Lançado Red Hat Enterprise Linux 6.1

Standard

Red Hat anunciou a disponibilidade do Red Hat Enterprise Linux 6.1 (RHEL 6.1). As atualizações da versão release de novembro do ramo RHEL 6,0, com uma variedade de aprimoramentos de desempenho diz que lhe permitiu entregar um benchmark record-setting SPECvirt_sc2010 sendo executado em um servidor HP Proliant 20-core Blade.

A Red Hat também destaca melhorias no RHEL 6.1, como novas opções de configuração para armazenamento avançado, como Fibre Channel over Ethernet (FCoE), Datacenter Bridging e iSCSI e melhorias em virtualização, sistemas de arquivos, programação, gerenciamento de recursos e funcionalidades de alta disponibilidade.

Notas de lançamento e notas técnicas estão disponíveis com maiores detalhes sobre todas as mudanças feitas no RHEL 6.1.
[1] Red Hat Release Notes 6.1 http://docs.redhat.com/docs/en-US/Re…tes/index.html

[via]

Centos 5.6 Lançado e pronto para download

Standard

Foi lançado ainda ontem (08/04/2011) a nova versão do CentOs (um remaster perfeito do Red Hat Enterprise Linux). Para os amantes desta distribuição uma coisa importante a se considerar, as notas de lançamento! Veja as principais mudanças publicadas:

http://wiki.centos.org/Manuals/ReleaseNotes/CentOS5.6

A nota de lançamento ocorreu no maillist oficial, veja:

We are pleased to announce the immediate availability of CentOS-5.6 for
i386 and x86_64 Architectures.

CentOS-5.6 is based on the upstream release EL 5.6 and includes
packages from all variants including Server and Client. All upstream
repositories have been combined into one, to make it easier for end
users to work with.

This is just an announcement email, not the release notes. The Release
Notes for CentOS-5.6 can be found on-line at :
http://wiki.centos.org/Manuals/ReleaseNotes/CentOS5.6 and everyone is
encouraged to look through them once. Also worth browsing through are
the CentOS FAQs at http://wiki.centos.org/FAQ

+++++++++++++++++++++++
Upgrading from CentOS-5.5 ( or CentOS-5.0 / 5.1 / 5.2 / 5.3 / 5.5 ):

If you are already running CentOS-5.5 or an older CentOS-5 distro, all
you need to do is update your machine via yum by running :

'yum update'

Running 'yum list updates' before doing the update is recommended, so
you can get a list of packages that are going to be updated. To check
you are indeed on CentOS-5.6, run : 'rpm -q centos-release' and that
should return: 'centos-release-5-6.el5.centos.1'

+++++++++++++++++++++++
Live-CD:

The LiveCDs are meant to be used to run a CentOS 5.6 environment. The
LiveCDs are setup in a way so as to allow running from either optical
media like cds and dvds or from USB keys and other portable media.
Release Notes for the CentOS-5.6 LiveCD can be found at :
http://wiki.centos.org/Manuals/ReleaseNotes/CentOSLiveCD5.6

+++++++++++++++++++++++
Downloading CentOS-5.6 for new installs:

When possible, consider using torrents to run the downloads. Not only
does it help the community and keeps mirrors from running up high
bandwidth bills, in most cases you will find its also the fastest means
to download the distro. There are currently over three hundred people
seeding CentOS-5 and it's possible to get upto 100mbps downloads via
these torrents.

-- Via BitTorrent :
       CD:
http://mirror.centos.org/centos/5.6/isos/i386/CentOS-5.6-i386-bin-1to7.torrent
http://mirror.centos.org/centos/5.6/isos/x86_64/CentOS-5.6-x86_64-bin-1to8.torrent

       DVD:
http://mirror.centos.org/centos/5.6/isos/i386/CentOS-5.6-i386-bin-DVD.torrent
http://mirror.centos.org/centos/5.6/isos/x86_64/CentOS-5.6-x86_64-bin-DVD.torrent

       LiveCD:
http://mirror.centos.org/centos/5.6/isos/i386/CentOS-5.6-i386-LiveCD.torrent
http://mirror.centos.org/centos/5.6/isos/x86_64/CentOS-5.6-x86_64-LiveCD.torrent

md5sum's for these torrent files:

5933c19cd9483ce29b785955249ecd7c  CentOS-5.6-i386-bin-1to7.torrent
abb5949608423611e814a5d02325b6d2  CentOS-5.6-x86_64-bin-1to8.torrent

