mount error(): Host is down

Standard

Hi, if you try mount samba (CIFS) on console:

sudo mount -a

mount: mount error(): Host is down (or similar error)
Dont worry :), enter in FSTAB and fix to version 1:

//IP/sharefolder /mnt/destination cifs username=windowslogin,password=passthislogin,iocharset=utf8,vers=1.0,sec=ntlm  0  0

vers=1.0 has added after error.

Change /etc/fstab (this trick) run:
sudo mount -a
ORRRRR
mount -a (like a root)

MySQL server has gone away

Standard

Seu mysql anda estranho quando você está tentando fazer upload de um arquivo enorme via console (na verdade o restore, ou seja, mysql -u usuario -p nomedobdprarestaurar < arquivo.sql)???

Bem, se a mensagem de erro for esta -> MySQL server has gone away NÃO precisa entrar em pânico, só existem 2 coisas que são feitas e sanam tranquilamente o erro:

1 – entre no /etc/my.cnf (ou arquivo de configuração do mysql) e informe set-variable = max_connections=1500

Isto vai liberar para 1500 conexões concorrentes no mysql.

2 – Se o erro persistir, no mesmo arquivo informe:

max_allowed_packet = 5000000000

Você estará liberando uploads/restore/dumps de 1gb de tamanho.

Depois disso, reinicie o mysql (normalmente service mysql restart) e corra para o abraço.

 

Ah, se quiser ver qual valor ficou setado (só para conferir depois do restart use):

mysql> SHOW VARIABLES LIKE ‘max_allowed_packet’;

WHM sumiu com meus ips adicionados anteriormente e ao tentar adicionar novamente aparece a mensagem is already…

Standard

Calma, sem problemas.
Se conseguir entre como root e rode o seguinte comando:

 

/etc/rc.d/init.d/ipaliases restart

Depois veja no whm se os ips voltaram, caso ainda assim não tenha retornado rode
chkconfig --list ipaliases

Verifique também (caso os comando acima não sanem seu problema) os arquivos:

/etc/ips e /etc/ipaddrpool

Abraços.

 

FIAT + FIORI – UMA PARCERIA DE BABACAS FOREVER ALONE

Standard

A concessionária Fiori, revendedora da linha Fiat em João Pessoa, comercializou em dezembro de 2011 um veículo ‘Novo Palio’, modelo 2012, de placas OFB-7139-PB, com falhas ao cliente José Fernando Santos de Carvalho.

De acordo com o comprador, dois dias após a aquisição do veículo, começaram os intermináveis problemas. Inicialmente, o veículo não deu partida, ou seja, quando a chave de ignição era acionada, o painel não acendia e o carro não ligava o motor.

Indignação
“Procurei a Fiori para solucionar o problema e ‘eles’ (Fiori) não detectaram nenhuma anomalia, informando que o carro estava em perfeitas condições de uso. No entanto, o problema persistiu e eu retornei diversas vezes na concessionária para relatar a mesma anomalia, além de outros tantos, como um alarme de velocidade excedida sem que o veículo estivesse em tal condição. Houve travamento de porta-malas, ponteiro pulando, computador de bordo todo sem regulagem, entre outros problemas”, disse José Fernando.

Medo
O consumidor prejudicado teme pela sua vida e da sua família. Ele revelou que por conta de sua vida profissional, necessita  viajar constantemente. “Eu não posso nem me arriscar, pois não confio mais no Palio que adquiri na Fiori. Vou procurar meus direitos e tenho fé que tudo será resolvido”, desabafou José Fernando.

O outro lado

A reportagem do Paraíba Já entrou em contato com a Fiori, pelo 3208-1512, porém, a ligação passou por diversos ramais e acabou sendo desligada.

Paraíba Já

 

 

=============

 

http://paraibaja.com.br/?p=noticia_int&id=19509

 

Defeito de fábrica em Novo Palio 2012 e o descaso da FIAT

Nos ultimos 3 meses e meio, tenho retornado à Concessionária Fiat varias vezes. O fato é que comprei um carro(NOVO PALIO 2012) com anomalias, que eles nao conseguem resolver. Eles alegam: “O carro está em perfeitas condicoes de uso”.

Pasmem, ja experimentei porta-malas eletrico travado(no dia que ia viajar para ser padrinho de casamento), computador de bordo informando problemas no motor, dificuldades pra ligar o carro, ponteiro do velocimetro “PULANDO”, cortes na ingestão de combustível enquanto em movimento, controle das portas não respondendo e outras falhas na entrega do produto(direção desalinhada, risco no painel, peças alteradas).

Eu ja não aguento mais relatar o problema a empresa ou ficar vários dias à pés, por deixar o carro na Concessionária. Passo por diversos transtornos e incovenientes.

