FIAT + FIORI – UMA PARCERIA DE BABACAS FOREVER ALONE

Standard

A concessionária Fiori, revendedora da linha Fiat em João Pessoa, comercializou em dezembro de 2011 um veículo ‘Novo Palio’, modelo 2012, de placas OFB-7139-PB, com falhas ao cliente José Fernando Santos de Carvalho.

De acordo com o comprador, dois dias após a aquisição do veículo, começaram os intermináveis problemas. Inicialmente, o veículo não deu partida, ou seja, quando a chave de ignição era acionada, o painel não acendia e o carro não ligava o motor.

Indignação
“Procurei a Fiori para solucionar o problema e ‘eles’ (Fiori) não detectaram nenhuma anomalia, informando que o carro estava em perfeitas condições de uso. No entanto, o problema persistiu e eu retornei diversas vezes na concessionária para relatar a mesma anomalia, além de outros tantos, como um alarme de velocidade excedida sem que o veículo estivesse em tal condição. Houve travamento de porta-malas, ponteiro pulando, computador de bordo todo sem regulagem, entre outros problemas”, disse José Fernando.

Medo
O consumidor prejudicado teme pela sua vida e da sua família. Ele revelou que por conta de sua vida profissional, necessita  viajar constantemente. “Eu não posso nem me arriscar, pois não confio mais no Palio que adquiri na Fiori. Vou procurar meus direitos e tenho fé que tudo será resolvido”, desabafou José Fernando.

O outro lado

A reportagem do Paraíba Já entrou em contato com a Fiori, pelo 3208-1512, porém, a ligação passou por diversos ramais e acabou sendo desligada.

Paraíba Já

 

 

=============

 

http://paraibaja.com.br/?p=noticia_int&id=19509

 

Defeito de fábrica em Novo Palio 2012 e o descaso da FIAT

Nos ultimos 3 meses e meio, tenho retornado à Concessionária Fiat varias vezes. O fato é que comprei um carro(NOVO PALIO 2012) com anomalias, que eles nao conseguem resolver. Eles alegam: “O carro está em perfeitas condicoes de uso”.

Pasmem, ja experimentei porta-malas eletrico travado(no dia que ia viajar para ser padrinho de casamento), computador de bordo informando problemas no motor, dificuldades pra ligar o carro, ponteiro do velocimetro “PULANDO”, cortes na ingestão de combustível enquanto em movimento, controle das portas não respondendo e outras falhas na entrega do produto(direção desalinhada, risco no painel, peças alteradas).

Eu ja não aguento mais relatar o problema a empresa ou ficar vários dias à pés, por deixar o carro na Concessionária. Passo por diversos transtornos e incovenientes.

Tenho um filho de 1 ano. Todo pai sabe que “é lei”, chegar em casa e dar uma voltar na rua com o bebe pra ele nao chorar.Ficar se o unico carro da familia é MUITO PROBLEMATICO.

Faço viagems constantes à refice-PE, devido ao meu mestrado na UFPE e tenho MEDO DA INTEGRIDADE FISICA DA MINHA FAMILIA.

Sugiro que NÃO COMPREM VEICULOS FIAT, É JOGAR DADOS COM A SORTE. se o carro sair bem, ok, senão, vc ESTARÁ NO PREJUIZO (FATO).

 

Regras bacanas do Mod_Security 2 (apache 2)

Standard

Olá ALL,

Uma coisa comum para combater uso indevido de cgi é impedir o uso de cgi (perl) em um servidor de hospedagem de sites compartilhada, mas nem sempre dá para impedir o uso.
Então uma das formas de contornar o uso indevido é aplicar regras do mod_security do apache afim de que possamos filtrar o máximo de requisições e ainda por cima ganhar com segurança.
Antemão quero salientar que uma das pragas mais comuns da web é o DM.CGI, esse carinha faz um estrago grandinho com spam, podendo levar um servidor para as mais conceituadas rbls. Como resolver?

No WHM, como root, siga para o último menu (PLUGINS) e procure pelo Mod Security.
CLique nele, dentro dele clique em Edit Configuration.
Dentro dela adicione as seguintes linhas:

SecRule REQUEST_URI “dm.cgi”
SecRule REQUEST_URI “dark.cgi”
SecRule REQUEST_URI “udp.pl”
SecRule REQUEST_BODY|REQUEST_URI “\.cgi\?m\=state”
SecRule REQUEST_BODY|REQUEST_URI “cgi\?m\=snd”
SecRule REQUEST_BODY|REQUEST_URI “cgi\?m\=icfg”
SecRule REQUEST_BODY|REQUEST_URI “\.pl\?m\=state”
SecRule REQUEST_BODY|REQUEST_URI “pl\?m\=snd”
SecRule REQUEST_BODY|REQUEST_URI “pl\?m\=icfg”

Isto irá salvar sua pele!

fonte: http://www.forumcpanel.com.br/index.php?showtopic=8608&hl=secrule

Quem é mais rápido: O mv ou cp para manipular um arquivo de um lugar para outro?