178a61311e7ee7ec2cd48a06cc84f80d  CentOS-5.6-i386-bin-DVD.torrent
01eb97a833faf9bdfdac239c59e1b1cf  CentOS-5.6-x86_64-bin-DVD.torrent

173948defd0661b0949c0c4badd050ff  CentOS-5.6-i386-LiveCD.torrent
dfc0ac767ba42e55b7e05c5922f30c51  CentOS-5.6-x86_64-LiveCD.torrent

Note: we had to redo the x86_64 DVD and CD torrent files, so ensure you
only use torrent files that match these published md5sum's

-- Via direct download:
Due to bandwidth considerations the CentOS Project does not publish ISOs
directly from our network machines. However direct downloads are
available from external mirrors over http, ftp and rsync. A geoip
based list is available at http://isoredirect.centos.org/centos/5/isos/
to give you the best predictable match ( and only lists mirrors that are
updated already, so you don't need to waste time looking for a sync'd
mirror )

Some mirrors also publish DVD images that can be downloaded directly.
Refer to the mirrors list page at http://www.centos.org/mirrors for more
details Mirrors that offer DVDs are clearly marked on the page.

+++++++++++++++++++++++
sha1sum for these ISOS:

i386:
90bede4d0fd898b5c707c1286090e104c7549e65  CentOS-5.6-i386-bin-1of7.iso
55d2e6715f20321f3133260e00626275a04ce135  CentOS-5.6-i386-bin-2of7.iso
e2456baf35f444d8ae31656e7879b7bcf6b5ad80  CentOS-5.6-i386-bin-3of7.iso
165531a4dec87215379732c0ab8caa5689bf6044  CentOS-5.6-i386-bin-4of7.iso
ee084789533a5db41e96d064af2dc071976a09c6  CentOS-5.6-i386-bin-5of7.iso
7669dabc486450315ccce87ab945e508252b02ca  CentOS-5.6-i386-bin-6of7.iso
ed9bf4539a68d7a86408e1cc56c37f68b1941df8  CentOS-5.6-i386-bin-7of7.iso
e44a55ef06293c3958a2b6aae3c3ce2d13580627  CentOS-5.6-i386-bin-DVD.iso
5ff43eb45051f804219d7e795b4f830dd2aa815c  CentOS-5.6-i386-netinstall.iso
bfa3146fecbe5dd6820f8261851baa4951b80cb6  CentOS-5.6-i386-LiveCD.iso

x86_64:
2b16a64a0b4d68a6b4263bffdbc5f99c3daf9070  CentOS-5.6-x86_64-bin-1of8.iso
d7e112eae4ee24538d41ec7955747526c71329ad  CentOS-5.6-x86_64-bin-2of8.iso
3c36e8d2b211455efb418f3b221395b39bbed9f4  CentOS-5.6-x86_64-bin-3of8.iso
68bfccf66bc0464ef4aded146320792ab22a2d3c  CentOS-5.6-x86_64-bin-4of8.iso
9287112b062f4c26de2cf65eddfba121e485c852  CentOS-5.6-x86_64-bin-5of8.iso
f8fed9a75ff845a0a2b77126099ae9af9c24f29e  CentOS-5.6-x86_64-bin-6of8.iso
0ccafbcfd28f71db18752d58ffe3b4efd97d6f0d  CentOS-5.6-x86_64-bin-7of8.iso
4061355f409cab0f6c9cc4b4c52e6f4edb41b0c8  CentOS-5.6-x86_64-bin-8of8.iso
99d97759316b0bec729fc85fcb4df33310d9eeb3  CentOS-5.6-x86_64-bin-DVD-1of2.iso
e28d90718d591c833d07d0b86f0d3d3486dc454c  CentOS-5.6-x86_64-bin-DVD-2of2.iso
6b8ff7f955ba9c0f86ab0a1d71aaee8e3b4c6976  CentOS-5.6-x86_64-netinstall.iso
1770511af5791256f9d87fb8f76bb02cd2bccd9c  CentOS-5.6-x86_64-LiveCD.iso