Tenho um filho de 1 ano. Todo pai sabe que “é lei”, chegar em casa e dar uma voltar na rua com o bebe pra ele nao chorar.Ficar se o unico carro da familia é MUITO PROBLEMATICO.

Faço viagems constantes à refice-PE, devido ao meu mestrado na UFPE e tenho MEDO DA INTEGRIDADE FISICA DA MINHA FAMILIA.

Sugiro que NÃO COMPREM VEICULOS FIAT, É JOGAR DADOS COM A SORTE. se o carro sair bem, ok, senão, vc ESTARÁ NO PREJUIZO (FATO).

 

Como fazer QoS de banda (controle de banda) no Ubuntu Server, Debian, Fedora, Centos, RedHat e etc

Standard

Vamos perceber o seguinte.
Esse how to serve para TODAS as distribuições que rodam como um gateway de internet, sendo somente um caso de particularidade a questão de paths de configurações, como por exemplo, para instalar o CBQ no ubuntu basta usar apt-get install shaper -y.
Isto instalará ele e basta você localizar o path aonde o script shaper está (/etc/init.d/shaper) e seus respectivos confs (/etc/shaper).
No caso das outras distribuições (red hat based -> Centos, Fedora e Red Hat) podemos ver que seu path fica em /etc/sysconfig/cbq. No caso de red hat já existe um arquivo de exemplo que serve para mostrar como as coisas são configuradas no padrão, seu nome é cbq-0000.example e existe outro mas é um caso de utilização do próprio CBQ, o avpkt.
Neste caso iremos criar tudo na mão.
Antes de por a mão na massa temos de entender algumas regras PRIMÁRIAS do CBQ.
Abaixo seguem as mesmas:

O nome dos arquivos de download

cbq-0002-download.in

Todos os arquivos de download devem obedecer a algumas regras na hora de serem nomeados. A primeira delas é que todos os arquivos de download devem começar com cbq-

cbq-0002-download.in

A numeração sempre deve começar a partir do 0002;

cbq-0002-download.in

Todos os arquivos devem terminar com .in

cbq-0002-download.in

O conteúdo dos arquivos de download

DEVICE=eth1,10Mbit,1Mbit
RATE=64Kbit
WEIGHT=6Kbit
PRIO=5
RULE=10.0.0.2
BOUNDED=yes
ISOLATED=yes

DEVICE=eth1,10Mbit,1Mbit – Esta linha contém a interface que sai para os clientes da rede.
RATE=64Kbit – Quantidade de banda destinada ao cliente. Aqui coloca-se qualquer valor que se deseje separar para o IP do cliente.
WEIGHT=6Kbit – Taxa máxima de download que o cliente pode alcançar (com pequenas variações para mais ou para menos).
PRIO=5 – Prioridade com que o IP do cliente deve ser vigiado. O normal é deixar 5.
RULE=10.0.0.2 – IP do cliente a ser vigiado.
BOUNDED=yes – Se setado para yes o usuário estará limitado mesmo que o link esteja com folga.
ISOLATED=yes – Se setado para yes indica que o cliente não poderá emprestar banda pra ninguem.

Arquivos de upload
O nome dos arquivos de upload

cbq-0002-upload.out

Todos os arquivos de upload devem obedecer a algumas regras na hora de serem nomeados. A primeira delas é que todos os arquivos de upload devem começar com cbq-

cbq-0002-upload.out

A numeração sempre deve começar a partir do 0002;

cbq-0002-upload.out

Todos os arquivos devem terminar com .out

cbq-0002-upload.out

O conteúdo dos arquivos de upload

DEVICE=eth1,10Mbit,1Mbit
RATE=64Kbit
WEIGHT=6Kbit
PRIO=5
RULE=10.0.0.2,
BOUNDED=yes
ISOLATED=yes

DEVICE=eth1,10Mbit,1Mbit – Esta linha contém a interface que sai para os clientes da rede.
RATE=64Kbit – Quantidade de banda destinada ao cliente. Aqui coloca-se qualquer valor que se deseje separar para o IP do cliente.
WEIGHT=6Kbit – Taxa máxima de download que o cliente pode alcançar (com pequenas variações para mais ou para menos).
PRIO=5 – Prioridade com que o IP do cliente deve ser vigiado. O normal é deixar 5.
RULE=10.0.0.2, – IP do cliente a ser vigiado. Observe que no arquivo de upload, o IP termina com uma vírgula (,).
BOUNDED=yes – Se setado para yes o usuário estará limitado mesmo que o link esteja com folga.
ISOLATED=yes – Se setado para yes indica que o cliente não poderá emprestar banda pra ninguem.

