantas tentativas de me familiarizar com “aquela tela preta, parecia de mais com o MS-DOS”, consegui instalar uma distribuição chamada Slackware. Levei a sério, e fui tomando gosto.
Na época o melhor guia, ou documentação brasileira disponível (ainda está disponível) é o perfeito e completo GuiaFoca, um manual do Gnu/Linux, baseado no Debian, mas operando de maneira simples e direta em outras distribuições.
Passei um ano estudando sem cessar este sistema operacional maravilhoso, o que me fez implementar algumas soluções baseadas em Software Livre no SENAC-PB, empresa que trabalhei durante 3 anos. Adquiri um conhecimento sólido nesta plataforma, mas com o passar do tempo necessitei partir para outras como Red Hat Enterprise, por exemplo, sem contar as distribuições desktop que estavam bombando nesta fase. Com a saída da antiga empresa para outra que prestava consultoria não obtive dificuldades em implementações para clientes, principalmente pelo fato do Slackware ser muito flexível e “bastante Unix”, não senti nada difícil nos primeiros meses.
Nesta etapa eu entendi quais os problemas que as distribuições Gnu/Linux sentiam, isto aos olhos do usuário final, por que o nível de curva de aprendizado torna-se alto quando entramos em uma distribuição comercial. Para que se tenha uma idéia, o CentOS (remasterização do Red Hat Enterprise, respeitando direitos autorais e imagens da instituição), caso seja instalado como servidor, com poucos pacotes default você não terá a ferramenta ifconfig disponível, mas espere, ifconfig é um utilitário disponível em todas as distribuições, isto é padrão, e nem todas usam o system-config. Quantas usam dpkg, apt ou aptitude? Quantas tem o RPM como gestor de pacotes? O Yum? O Yast, Yast2?
Sabemos que são particularidades em cada distribuição, e que tais particularidades visam a automatização de determinadas tarefas que comumente estão vinculadas com o sistema operacional que as implementam.
Neste momento entram as divergências em geral, pois entendemos que comandos básicos sempre serão respeitados, e que seus manuais são preservados de uma distribuição para outra, mas que nem sempre estão no mesmo lugar.
Localidades na árvore de estrutura de dados, nomes de arquivos de configuração, modalidade de configuração de rede a nível de arquivo e forma com que containers web trabalham é muito diversificada em cada distribuição. Isto dificulta no momento de colocar na cabeça de algum xiita de códigos fonte proprietários que o Gnu/Linux é bom!
Observem o estouro e magnitude de distribuições como Ubuntu e Fedora, a nível desktop, vejam o quão abrangentes e aceitáveis elas são, e o mais importante, o quão bem documentadas elas são, mas em uma suave visão diferenciada, tente usar os conceitos aprendidos em cada uma delas em um Gentoo, CentOs ou OpenSuse, talvez você não queira mais usar Gnu/Linux, ou melhor, fará distinção por conhecer todas as ferramentas/utilitários de uma e de outra não.
Deixo claro que o Gnu/Linux é a escolha certa para quem não quer dores de cabeça futuras, quer estabilidade e o melhor, segurança de suas informações garantidas por sistemas que têm geeks de milhares de lugares dedicando-se na provisão de códigos de altíssimo nível e de escalabilidade monstruosa.
Minhas recomendações para marinheiros de primeira viagem:

• Use Ubuntu/Fedora para desktop, principalmente o Ubuntu que permite upgrades de versão do Sistema Operacional de maneira mais segura,
• Use CentOs/Ubuntu/Slackware ou Debian em seus servidores, principalmente Ubuntu/Debian que permitem upgrades de versões sem maiores dores de cabeça,
• Use Ubuntu/Fedora em escritórios, principalmente por sua quantidade enorme de drivers (módulos) para impressoras e etc.