+++++++++++++++++++++++
md5sum for these ISOS:

i386:
53e824442449765ff6ff9e0306537bb9  CentOS-5.6-i386-bin-1of7.iso
c92b574c8d1f4da6d8d2cafe4eeac449  CentOS-5.6-i386-bin-2of7.iso
39ffba169ec63d9a3671f69448280c84  CentOS-5.6-i386-bin-3of7.iso
e98609d3d292a8167e2ce4e889691ff2  CentOS-5.6-i386-bin-4of7.iso
ecbfaca3dd610b3a9be6de908872450d  CentOS-5.6-i386-bin-5of7.iso
19ca4cbcf08aade0c9dd828f5dfd7f66  CentOS-5.6-i386-bin-6of7.iso
3e3a8a64e4a46b91f76f2b76ef46095c  CentOS-5.6-i386-bin-7of7.iso
181142a5845586579d5d4d96e43a4827  CentOS-5.6-i386-bin-DVD.iso
a710105f7f9fe3516f08f6f8514ed2b0  CentOS-5.6-i386-netinstall.iso
02f1199de0e5a982af53e65fd6d69b00  CentOS-5.6-i386-LiveCD.iso

x86_64:
6dce642fb9b9158f9ce18411127399e6  CentOS-5.6-x86_64-bin-1of8.iso
73b16680a9411f5397b289b419b34b03  CentOS-5.6-x86_64-bin-2of8.iso
b0fdc4f0098a648ea5fc27e26b2f1b26  CentOS-5.6-x86_64-bin-3of8.iso
f71c1c0c3ca2d19a6c48a938252b631d  CentOS-5.6-x86_64-bin-4of8.iso
09bb8351e4799c0c122d451c670359b3  CentOS-5.6-x86_64-bin-5of8.iso
c90a9de29c7c6708b396760007d0942e  CentOS-5.6-x86_64-bin-6of8.iso
0456cb515be6f3f2a0fa6e8be45d66b5  CentOS-5.6-x86_64-bin-7of8.iso
83c61f38fea4f22033dedc746c2bb67b  CentOS-5.6-x86_64-bin-8of8.iso
b37209879c0fb158fac25045527241ee  CentOS-5.6-x86_64-bin-DVD-1of2.iso
3eb277f8ca8d49cc8fcaf76d647169c4  CentOS-5.6-x86_64-bin-DVD-2of2.iso
02cf3a5e32aaa5eed27af775ad292beb  CentOS-5.6-x86_64-netinstall.iso
7449589dc0769d4e027832bfe3f6bfba  CentOS-5.6-x86_64-LiveCD.iso

+++++++++++++++++++++++
Pending Updates:

Since upstream released their 5.6 media, a series of updates have been
issued. These updates are currently syncing to the CentOS mirrors.

+++++++++++++++++++++++
Sources and Debuginfo packages:

srpms and debuginfo packages are still making their way to the CentOS
mirrors and should be online by the 13th April 2011.

+++++++++++++++++++++++
Getting Help:

The best place to start when looking for help with CentOS is at the wiki
( http://wiki.centos.org/GettingHelp ) which lists various options and
communities who might be able to help. If you think there is a bug in
the system, do report it at http://bugs.centos.org/ - but keep in mind
that the bugs system is *not* a support mechanism.

Some Friendly URLs :
      http://www.centos.org/
      http://wiki.centos.org/
      http://lists.centos.org/
      http://bugs.centos.org/
      irc://#centos@irc.freenode.net

+++++++++++++++++++++++
A big thanks to everyone who contributed towards this release, including
  the translation teams, the qa team, the artwork team, the CentOS
Developers and all the users out there. And a special shout out to all
the donors who have contributed machines, bandwidth and infrastructure
towards the CentOS Project. They make this possible.

Enjoy!

--
Karanbir Singh
The CentOS Project
irc: z00dax, #centos at irc.freenode.net

Nas notas de lançamento já estão disponíveis links para downloads!

Apreciem sem moderação!
:P

 

Como habilitar conexões remotas com o mssql server 2005 (express ou standard/enterprise)

Standard

Como configurar Conexão Remota no SQL Server 2005

Muitos casos de problemas com conexão ao servidor de Banco de Dados ocorrem por uma limitação que o SQL Server 2005 possui por padrão. Esta configuração de segurança que vem padronizada no SQL pode ser alterada facilmente. Neste artigo, será apresentada uma maneira de como solucionar este problema rapidamente. Para simular o ambiente, duas máquinas serão utilizadas. Uma será o Servidor de Banco de Dados, e a outra será a máquina cliente. No diagrama abaixo, existe uma arquitetura de exemplo para ilustrar a solução.