Iniciando o CBQ

Depois de criadas todas as regras, é preciso compilá-las, com o comando (isto em fedora, redhat e centos):

root@appunixlabs~# cbq compile

No caso do Debian, Ubuntu, Mint e similares:

root@appunixlabs~# /etc/init.d/shaper compile

Basta, depois da compilação, iniciar o CBQ com o comando (isto em fedora, redhat e centos):

root@appunixlabs~# cbq start

No caso do Debian, Ubuntu, Mint e similares:

root@appunixlabs~# /etc/init.d/shaper start

Ou se desejar pará-lo (isto em fedora, redhat e centos):

root@appunixlabs~# cbq stop

No caso do Debian, Ubuntu, Mint e similares:

root@appunixlabs~# /etc/init.d/shaper stop

CBQ na inicialização

Adicione o comando cbq start ao rc.local para que carregue sozinho no ato do boot
(isto em fedora, redhat e centos):

root@appunixlabs~# echo "cbq start" >> /etc/rc.local

No caso do Debian, Ubuntu, Mint e similares:

root@appunixlabs~# echo "/etc/init.d/shaper start" >> /etc/rc.local

Fontes:

http://www.ubuntu.com/ubuntu (ubuntu)
http://www.debian.org/ (debian)
http://centos.org/ (centos)
http://www.projetofedora.org/ (fedora)
http://sourceforge.net/projects/cbqinit/ (cbq)
http://migre.me/5gcMr (cbq sob fedora)

Subversion alert on Fedora

Standard

Fedora alert FEDORA-2011-8352 (subversion)

From: updates@fedoraproject.org
To: package-announce@lists.fedoraproject.org
Subject: [SECURITY] Fedora 15 Update: subversion-1.6.17-1.fc15
Date: Fri, 24 Jun 2011 03:49:12 +0000
Message-ID: <20110624034912.933C61101D2@bastion02.phx2.fedoraproject.org>
-------------------------------------------------------------------------------- Fedora Update Notification FEDORA-2011-8352 2011-06-15 17:46:08 -------------------------------------------------------------------------------- Name : subversion Product : Fedora 15 Version : 1.6.17 Release : 1.fc15 URL : http://subversion.apache.org/ Summary : A Modern Concurrent Version Control System Description : Subversion is a concurrent version control system which enables one or more users to collaborate in developing and maintaining a hierarchy of files and directories while keeping a history of all changes. Subversion only stores the differences between versions, instead of every complete file. Subversion is intended to be a compelling replacement for CVS. -------------------------------------------------------------------------------- Update Information: This update includes the latest release of Subversion, fixing three security issues: An infinite loop flaw was found in the way the mod_dav_svn module processed certain data sets. If the SVNPathAuthz directive was set to "short_circuit", and path-based access control for files and directories was enabled, a malicious, remote user could use this flaw to cause the httpd process serving the request to consume an excessive amount of system memory. (CVE-2011-1783) A NULL pointer dereference flaw was found in the way the mod_dav_svn module processed requests submitted against the URL of a baselined resource. A malicious, remote user could use this flaw to cause the httpd process serving the request to crash. (CVE-2011-1752) An information disclosure flaw was found in the way the mod_dav_svn module processed certain URLs when path-based access control for files and directories was enabled. A malicious, remote user could possibly use this flaw to access certain files in a repository that would otherwise not be accessible to them. Note: This vulnerability cannot be triggered if the SVNPathAuthz directive is set to "short_circuit". (CVE-2011-1921) The Fedora Project would like to thank the Apache Subversion project for reporting these issues. Upstream acknowledges Joe Schaefer of the Apache Software Foundation as the original reporter of CVE-2011-1752; Ivan Zhakov of VisualSVN as the original reporter of CVE-2011-1783; and Kamesh Jayachandran of CollabNet, Inc. as the original reporter of CVE-2011-1921. The following bugs are also fixed in this release: * make 'blame -g' more efficient on with large mergeinfo * preserve log message with a non-zero editor exit * fix FSFS cache performance on 64-bit platforms * make svn cleanup tolerate obstructed directories * fix deadlock in multithreaded servers serving FSFS repositories * detect very occasional corruption and abort commit * fixed: file externals cause non-inheritable mergeinfo * fixed: file externals cause mixed-revision working copies * fixed: write-through proxy could direcly commit to slave * detect a particular corruption condition in FSFS * improve error message when clients refer to unkown revisions * bugfixes and optimizations to the DAV mirroring code * fixed: locked and deleted file causes tree conflict * fixed: update touches locked file with svn:keywords property * fix svnsync handling of directory copyfrom * fix 'log -g' excessive duplicate output * fix svnsync copyfrom handling bug with BDB * server-side validation of svn:mergeinfo syntax during commit -------------------------------------------------------------------------------- ChangeLog: * Thu Jun 2 2011 Joe Orton <jorton@redhat.com> - 1.6.17-1 - update to 1.6.17 (#709952) -------------------------------------------------------------------------------- References: [ 1 ] Bug #709952 - CVE-2011-1752 CVE-2011-1783 CVE-2011-1921 subversion various flaws [fedora-all] https://bugzilla.redhat.com/show_bug.cgi?id=709952 -------------------------------------------------------------------------------- This update can be installed with the "yum" update program. Use su -c 'yum update subversion' at the command line. For more information, refer to "Managing Software with yum", available at http://docs.fedoraproject.org/yum/. All packages are signed with the Fedora Project GPG key. More details on the GPG keys used by the Fedora Project can be found at https://fedoraproject.org/keys -------------------------------------------------------------------------------- _______________________________________________ package-announce mailing list package-announce@lists.fedoraproject.org https://admin.fedoraproject.org/mailman/listinfo/package-... Fonte: http://lwn.net/Articles/449148/