Standard

Um dia esta dúvida pode ir a sua cabeça, por isso, nada de pânico, a resposta é simples e direta:

Para mover arquivos de um lugar para outro o MV é mais rápido que o CP pois o CP recria a estrutura de inode para o arquivo, o mv renomeia o tte desta estrutura, então, concluímos que o mv é mais rápido.

Anti-Vírus Grátis: Proteja seu computador sem por a mão no bolso!

Standard

Estes dias estive pensando em bolar um post como este, indicando ferramentas de anti-vírus grátis que eu usei e aprovei em muitos aspectos. Abaixo vou dar algumas dicas e links de downloads, mas vale a pena utilizar algumas das ferramentas. E mais uma coisa, se você também é um nerd e sabe que há outra ferramenta grátis, não deixe de nos avisar para que possamos testar e indicar também, e claro, deixar claro no blog que foi você quem nos reportou.

Anti-vírus e etc (malwares, bots…)

Spyware Terminator

Esta é uma das iniciativas que mais gostei, pois ele lembra muito o estilo Kaspersky (hoje eu tenho), Monitora processos, monitora tráfego, monitora plugins para o browser, monitora todos os passos do usuário.

Vantagens: Muito eficaz em seu padrão de verdadeiro ou falso, muito completo, com recursos de toolbar para o browser, visando a proteção contra exploits vindos direto da web para explorar vulnerabilidades no Browser.

Desvantagens: É MUITO (ressalto a caixa alta) pesado, sendo às vezes comparado com o antigo Norton (quem lembra?).

link de download -> http://www.spywareterminator.com/pt/download/download.aspx

Spybot

Esse carinha é um show, limpa cookies contaminados, processos maliciosos, processamento utilizado é razoável, grátis e muito fácil de usar. Uma das poucas ferramentas disponíveis que vai além do comum, tanto que se o trojan for auto inicializado e estiver com registros no Windows para se restaurar, spybot solicita reboot para tratar exatamente disto.

Vantagens:
É muito fácil de utilizar e tem resultados impressionantes.

Desvantagens: Muito lento o repositório para updates.

link para download -> http://www.safer-networking.org/pt/download/index.html

ClamWin

Sem dúvidas, esta é uma das iniciativas mais interessantes que vi.
Muito leve, muito estável e grátis. Surgiu da iniciativa Clamav, um respeitado anti-vírus gratuito feito para unix-like.

Vantagens: Talvez o anti-vírus mais leve já criado, ótima detecção.

Desvantagens: A detecção e precisão as vezes é duvidosa, retirando de alguns a confiança, mas para mim funciona muito corretamente.

link para download -> http://downloads.sourceforge.net/clamwin/clamwin-0.94.1-setup.exe

Kaspersky Grátis

A última alternativa é Trial, é mais usada para limpar as coisas quando já não dá mais para tentar, então faça o seguinte:

http://esd.element5.com/demoreg.html?productid=300299803

Esse link serve para cadastro do Kaspersky trial, e eu afirmo, este anti-vírus é Muito bacana, pena que é pesado.

Mas é isto.
Se alguém tem uma sugestão, dê um toque aí!

=]

Como decompilar programas em Delphi – How to Decompiler Delphi application decompilar delphi

Standard

PRESTE ATENÇÃO em TODO o artigo para depois não dizer que o NerdBlog cometeu crime ou que “não souberam passar o macete”.
Irei mostrar a parte “burocrática da coisa” e a parte expert da “coisa”.

O texto abaixo foi tirado do link (logo após a nossa avaliação): http://www.ramosdainformatica.com.br/art_recentes01.php?CDA=45

Questão/Problema:

Aqui vou esclarecer porque não é possível decompilar aplicações desenvolvidas em Delphi. E apresentar as ferramentas existentes que prometem fazer isso.

Resposta:

Sempre encontramos pessoas interessadas em decompilar programas desenvolvidos em Delphi, sempre com desculpas de perda dos Fontes, ou perda de Disco Rígido.

O que é Decompilação? É muito simples, é o inverso de compilação. É a transformação de um Executável, em seu código fonte, no caso do Delphi, formulários e os fontes.

Suponha-se que você desenvolveu um Sistema que levou meses e até anos para estar pronto, derrepente você perde todos os fontes, ficando com apenas o executável. Qual a solução? Utilizar a engenharia reversa (decompilação) para recuperar todo seu trabalho (os fontes).