Existem outras distribuições Gnu/Linux que têm tido muito prestígio, como por exemplo cito o Mandrake, empresa que assumiu a Conectiva e que tem se destacado pela ampla gama de produtos e suporte de qualidade, sendo hoje conhecida como Mandriva. OpenSuse, outra distribuição muito respeitada, versão Grátis e de código fonte aberto, 100% baseada no Suse Enterprise, mantido pela comunidade open source do mundo inteiro, esta é bastante amigável também.
Lembre-se que uma distribuição deve primar por conceitos de segurança, estabilidade e alto desempenho, principalmente, deverá ser bem documentada, e trivialmente falando, documentada maciçamente sobre suas ferramentas em particular.
Gestores de pacotes também são algo que tornam a problemática maior, por que os pacotes .DEB e .RPM imperam, seguidos de seus gestores deb/apt/aptitude e RPM/up2date/yum. Sabemos que é simples compilar algo (em alguns casos, devido requerimento de paths para libs a situação poderá complicar-se) e ajustar paths de destino, mas nem tudo isto brilha aos olhos dos mantenedores de software, tanto pelo nível de dificuldade avaliado para compilações e geração de source pré-compilado na plataforma como pela simplicidade de gestão (upgrade, downgrade e patching em geral).
Quanto ao GuiaFoca, este ainda é a melhor alternativa em documentação Gnu/Linux (falando de maneira geral), mas não atenha-se ao mesmo pois as distribuições estão mudando e agora parecem que estão tomando “independência” ou pensam em seguir assim, longe de padrões LSB.
Aprender sempre é bom, mas não atenha-se a distribuições muito individualistas, isto poderá complicar sua vida em um futuro muito próximo, principalmente no que tange ciclo de vida da versão do sistema ou até descontinuidade do projeto adotado por você ou por sua empresa (vide distribuições como Kurumin que tinham excelente iniciativa, mas que estão agonizado neste momento, Conectiva – adquirida pela Mandrake e outras).

As particularidades excessivas das distribuições estão levando as distribuições que adotam esta modalidade de negócio/serviço para uma ilha de destaque e talvez solidão.

Muito cuidado com sua escolha!

Abraços a todos e bom trabalho/estudo.

how to configure network on red hat Configurando interfaces de rede manualmente no Centos Fedora ou Red Hat

Monday, April 13th, 2009

Boa noite,

Estou usando o CentOs 5.3 (na realidade era o 5.1 e o maravilhoso yum fez a upgrade tranquilamente) e necessitei configurar a interface de rede manualmente.
Supondo que sua interface seja a eth0 (a primeira) você deve acessar seu arquivo assim:

vim /etc/sysconfig/network-scripts/ifcfg-eth0

O vim não é obrigação, entretanto gosto dele.

Observe a sintaxe abaixo:

DEVICE=eth0
BOOTPROTO=static
DHCPCLASS=
HWADDR=00:30:48:56:A6:NE
IPADDR=192.168.1.101
NETMASK=255.255.255.0
ONBOOT=yes

Fazendo isto (tornando sua sintaxe semelhante) você estará:

colocando o ip da interface estaticamente como sendo 192.168.1.101 e dizendo que isto será feito no momento do boot do sistema.

Em seguida entre aqui:

vim /etc/sysconfig/network

NETWORKING=yes
HOSTNAME=libphp1
GATEWAY=192.168.1.1

Aqui definimos a rede como sendo o hostname libphp1 e o gateway 192.168.1.1

Após isto somente faça isto:

/etc/init.d/network restart

Depois podemos até setar um dns para acesso a web:

vim /etc/resolv.conf

Dentro dele eu coloquei assim:

nameserver 200.165.132.148
nameserver 200.165.132.155

Este é o modo simples de definir o dns da velox.

Abração e tenham uma semana excelente e abençoada por Deus.

Como fazer downgrade do mysql 5 para o 4 no cpanel – how to downgrade mysql 5 to 4

Wednesday, March 11th, 2009

Primeiro entre no arquivo:

vim /var/cpanel/cpanel.config

procure pela linha mysql-version=5.0 e em seguida coloque 4.1 no lugar de 5.0

saia salvando o arquivo, em seguida rode:

/scripts/mysqlup –force

Após isto, confirme a versão com:

rpm -qa | grep -i mysql-

Obs: Se funcionar eu quero uma caixa de Bis hein?

Habilitando ou Desabilitando o HTACCESS

Monday, March 2nd, 2009

As vezes precisamos desabilitar o htaccess de algum servidor, ou habilitar, isto ocorre em serviços customizados para uma finalidade diferente de páginas comuns, como é o caso do centova, um painel para gestão de serviços de streaming. Para isto, se você deseja habilitar o htaccess nas contas procure o trecho abaixo no arquivo de configuração do apache, em meu caso, como era apache rodando sob CentOs eu fui em /etc/httpd/conf/httpd.conf

# AllowOverride controls what directives may be placed in .htaccess files.
# It can be “All”, “None”, or any combination of the keywords:
# Options FileInfo AuthConfig Limit

AllowOverride All

Setando para All temos habilitado, setando para None temos desabilitado.

É isto!

cannot restore segment prot after reloc: Permission denied

Monday, March 2nd, 2009

Nada de pânico, sem dúvidas isso ocorreu em seu sistema CentOs (ou derivado da linha Red Hat) e você não sabe o que fazer. Esfria a cabeça, para sanar o erro
cannot restore segment prot after reloc: Permission denied

basta desabilitar o SELINUX (sistema de defesa padrão da linha Red Hat) assim:

/usr/sbin/setenforce 0

entre no arquivo de configuração e mude de enforce para disabled, o arquivo fica em:
/etc/selinux/config

Após a mudança reinicie o server com o comando:

shutdown -r now

Após restart, use o comando sestatus, deverá receber algo como:

SELinux status: disabled

Depois disso tudo ficará 100%.