Fedora 13 chegando ao fim da linha

Standard

É, meu amigo, quem não pode afirmar que o Fedora 13 foi maravilhoso? E se você acha que tudo que é bom dura para sempre está enganado, nem tudo, e uma dessas coisas chama-se FEDORA! O Fedora linux só tem um problema: Ciclo de suporte pequeno (18 meses de vida) faz com que esta distribuição não seja em hipótese alguma usada para servidores em produção. Entretanto, ter essa curta vida trás ao Fedora uma visão tão futurista que a torna uma das melhores escolhas de distribuição para desktops/notebooks/netbooks Linux.

Para contornar o problema que virá no dia 24 de junho de 2011, basta seguir os passos do safe upgrade: http://fedoraproject.org/wiki/DistributionUpgrades

A nota veio em um lembrete no maillist do Fedora. Veja a nota oficial:
From: Kevin Fenzi
To: announce-AT-lists.fedoraproject.org, devel-announce-AT-lists.fedoraproject.org
Subject: Reminder: Fedora 13 end of life on 2011-06-24
Date: Sun, 12 Jun 2011 08:01:24 -0600
Message-ID: <20110612080124.50f31010@ohm.scrye.com>
Archive-link: Article, Thread

Greetings.

This is a reminder email about the end of life process for Fedora 13.

Fedora 13 will reach end of life on 2011-06-24, and no further updates
will be pushed out after that time. Additionally, with the recent
release of Fedora 15, no new packages will be added to the Fedora 13
collection.

Please see http://fedoraproject.org/wiki/DistributionUpgrades for more
information on upgrading from Fedora 13 to a newer release.

kevin

announce mailing list
announce@lists.fedoraproject.org
https://admin.fedoraproject.org/mailman/listinfo/announce

Atualize seu Fedora e seja feliz.

Como instalar Adobe Air (latest) 2.5.x no seu Fedora 14 (64 bits) x86_64 e tweetdeck

Standard

Olá pessoALL,

Há muito tempo estive a procura de instalar o adobe air e TweetDeck junto ao meu Fedora 14 (x86_64) 64 bits.

Serei bastante breve no que tange a instruções, que na verdade vou postar o que tive de fazer para colocar o sistema para funcionar, abaixo seguem a lista de todos os comandos que usei, entratanto no fim entendi que o erro resumia-se na condição de instalar toda arquitetura de pacotes 32 bits para poder operar o adobeair de maneira eficaz, assim como poder instalar o TweetDeck.

Primero logue-se como root, siga os comandos:

Como instalar o adobe air no fedora 14.

Primeiros comandos:

$ sudo yum install ld-linux.so.2
$ sudo yum install gtk2-devel.i586
$ sudo yum install libdbus-glib-1.so.2
$ sudo yum install libhal.so.1
$ sudo yum install rpm-devel.i586
$ sudo yum install libXt.so.6
$ sudo yum install gnome-keyring-devel.i586
$ sudo yum install libDCOP.so.4