O nome do Servidor de Banco de Dados é NGRSERVER e a máquina cliente se chama NOTEBOOK. A instância do SQL Server 2005 que está no servidor é chamada de SQL2005.

Vamos ao que interessa. Ao tentar acessar o Servidor de Banco de Dados com sua configuração padrão, uma mensagem de erro é apresentada. Esta Depois de acessar a tela das propriedades da instância do SQL Server, escolha, no menu da esquerda, a opção Connection. A parte direita da tela será referente à Connection, procure a opção Allow remote connection to this server. Deixe esta opção marcada. Clique em OK.mensagem diz que ocorreu um erro enquanto estabilizava uma conexão com o servidor, esta falha pode ser pelo fato da configuração padrão do SQL Server não permitir conexões remotas.

“An error has occurred while establishing a connection to the server. When connecting to SQL Server 2005, this failure may be caused by the fact that under the default settings SQL Server does not allow remote connections”

A solução deste problema é resolvida em alguns passos.

Código:
1. Permitir conexões remotas à instância do SQL Server que será acessada de outro computador;
2. Habilitar o protocolo  TCP/IP para conexão e tráfego de informações;
3. Iniciar o serviço do SQL Server Browser;
4. Configurar o  Firewall para permitir que informações relacionadas ao SQL Server seja permitido de passar por ele.

.[/COLOR]

Estes passos garantem a conexão remota do SQL Server. Abaixo cada passo é explicado detalhadamente.

Passo 1: Para permitir que computadores acessem instâncias do SQL Server em outra máquina, a primeira coisa a ser feita é uma configuração na instância que receberá as conexões remotas, no nosso caso, o SQL2005 no servidor NGRSERVER.

Para fazer isso, conecte-se localmente na instância do servidor, clique com o botão direito na instância conectada e aponte o mouse para Properties.

Depois de acessar a tela das propriedades da instância do SQL Server, escolha, no menu da esquerda, a opção Connection. A parte direita da tela será referente à Connection, procure a opção Allow remote connection to this server. Deixe esta opção marcada. Clique em OK.

A conclusão deste procedimento passa a garantir que a instância do SQL Server poderá receber conexões remotas, mas este não é o único passo a ser cumprido. Mais alguns passos devem ser seguidos para a conclusão da tarefa.

Passo 2: Para permitir que o protocolo TCP/IP trafegue informações do SQL e que conexões possam ser estabelecidas através deste protocolo, vamos liberá-lo no SQL Server, utilizando uma ferramenta disponível na instalação das ferramentas de administração. A ferramenta é o SQL Server 2005 Surface Area Configuration. Esta ferramenta por padrão, encontra-se na pasta Configuration Tools do SQL Server 2005. Nesta ferramenta, utilizaremos os recursos de Surface Area Configuration for Services and Connections.

Acesse Surface Area Configuration for Services and Connections, no menu da esquerda expanda o item da instância, neste caso, SQL2005. Depois expanda Database Engine e selecione Remote Connections. Na tela da direita, selecione a opção Local and remote connections e em seguida Using TCP/IP only. Clique em OK.

Esta configuração permite agora, que a instância selecionada receba conexões locais e remotas, as conexões remotas serão somente por TCP/IP. A opção Using both TCP/IP and named pipes também poderia ser sido utilizada, sem problemas.

Continuando com a configuração do TCP/IP, vamos utilizar agora outra ferramenta, SQL Server Configuration Manager. Nesta ferramenta utilizaremos o recurso SQL Server 2005 Network Configuration, que se encontra no menu da esquerda. Ao expandir este item, encontramos o Protocols for SQL2005. Ao clicar nele, algumas opções se abrirão do lado direito da tela. Nas opções disponibilizadas, devemos deixar o protocolo TCP/IP com status de Enabled. Para fazer isso, clique com o botão direito do mouse em TCP/IP e vá em Enabled. Após isso, ele aparecerá configurado.

Depois de configurar o status para Enabled, mais duas verificações devem ser feitas nas propriedades do protocolo TCP/IP. Para acessar estas configurações, clique com o botão direito do mouse em TCP/IP e em seguida em Propriedades. Uma tela com duas abas superiores se abrirá. A primeira aba Protocol, deve ficar com a propriedade Enabled configurada para Yes.