Uhhmm, então quer dizer que posso decompilar o projeto de outras pessoas? Bem, sim e não…

Então é possível Decompilar um programa?

Não, claro que não. Total decompilação não é possível – não exatamente como ele foi desenvolvido, ou seja, com o fonte original….

Quando um projeto em Delphi é compilado e linkado, para produzir um executável, a maioria dos nomes usados no programa é convertido em endereços. Na decompilação, se você observar em seus fontes originais, com os fontes de um executável decompilado, você irá perceber a troca de nomes em constantes, variáveis e procedures.

Porque e quando usar:

A engenharia reversa, pode ser usada por várias razões, eis algumas:

Ø Recuperação de Código Perdido;
Ø Migração de Aplicações para uma plataforma de Hardware nova;
Ø Determinação de existência de Vírus e/ou código fonte malicioso;
Ø Correção de erros, quando o dono da aplicação não está disponível para fazer a correção;
Ø Recuperação dos fontes de outra pessoa;

Mas é Legal?

Engenharia Reversa NÃO é cracking, embora as vezes é difícil traçar um panorama entre os dois. Programas de computador são protegidos por direitos autorais e leis de marca registrada. Em alguns países são permitidos, como por exemplo a Rússia.

Na Rússia, se você compra um programa, ele é seu, pode-se fazer o que quiser com ele, inclusive aplicar a engenharia reversa. Recentemente um russo, decompilou alguns programas da Macromedia, alterou-os e distribuiu gratuitamente pela Internet, e a Macromedia não pode fazer nada contra isso, pois conforme as Leis da Rússia, o programa, uma vez alterado (não importa o que) passa ser de propriedade do indivíduo que o alterou.

Mas atenção, isso é apenas na Rússia. No Brasil, deve-se tomar bastante cuidado, por isso recomendo consultar um advogado, antes de realizar algum tipo de engenharia reversa, seja ela qual for.

Algumas leis que permitem a engenharia reversa:

Ø Suspeita da existência de Vírus e/ou código fonte malicioso;
Ø Correção de erros, quando o dono da aplicação não está disponível para fazer a correção;

Mas existem outras leis, mas deve ser consultado com especialistas antes de sua execução.

Para escrever este texto, tive que consultar um advogado, o qual me falou que não haveria problemas, uma vez que é somente para estudos, e que os exemplos de decompilação de programas, sejam feitos com um programa por mim desenvolvido.

Por enquanto, os produtos da Inprise, não possui nenhum produto capaz de decompilar um arquivo executável (.exe) ou a “Delphi Compiled Unit” (DCU), volta para o código original (.PAS).

Delphi compiled unit: DCU

Quando um projeto Delphi é compilado, os arquivos .pas são convertidos para .dcu. Armazenando assim, em arquivos binários os fontes do projeto. Ou seja, unit1.dcu é igual a unit1.pas.

Isso significa que se você tem somente os DCU do projeto pode decompilar e obter os fontes do projeto. Errado. O arquivo com formato DCU não é documentado, e muda de versão para versão.

Após a Compilação: Engenharia Reversa no Delphi

Para quem quer tentar decompilar um projeto desenvolvido em Delphi. Eis algumas coisas que deveria saber:

Os programas desenvolvidos em Delphi, tem seus arquivos divididos em dois tipos de formatos: Código ASCII (.pas, .dpr) e arquivos de recursos (resource files) (.res, .rc, .dfm, .dcr).

Os arquivos DFM, contém os detalhes (Propriedades) dos objetos contidos em um formulário. Quando criamos um executável, o Delphi armazena as informações dos Formulários em um arquivo DFM para a geração do EXE.

Todas informações de um componente dos formulários, suas propriedades, localização e até mesmo nome, são armazenados em um arquivo DFM pelo Delphi. (Não os códigos de procedimento de eventos, esses são armazenados em arquivos .pas e .dcu.). Para se obter o arquivo DFM de um executável, é necessário conhecer a fundo como funciona um executável Win32.

Todos os programas compilados pelo Delphi, possuem as seguintes seções: CODE, DATA, BSS, .idata, tls, .rdata, .rsrc. O mais importante ponto de vista de decompilação são os códigos e seções de .rsrc.

Entre muitos recursos que são armazenados em um arquivo executável, o RT_RCDATA segura as informações que estavam armazenadas em arquivos DFM, antes da compilação.

Alguns Decompiladores Existentes no Mercado

A arte da Engenharia Reversa, é uma área para técnicos, acostumados com a linguagem Assembler e Debugers, No entanto há diversas ferramentas que ajudam qualquer pessoa a realizar a engenharia reversa em Delphi.