$ sudo yum install libxml2-devel.i586
$ sudo yum install nss-devel.i586
[root@developer Downloads]# rpm -Uhv http://download.fedora.redhat.com/pub/fedora/linux/releases/14/Everything/source/SRPMS/libXcomposite-0.4.2-1.fc14.src.rpm
Obtendo http://download.fedora.redhat.com/pub/fedora/linux/releases/14/Everything/source/SRPMS/libXcomposite-0.4.2-1.fc14.src.rpm
1:libXcomposite ########################################### [100%]
[root@developer Downloads]# rpm -Uhv http://download.fedora.redhat.com/pub/fedora/linux/releases/14/Everything/source/SRPMS/libatk1.0.so.0^C
[root@developer Downloads]# rpm -Uhv http://rpm.pbone.net/index.php3/stat/3/srodzaj/2/search/libatk1.0_0-1.9.0-0.2.mdk10.1.thac.ia64.rpm^C
[root@developer Downloads]# rpm -Uhv http://hany.sk/mirror/fedora/releases/14/Everything/source/SRPMS/atk-1.30.0-5.fc14.src.rpm
Obtendo http://hany.sk/mirror/fedora/releases/14/Everything/source/SRPMS/atk-1.30.0-5.fc14.src.rpm
1:atk ########################################### [100%]
[root@developer Downloads]# rpm -Uhv http://hany.sk/mirror/fedora/releases/13/Everything/source/SRPMS/gtk2-2.20.1-1.fc13.src.rpm
Obtendo http://hany.sk/mirror/fedora/releases/13/Everything/source/SRPMS/gtk2-2.20.1-1.fc13.src.rpm

[developer@developer Downloads]$ rpm -Uhv gtk2-2.22.0-1.fc14.1.src.rpm
1:gtk2 ########################################### [100%]
[developer@developer Downloads]$

[root@developer Downloads]# rpm -Uhv http://download.fedora.redhat.com/pub/fedora/linux/releases/14/Everything/source/SRPMS/libXcomposite-0.4.2-1.fc14.src.rpm
Obtendo http://download.fedora.redhat.com/pub/fedora/linux/releases/14/Everything/source/SRPMS/libXcomposite-0.4.2-1.fc14.src.rpm
1:libXcomposite ########################################### [100%]
[root@developer Downloads]# rpm -Uhv http://download.fedora.redhat.com/pub/fedora/linux/releases/14/Everything/source/SRPMS/libatk1.0.so.0^C
[root@developer Downloads]# rpm -Uhv http://rpm.pbone.net/index.php3/stat/3/srodzaj/2/search/libatk1.0_0-1.9.0-0.2.mdk10.1.thac.ia64.rpm
Obtendo http://rpm.pbone.net/index.php3/stat/3/srodzaj/2/search/libatk1.0_0-1.9.0-0.2.mdk10.1.thac.ia64.rpm
erro: /var/tmp/rpm-tmp.v9dm3k: não é um pacote rpm (ou um manifesto de pacote):
[root@developer Downloads]# rpm -Uhv http://rpm.pbone.net/index.php3/stat/3/srodzaj/2/search/libatk1.0_0-1.9.0-0.2.mdk10.1.thac.ia64.rpm^C
[root@developer Downloads]# rpm -Uhv http://hany.sk/mirror/fedora/releases/14/Everything/source/SRPMS/atk-1.30.0-5.fc14.src.rpm
Obtendo http://hany.sk/mirror/fedora/releases/14/Everything/source/SRPMS/atk-1.30.0-5.fc14.src.rpm
1:atk ########################################### [100%]
[root@developer Downloads]# rpm -Uhv http://hany.sk/mirror/fedora/releases/14/Everything/source/SRPMS/gtk2-2.22.0-1.fc14.1.src.rpm
Obtendo http://hany.sk/mirror/fedora/releases/14/Everything/source/SRPMS/gtk2-2.22.0-1.fc14.1.src.rpm
1:gtk2 ########################################### [100%]
[root@developer Downloads]#

yum install libxml -y
yum install libstdc++.so.5 -y

[root@developer Downloads]# yum install gtk2.i686 -y

yum install libcanberra-gtk2.i686 PackageKit-gtk-module.i686 -y

yum install libxslt libxslt-devel mingw32-libxslt-static.noarch libxslt-debuginfo.x86_64 perl-XML-LibXSLT.x86_64 -y

yum install gtk-murrine-engine.x86_64 gtk-murrine-engine-debuginfo.x86_64 gtk-nodoka-engine.x86_64 -y

rpm -ivh adobeair.i386.rpm –ignorearch

yum install ld-linux.so.2 gtk2-devel.i686 libdbus-glib-1.so.2
libhal.so.1 rpm-devel.i686 libXt.so.6 gnome-keyring-devel.i686
libDCOP.so.4 libxml2-devel.i686 nss-devel.i686 libxslt.i686 xterm -y

—-

Percebam que o ponto chave está abaixo, se instalasse os pacotes abaixo como sendo nomedopacote.x86_64 o Fedora iria instalar sem problemas, mas só rodaria se instalasse como i686    :^(

yum install libgnome-keyring.i686 gnome-keyring-pam.i686 gnome-keyring.i686 gnome-keyring-devel.i686 gnome-keyring-sharp.i686 gnome-keyring-debuginfo.i686 gnome-keyring-sharp-devel.i686 gsql.i686 -y

Depois acesse o site da Adobe e baixe o binário de instalação do Adobe Air no site da Adobe, como root dê um ./nome_do_binário.bin, a foto abaixo mostra a execução (ela foi tirada antes do último comando YUM acima que fizemos, por isso requeria as dependências posteriormente instaladas, não se PREOCUPE com o erro da foto, as dependências do último comando YUM sanarão tudinho para você):

Depois disto acesse o site do TweetDeck e instale-o.