Na segunda aba, IP Addresses, devemos garantir que as propriedades Active e Enabled estejam configuradas para Yes.

Após garantirmos estas configurações, clicamos em OK para salvar nossas alterações.

As alterações que foram feitas nestas duas ferramentas são úteis para garantir que a instância do SQL Server selecionada possa receber conexões remotas e que o protocolo remoto de conexão é o TCP/IP.

Passo 3: Para iniciar o serviço do SQL Server Browser, utilizaremos novamente a ferramenta SQL Server Configuration Manger. Para acessar a área que controla os serviços do SQL Server, no menu da esquerda, será utilizado o item SQL Server 2005 Services. Na parte direita da tela, os serviços relacionados ao SQL Server são apresentados. O serviço SQL Server Browser encontra-se com seu State configurado para Stopped. Para iniciar o serviço, clique com o botão direito do mouse no serviço e em seguida clique em Start. Este processo levará alguns instantes, e o State antigo passará a ser Running.

fim da 2ªparte

Após a inicialização do serviço do SQL Server Browser, e as configurações de liberação para acesso remoto e de TCP/IP, o serviço da instância do SQL Server deve ser reiniciado para que as alterações tenham efeito. Para fazer isso, na mesma tela onde foi iniciado o serviço do SQL Server Browser, selecione o serviço do SQL Server (SQL2005), clique com o botão direito do mouse e aponte p ara Restart. Aguarde alguns instantes a parada e a inicialização do serviço. Lembre-se que SQL2005 é a instância do SQL Server do servidor que utilizamos como exemplo.

Passo 4: Para que as conexões remotas funcionem no SQL Server 2005, o Firewall da rede deve ter exceções para as instâncias do SQL Server 2005 e o serviço do SQL Server Browser. Para exemplificar, colocaremos as exceções no Firewall do próprio Windows. Caso você utilize outro Firewall, você deve ler sua documentação para realizar o procedimento de liberação dos programas utilizados.

O Firewall do Windows está presente nas instalações do Windows XP com Service Pack 2 ou superior. Para acessar o Firewall do Windows, vá em Iniciar > Painel de Controle > Firewall do Windows ou digite firewall.cpl em Iniciar > Executar e clique em OK. A liberação no Firewall deve ser feita para cada instância que terá suas conexões remotas permitidas. Realizar estas exceções em cada instância do SQL Server é necessária pelo fato de ser permitido instalar diversas instâncias do SQL Server em um mesmo servidor. Cada instalação do SQL Server é chamada de instância, e cada instância pode ter quantos Bancos de Dados forem necessários, podendo ser repetidos ou não em uma instância ou outra. Para colocar uma instância do SQL Server nas exceções do Firewall, devemos abrir a aba Exceções do Firewall do Windows, clicar em Adicionar Programa, procurar o arquivo SqlServr.exe que por padrão, encontra-se na pasta C:\Arquivos de Programas\Microsoft SQL Server\MSSQL.1\MSSQL\Binn.

A pasta MSSQL.1 é a pasta referente à instância 1 do SQL Server. Se for colocar uma exceção para uma segunda instância do SQL, o arquivo SqlServr.exe deve ser localizado na pasta MSSQL.2.

Para colocar uma exceção ao serviço do SQL Server Browser, devemos seguir os mesmos passos que percorremos para colocar exceção à instância do SQL Server, a única diferença será procurar o arquivo SqlBrowser.exe que por padrão está na pasta C:\Arquivos de Programas\Microsoft SQL Server\90\Shared.

Estes passos apresentados auxiliam a conexão remota com o Servidor de Banco de Dados através de máquinas clientes. Podemos ver que seguindo os passos corretamente, o acesso de aplicações e de ferramentas administrativas deixou de ser exclusivamente da máquina do Servidor de Banco de Dados, e passou a ter acessos liberados para outras máquinas da LAN (Local Area Network). Lembrando que, para acessar uma instância do Banco de Dados, você terá que colocar um usuário e senha válidos para realizar a conexão.