Abraços.

cannot restore segment prot after reloc: Permission denied

Monday, March 2nd, 2009

Nada de pânico, sem dúvidas isso ocorreu em seu sistema CentOs (ou derivado da linha Red Hat) e você não sabe o que fazer. Esfria a cabeça, para sanar o erro

cannot restore segment prot after reloc: Permission denied

basta desabilitar o SELINUX (sistema de defesa padrão da linha Red Hat) assim:

/usr/sbin/setenforce 0

entre no arquivo de configuração e mude de enforce para disabled, o arquivo fica em:
/etc/selinux/config

Após a mudança reinicie o server com o comando:

shutdown -r now

Após restart, use o comando sestatus, deverá receber algo como:

SELinux status:                 disabled

Depois disso tudo ficará 100%.

Abraços.

fonte: http://www.littleoak.com.br/2009/03/02/cannot-restore-segment-prot-after-reloc-permission-denied/

Error: Missing Dependency: xen-hypervisor-abi = 3.1 is needed by package xen

Wednesday, February 18th, 2009

Se você recebeu a mensagem Error: Missing Dependency: xen-hypervisor-abi = 3.1 is needed by package xen ao tentar instalar o xen no Centos, Fedora ou Red hat, nada de pânico, a saída é entrar no /etc/yum.conf e comentar (colocar #) na linha:

#exclude=kernel*

Acabou a tristeza!

😛

Instalando php mais novo em servidores CentOs, Red Hat ou Fedora

Monday, December 8th, 2008

É comum que tenhamos um servidor feito sem recursos de painéis de controle como Plesk ou Cpanel que tornam a versão do php muito antiga… porém, em observação, precisava de uma versão tunada do php para poder programar feliz e contente!

O Centos Veio com a versão 5.1.6, que nada tinha de tão importante (o que precisava), então, abaixo segue how to para subir para uma versão 5.2.x:

wget http://download.fedora.redhat.com/pub/epel/5/i386/epel-release-5-2.noarch.rpm
wget http://rpms.famillecollet.com/el5.i386/remi-release-5-4.el5.remi.noarch.rpm
rpm -Uvh remi-release-5*.rpm epel-release-5*.rpm

yum --enablerepo=remi update php

pronto, depois disso só precisa verificar:

php -v

PHP 5.2.6 (cli) (built: May  7 2008 00:50:43)
Copyright (c) 1997-2008 The PHP Group
Zend Engine v2.2.0, Copyright (c) 1998-2008 Zend Technologies

Fedora 9: BroadCom sem fuleragem! Broadcom bmc43xx facinho facinho

Monday, August 18th, 2008

Gente, hoje quebrei o pau para instalar essa peste desta broadcom no meu Fedora 9, e agora (mais uma vez, só para variar) vou entregar MASTIGADINHO:

Terreno
O que você precisa é ter  instalado o F9 (funciona no F8), ter uma imagem i386 (pode tentar x86_64, mas EU não tive o privilégio de instalar e NEM RECOMENDO pois Fedora “é a cobaia da Rhel”), ter paciência (ver trecho em aspas duplas) e uma internet para tal feito.

Ao combate
Faça tudo como root

yum update

depois
yum install bcm43xx-fwcutter b43-fwcutter

depois
faça download do arquivo a seguir (versão 4 do b43)-> http://downloads.openwrt.org/sources/broadcom-wl-4.80.53.0.tar.bz2

depois
faça download do arquivo a seguir (versão 3 do  bcm43xx) ->
http://downloads.openwrt.org/sources/wl_apsta-3.130.20.0.o

depois (sobre o b43)
b43-fwcutter -w /lib/firmware /path/to/kmod/wl_apsta.o

depois (sobre b43legacy)
b43-fwcutter -w /lib/firmware /path/to/wl_apsta-3.130.20.0.o

depois (sobre bcm43xx)
bcm43xx-fwcutter -w /lib/firmware /path/to/wl_apsta-3.130.20.0.o

depois
echo “alias wlan0 b43″ >> /etc/modprobe.conf

depois
echo “alias wlan0 b43legacy” >> /etc/modprobe.conf

recarregando drivers
rmmod b43 && modprobe b43

Links adicionais:

http://bcm43xx.berlios.de/
http://linuxwireless.org/en/users/Drivers/b43
https://bugzilla.redhat.com/bugzilla/show_bug.cgi?id=186329