Veja a foto da instalação sem problemas (assim que o adobe air estiver instalado, depois de todos os comandos YUM citados rode o instalador do tweetdeck no site, o sistema irá pedir autorização de root para ativar o tweetdeck no container adobe air):

A prova segue abaixo 😛

Fedora 14: como instalar o PidGin de maneira fácil

Standard

Nem considero um artigo, mas uma espécie de “comandos do dia”. Se você é um usuário semelhante a mim, gosta muito do pidgin e sentiu falta do danado em seu Fedora 14, no problem, basta fazer o seguinte:

1 – clique em Aplicativos, depois clique em Sistema e por fim escolha TERMINAL.

2 – digite su – para que você solicite permissão de root com todos os recursos globais de root.

3 – digite yum install pidgin -y

Feito isto o próprio YUM (gestor de pacotes muito eficaz e automatizado do Fedora/Centos/Rhel — Red Hat Based) fará todo o trabalho sujo para nós :P.

Depois disto é só alegria.

O pidgin estará no menu:

Iniciar –> Internet –> “Mensageiro de Internet Pidgin”.

Fedora 14: Fazendo um Desktop perfeito com EasyLife :)

Standard

Todos sabemos que uma das coisas mais chatas que podemos viver é ter de instalar um sistema operacional e depois de instalado (como se não fosse pouco ter de se virar para achar softwares que trabalhem corretamente com os periféricos [ falo de drivers/módulos ] ) e ainda ter de colocar coisas que gostamos (codecs, plugins de navegadores e coisas do tipo).

Neste instante estou usando o Fedora 14 (x86_64), em outras palavras, um Fedora 64 bits. Posso afirmar que o desempenho do mesmo é muito bom quando se trata de uma arquitetura realmente 64 bits (como é o caso do hardware que estou usando).

A dica aqui resume-se na condição de qualquer versão, desde que você queira coisas como skype, fontes agradáveis e coisas do tipo em um ambiente Gnome, vale a pena conferir.
Há muito tempo um pessoal muito dedicado e afiadíssimo no Fedora Linux trabalha otimizando e automatizando a forma com que usuários do Fedora, de maneira “easy-to-use” possa adicionar plugins e coisas complicadas com meros clicks.

O site do projeto é este aqui:

http://easylifeproject.org/

Se possível faça uma doação, pois “o negócio funciona”.

Antes que você prossiga quero confirmar as coisas mais bacanas e funcionais que o Easylife faz para você:

1 – coloca fontes super agradáveis para leitura e usabilidade do sistema operacional em seu ambiente Gnome,

2 – coloca uma skin (tema) muito suave e agradável de se trabalhar,

3 – ativa recursos como Google Desktop, Skype, Codecs de som (sim, nem pense que ouvir mp3 é tão simples assim),

4 – ativa recursos como Jre 6 (java runtime).

Isto em cima é um resumo muito básico, o qual, cada coisa importante pode ser selecionada a dedo e o “trabalho sujo” é feito pelos scripts do easylife que, para variar estão super estruturados e estáveis.

Veja que, ao clicar em Download fomos automaticamente redirecionados para o SourceForge. Pode baixar tranquilamente o arquivo e executá-lo assim que o download for completo.

Assim que terminar, após começar a execução a tela será semelhante a minha:

Depois da escolha dos itens (recomendo marcar tudo, exceto os 2 jre do final, só deve-se marcar 1 de acordo com a arquitetura do seu sistema operacional. Se for x86_64/64 bits escolha 64, se for i386/32 bits escolha 32bits).
A média de arquivos que vão ser baixados do repositório gira em torno de 500 megas (mais um pouco, é claro).

Espere terminar tudo, no final seu sistema estará bem completo.

Das coisas que ressalto para que você possa confiar no Easylife posso dar prioridade a:

1 – ouvir diversos formatos de música,

2 – ouvir muitos formatos de vídeo,

3 – customização clean e rápida do desktop (mudança de fonts, ícones, barras de janelas),

4 – suporte a nvidia [drivers muito bons],

5 – skype e recursos Google.

Terminando todo o download  e instalação você verá como a vida fica bem mais easy em cima do Fedora 14 Linux com Easylife.