Dica retirada de:
http://www.chmod.com.br/vb/showthread.php?t=6890

Failed loading /usr/local/Zend/lib/Optimizer-3.3.3/php-5.1.x/ZendOptimizer.so: /usr/local/Zend/lib/Optimizer-3.3.3/php-5.1.x/ZendOptimizer.so: cannot restore segment prot after reloc: Permission denied OU COM IONCUBE

Standard

Se você instalou o IONCUBE no CENTOS/RedHat/Fedora, NÃO entre em pânico se recebeu a mensagem acima ou algo bem semelhante (com compontente da zend). Há uma probabilidade monstruosa do problema estar ocorrendo por causa do SELINUX. Para sanar esse problema rode:

/usr/sbin/setenforce 0

OU

edite o arquivo /etc/selinux/config colocando no lugar de enforcing a informação disable.

Reinicie seu server e depois seja feliz 😛

Gnu/Linux e suas dificuldades na usabilidade (diversidade que pode matar)

Standard

Gnu/Linux sem dúvidas é a prática mais comum no mundo do Software Livre, em outras palavras, é o meio mais fácil e mais comum do mundo Open Source estar declarado em nosso dia-a-dia. Temos ferramentas de uso diário, que são open source e não percebemos, mas quando nos deparamos com o Gnu/Linux nós podemos afirmar – este realmente é free software (ainda que não tenhamos um conceito muito forte do que realmente é software livre, que muitos infelizmente interpretam como software gratuito). Isto, sem sombra de variação é muito fabuloso, pois este excelente sistema que já mostrou do que é capaz, e o melhor, deixou claro que tem seu código aberto para customizações e forks, estando disponível para qualquer pessoa, aonde quer que esteja.
Ao longo de 12 anos de convívio com o Gnu/Linux (tendo somente 5 anos como profissional neste ramo, prestando serviços, e outros 7 “ouvindo falar bem”) pude perceber algumas “metamorfoses” que não vieram e fixaram um conceito amigável de usabilidade.
Vou detalhar isto de maneira abrangente para que fique claro o que realmente desejo expor, a dificuldade na curva de aprendizado, devido a variações muito pesadas nas distribuições Gnu/Linux.
Em 1997 possuía um computador Pentium 133 mhz mmx 100% off-board e tenho um irmão que na época estava fazendo cursos da Conectiva (uma distribuição Gnu/Linux que tinha um corpo técnico que prestava consultoria e cursos), tendo assim um impulso forte para instalação desta distribuição, o que me fez “saber que existia um sistema operacional diferente do Windows 95”, sem contar que no ano seguinte o Macintosh havia se tornado “mais uma daquelas descobertas milenares”. Naquela “descoberta” ouvi falar que ele era Free Software, mas confesso que não fez diferença para mim.
Os anos se passaram, para ser mais preciso 7 anos, e depois de tantas tentativas de me familiarizar com “aquela tela preta, parecia de mais com o MS-DOS”, consegui instalar uma distribuição chamada Slackware. Levei a sério, e fui tomando gosto.
Na época o melhor guia, ou documentação brasileira disponível (ainda está disponível) é o perfeito e completo GuiaFoca, um manual do Gnu/Linux, baseado no Debian, mas operando de maneira simples e direta em outras distribuições.
Passei um ano estudando sem cessar este sistema operacional maravilhoso, o que me fez implementar algumas soluções baseadas em Software Livre no SENAC-PB, empresa que trabalhei durante 3 anos. Adquiri um conhecimento sólido nesta plataforma, mas com o passar do tempo necessitei partir para outras como Red Hat Enterprise, por exemplo, sem contar as distribuições desktop que estavam bombando nesta fase. Com a saída da antiga empresa para outra que prestava consultoria não obtive dificuldades em implementações para clientes, principalmente pelo fato do Slackware ser muito flexível e “bastante Unix”, não senti nada difícil nos primeiros meses.
Nesta etapa eu entendi quais os problemas que as distribuições Gnu/Linux sentiam, isto aos olhos do usuário final, por que o nível de curva de aprendizado torna-se alto quando entramos em uma distribuição comercial. Para que se tenha uma idéia, o CentOS (remasterização do Red Hat Enterprise, respeitando direitos autorais e imagens da instituição), caso seja instalado como servidor, com poucos pacotes default você não terá a ferramenta ifconfig disponível, mas espere, ifconfig é um utilitário disponível em todas as distribuições, isto é padrão, e nem todas usam o system-config. Quantas usam dpkg, apt ou aptitude? Quantas tem o RPM como gestor de pacotes? O Yum? O Yast, Yast2?
Sabemos que são particularidades em cada distribuição, e que tais particularidades visam a automatização de determinadas tarefas que comumente estão vinculadas com o sistema operacional que as implementam.
Neste momento entram as divergências em geral, pois entendemos que comandos básicos sempre serão respeitados, e que seus manuais são preservados de uma distribuição para outra, mas que nem sempre estão no mesmo lugar.
Localidades na árvore de estrutura de dados, nomes de arquivos de configuração, modalidade de configuração de rede a nível de arquivo e forma com que containers web trabalham é muito diversificada em cada distribuição. Isto dificulta no momento de colocar na cabeça de algum xiita de códigos fonte proprietários que o Gnu/Linux é bom!
Observem o estouro e magnitude de distribuições como Ubuntu e Fedora, a nível desktop, vejam o quão abrangentes e aceitáveis elas são, e o mais importante, o quão bem documentadas elas são, mas em uma suave visão diferenciada, tente usar os conceitos aprendidos em cada uma delas em um Gentoo, CentOs ou OpenSuse, talvez você não queira mais usar Gnu/Linux, ou melhor, fará distinção por conhecer todas as ferramentas/utilitários de uma e de outra não.
Deixo claro que o Gnu/Linux é a escolha certa para quem não quer dores de cabeça futuras, quer estabilidade e o melhor, segurança de suas informações garantidas por sistemas que têm geeks de milhares de lugares dedicando-se na provisão de códigos de altíssimo nível e de escalabilidade monstruosa.
Minhas recomendações para marinheiros de primeira viagem:

• Use Ubuntu/Fedora para desktop, principalmente o Ubuntu que permite upgrades de versão do Sistema Operacional de maneira mais segura,
• Use CentOs/Ubuntu/Slackware ou Debian em seus servidores, principalmente Ubuntu/Debian que permitem upgrades de versões sem maiores dores de cabeça,
• Use Ubuntu/Fedora em escritórios, principalmente por sua quantidade enorme de drivers (módulos) para impressoras e etc.

Existem outras distribuições Gnu/Linux que têm tido muito prestígio, como por exemplo cito o Mandrake, empresa que assumiu a Conectiva e que tem se destacado pela ampla gama de produtos e suporte de qualidade, sendo hoje conhecida como Mandriva. OpenSuse, outra distribuição muito respeitada, versão Grátis e de código fonte aberto, 100% baseada no Suse Enterprise, mantido pela comunidade open source do mundo inteiro, esta é bastante amigável também.
Lembre-se que uma distribuição deve primar por conceitos de segurança, estabilidade e alto desempenho, principalmente, deverá ser bem documentada, e trivialmente falando, documentada maciçamente sobre suas ferramentas em particular.
Gestores de pacotes também são algo que tornam a problemática maior, por que os pacotes .DEB e .RPM imperam, seguidos de seus gestores deb/apt/aptitude e RPM/up2date/yum. Sabemos que é simples compilar algo (em alguns casos, devido requerimento de paths para libs a situação poderá complicar-se) e ajustar paths de destino, mas nem tudo isto brilha aos olhos dos mantenedores de software, tanto pelo nível de dificuldade avaliado para compilações e geração de source pré-compilado na plataforma como pela simplicidade de gestão (upgrade, downgrade e patching em geral).
Quanto ao GuiaFoca, este ainda é a melhor alternativa em documentação Gnu/Linux (falando de maneira geral), mas não atenha-se ao mesmo pois as distribuições estão mudando e agora parecem que estão tomando “independência” ou pensam em seguir assim, longe de padrões LSB.
Aprender sempre é bom, mas não atenha-se a distribuições muito individualistas, isto poderá complicar sua vida em um futuro muito próximo, principalmente no que tange ciclo de vida da versão do sistema ou até descontinuidade do projeto adotado por você ou por sua empresa (vide distribuições como Kurumin que tinham excelente iniciativa, mas que estão agonizado neste momento, Conectiva – adquirida pela Mandrake e outras).

As particularidades excessivas das distribuições estão levando as distribuições que adotam esta modalidade de negócio/serviço para uma ilha de destaque e talvez solidão.

Muito cuidado com sua escolha!

Abraços a todos e bom trabalho/estudo.

Ativando register globals no Plesk 8 ou Plesk 9 How to enable register globals or safe mode on plesk

Standard

Criei no littleoak um tutorial para isto.

http://littleoak.wordpress.com/2009/03/24/ativando-register-globals-no-plesk-8-ou-plesk-9-how-to-enable-register-globals-safe-mode-on-plesk/