Se você está interessado em aplicar a engenharia reversa em seus programas, aconselho a dar uma olhada nestes programas de Decompilação para Delphi:

DeDe (www.balbaro.com/dede/index.html )

DeDe é um grande programa de decompilação de programas desenvolvidos em Delphi. Ele analisa todo o executável, e fornece o seguinte:

Ø Todos os DFM, podendo ser alterados pelo Delphi;
Ø Todos os Fontes, .pas, .res, .dfm, etc… Todos comentados com os fontes em Assembler.
Ø Muito bom, se não fosse os arquivos .pas serem em Assembler, às vezes não podendo ser recompilado.

Reverendepro (www.puthoon.com/Revendepro/index.html )

Reverendepro acha quase todas estruturas (classes, types, procedures, etc) no programa e gera a representação de pascal e procedures escritas em Assembler. Devido a algumas limitações do Assembler, às vezes pode não ser recompilado. Os códigos fontes deste decompilador é livre. Devido a algumas limitações deste decompilador eu não pude explorar ele mais a fundo.

MRIP ( www.delphi32.com/vcl/4549/ )

Este programa procura e extraí arquivos de outros arquivos. MRIP pode pegar mais de 100 formatos de arquivos. O mais importante para nós é que o MRIP pode decompilar qualquer executável Delphi. Esta ferramenta pode extrair todos os recursos de uma aplicação Delphi: Cursores, Ícones que o DFM arquiva, arquivos .pas e outros. Nos arquivos PAS não contém os procedimentos de eventos. MRPI é uma aplicação DOS.

DfmExplorer (www.instinct.org/fravia/aitodelp.htm )

Isso é o que o DfmExplorer faz (Inclui os Fontes): Ele procura e separa todos os arquivos DFM do executável.

Exe2Dpr (www.instinct.org/fravia/aitodelp.htm )

Este programa é talvez o mais utilizado na decompilação de aplicações Delphi, mas ele só pega o DPR de um Executável.

CONCLUSÃO

A engenharia reversa (decompilação), é possível no Delphi? Sim, mas não 100%.

Então vamos acabar agora com este mito de decompilação de executáveis Delphi. Mas aconselho a você explorar todas as ferramentas aqui citadas, como uma forma de aprendizagem e curiosidade, e fazendo com que você mesmo, tire as suas próprias conclusões.

É isso aí, espero ter esclarecido este tabu, que sempre acompanha milhares de programadores.
++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++

Agora entra a parte maliciosa da coisa (aonde o NerdBlog entra).

Já que entendemos como funciona a legislação brasileira sobre decompilação nós agora podemos tentar “salvar o mundo”… rsrsrs.

Primeiro passo
Ache o programa Certo!
Isto mesmo, testei a sistemática da situação e só obtive bons resultados com a seguinte ferramenta:

– reshacker em: http://angusj.com/resourcehacker/

O que ela me “rendeu” e como fiz?
Primeiro tive que decompilar a aplicação delphi que é o sistema da empresa, no caso, aquele EXE do tamanho do mundo.
Abrindo o reshacker a sua única dificuldade será  apontar a origem e o destino da decompilação.
Feito isto, quando o processo começar será gerado todo o fonte (inclusive arquivos de imagem bmp, por exemplo, tais arquivos retornam também).
Terminada a decompilação você terá em mãos o fonte.
Abra o projeto com o delphi e tente compilar (para localizar algum erro), caso consiga sucesso, parabéns, agora você tem o fonte do sistema, caso contrário o que você terá de problemas são os componentes ou erro de caracters (sendo muito fácil a correção, para este caso).

Acabou tudo, isto quer dizer que não posso mais concluir o meu projeto de decompilação delphi com sucesso?
NADA DISSO, faça como o carinha do site (aquele tosco de camisa do hacker),  o que você vai fazer é -> Buscar os componentes que “podem” ser os que você precisa.
O podem entre aspas duplas significa que nem sempre você vai encontrar todos os componentes necessários, até por que algumas pessoas vendem componentes feitos sob demanda de um cliente importante, em outras palavras, algo customizado, então trate de preparar seu cliente torrent e seu emule + limewire para pegar fogo com suas pesquisar e mandar ver. Antes iremos fazer uma busca básica nos sites:

http://inf.unisul.br/~osmarjr/delphi/componentes.htm
http://www.webmundi.com/delphi/dfuncaoc.asp?SubTipo=Visuais

Pronto, dependendo de sua aplicação a agonia acabará aí, mas a minha foi além… rsrsrs… mas houve triunfo.

De posse disto, instale os componentes no delphi e veja a necessidade que as units estão declarando e etc, em outras palavras, veja se lhe faltará algo mais e BINGO!