Parabéns a equipe do Easylife. (versão testada no Fedora 14 pela equipe AppUnix).

Ispconfig 2: how to create a park domain – como deixar um domínio acessar o conteúdo do outro como park no ispconfig

Standard

Uma das coisas mais interessantes no IspConfig é sua capacidade de permitir customizações em tudo que você possa imaginar. Aproveitando esta “boquinha” vamos fazer algo diferente.
Parkear domínios no Parallels Plesk e no Whm/CPanel é coisa fácil, pois tudo é automatizado, mas isto não quer dizer que o bom e velho vim (ou qualquer OUTRO EDITOR) não entre em ação.

Para isto, precisamos logar-nos como root no servidor aonde iremos parkear domínios, e devemos (antes de mais nada) fazer backup do arquivo de configuração do apache, sendo assim use o comando:

cp -rp /etc/httpd/conf/httpd.conf /root/httpd.conf.OLD


Temos então um arquivo garantido para que, em qualquer eventualidade sirva para consulta ou possivelmente correção do arquivo mais recente.

Entremos no arquivo de configuração:

vim /etc/httpd/conf/httpd.conf

Vá para o final do arquivo e localize exatamente este trecho:


Options ExecCGI -Indexes
AllowOverride None
AllowOverride Indexes AuthConfig Limit FileInfo
Order allow,deny
Allow from all

Deny from all

Feito isto, o que devemos fazer é simples.
Sabendo-se que o ISPConfig lê um outro arquivo com os vhosts dos usuários web, devemos antecipar nossa configuração de maneira que a linha do ispconfig fique abaixo do nosso vhost.

Acima da linha com a informação:

Include /etc/httpd/conf/vhosts/Vhosts_ispconfig.conf

Devemos fazer algo assim:

ServerName www.nomedodominioparkeado.com:80
ServerAdmin webmaster@dominiodestino.com.br
DocumentRoot /var/www/web100/web
ServerAlias dominiodestino.com.br
DirectoryIndex index.html index.htm index.php index.php5 index.php4 index.php3 index.shtml index.cgi index.pl index.jsp Default.htm default.htm
Alias /cgi-bin/ /var/www/web100/cgi-bin/
AddHandler cgi-script .cgi
AddHandler cgi-script .pl
ErrorLog /var/www/web100/log/error.log
AddType application/x-httpd-php .php .php3 .php4 .php5
php_admin_flag safe_mode On
AddType text/html .shtml
AddOutputFilter INCLUDES .shtml
Alias /stats “/var/www/web100/web/webalizer”
Alias /error/ “/var/www/web100/web/error/”
ErrorDocument 400 /error/invalidSyntax.html
ErrorDocument 401 /error/authorizationRequired.html
ErrorDocument 403 /error/forbidden.html
ErrorDocument 404 /error/fileNotFound.html
ErrorDocument 405 /error/methodNotAllowed.html
ErrorDocument 500 /error/internalServerError.html
ErrorDocument 503 /error/overloaded.html
AliasMatch ^/~([^/]+)(/(.*))? /var/www/web100/user/$1/web/$3
AliasMatch ^/users/([^/]+)(/(.*))? /var/www/web100/user/$1/web/$3

RewriteEngine on
RewriteCond %{REQUEST_METHOD} ^(TRACE|TRACK)
RewriteRule .* – [F]

Perceba que no começo falei XXX.XXX.XXX.XXX, isto refere-se ao ip do seu dedicado (shared ip dos domínios :P)

Por este vhost pegue a coisa em cheio.

A charada está nas linhas:

ServerName www.nomedodominioparkeado.com:80
ServerAdmin webmaster@dominiodestino.com.br
DocumentRoot /var/www/web100/web
ServerAlias dominiodestino.com.br

1 – indica o parkeamento
2 – email do main domain
3 – arquivos web de onde o parkeamento vai ler assim que o internauta acessar a página www.nomedodominioparkeado.com
4 – indica o destino do parkeamento, ou seja, ao acessar www.nomedodominioparkeado.com a pessoa na realidade acessa dominiodestino.com.br, porém tendo no cabeçalho o nome www.nomedodominioparkeado.com (url de entrada no navegador)


OBS: CASO O ARTIGO NÃO EXIBA AS TAGS DO APACHE, POR FAVOR VERIFIQUEM JUNTO AO ARQUIVO /ETC/HTTPD/CONF/HTTPD.CONF.

Abraços e espero ter contribuído com um dia feliz para nós… lol.
bye!

RoundCube não está permitindo excluir mensagens. Pastas Trash, Send e Junk (lixeira, enviados e rascunho) não aparecem

Standard

Se você não consegue ver as pastas do RoundCube “seus problemas SE ACABARAM-SE”.
O bendito, em sua versão stable (quase 100% stable) está com uma linda opção em off (FALSE).

Na pasta …roundcube/config/main.inc.php (se for no ispconfig: /home/admispconfig/ispconfig/web/roundcubemail/config/main.inc.php)
Apresentará este array aqui:

// automatically create the above listed default folders on login
$rcmail_config[‘create_default_folders’] = FALSE;

Salve seu dia assim:

$rcmail_config[‘create_default_folders’] = TRUE;

Pronto 😀

Roundcube fixed!

Mais que uma distribuição: Ubuntu é uma paixão!

Standard

Por estes dias estive trocando idéias com um amigo meu (dooguinha) que também adora Gnu/Linux, sobre qual distribuição usar, visto que estava com Windows XP em meu desktop pessoal e precisava de algo mais enriquecedor em termos de conhecimento (mexer com registro de Windows para remover falhas não é muito proveitoso, rsrsrs).

Resolvi voltar a utilizar-me do Ubuntu.

Antes quero expor alguns problemas que enfrentei antes desta escolha:

1 – Na tentativa de usar o OPENSUSE eu não poderia deixar de comentar da podridão que é em termos de velocidade de update nos repositórios do Opensuse, sem contar o drama que é para achar uma configuração avançada – resumo -> mv opensuse_my_desk /dev/null (apesar da excelente instalação em um hd ide de 320gb, e detecção de maneira louvável com ênfase em hardware),

2 – Na tentativa de usar o Fedora, o que mais me chamou atenção foi o boot todo voltado para arquitetura sata, ou seja, seu boot fica todo duro no /sbin/loader… Quem diria… o foguete ainda nem saiu do forno e já me deixou sem um minuto sequer desejoso em utiliza-lo. Sabe qual foi o fim? mv fedora_my_desk /dev/null,

3 – Na tentativa de usar o CentOS como desktop eu volto no ponto 2 e vivo o mesmo drama… mv centos_my_desk /dev/null.

Confesso que deixei o Ubuntu como sendo a última alternativa. Isto ocorreu devido um teste um pouco frustrado de utilizar-me da 10.04 em meu modesto desktop. Achei lento no uso, porém rápido no boot, e de maneira precipitada não lembrei que os repositórios estavam lotados graças a quantidade de fãs que esta distribuição faz a cada lançamento.

Decidi então subir manualmente o desktop, afim de obter algum “exclarecimento” no quesito velocidade de S.O., optei pela 9.10 subindo para Lucid. Abaixo segue um screen mostrando o primeiro ponto forte do Ubuntu aos meus olhos:


Após update, cheguei na Lucid e modifiquei os botões de janelas para a direita, afinal de contas de livre o mac só tem a escolha de compra do usuário!

Quer apontar os botões para o lado direito? Use:

gconftool-2 --type string --set "/apps/metacity/general/button_layout" "menu:minimize,maximize,close"

E para que isto se aplique a todos os users faça:

sudo gconftool-2 --direct --config-source xml:readwrite:/etc/gconf/gconf.xml.defaults --type string --set "/apps/metacity/general/button_layout" "menu:minimize,maximize,close"

Ambos comandos pedem autorização para rodar, aplique a senha do root e pronto!

Por fim vai um print do meu desktop 😀 (ainda nem terminei minhas customizações, mas gostei das tonalidades).

O dia de testes na penúltima utilização do Ubuntu foi quando criei o tutorial do LAMP2 no Lucid Lynx.

Ah, o problema somente será o espaço para o Slackware 13.1. Estou um pouco triste por que se continuar curtindo meu Ubuntu terminarei abandonando meu slackzinho :(.

Abraços e boa noite ALL!

Regras bacanas do Mod_Security 2 (apache 2)

Standard

Olá ALL,

Uma coisa comum para combater uso indevido de cgi é impedir o uso de cgi (perl) em um servidor de hospedagem de sites compartilhada, mas nem sempre dá para impedir o uso.
Então uma das formas de contornar o uso indevido é aplicar regras do mod_security do apache afim de que possamos filtrar o máximo de requisições e ainda por cima ganhar com segurança.
Antemão quero salientar que uma das pragas mais comuns da web é o DM.CGI, esse carinha faz um estrago grandinho com spam, podendo levar um servidor para as mais conceituadas rbls. Como resolver?

No WHM, como root, siga para o último menu (PLUGINS) e procure pelo Mod Security.
CLique nele, dentro dele clique em Edit Configuration.
Dentro dela adicione as seguintes linhas:

SecRule REQUEST_URI “dm.cgi”
SecRule REQUEST_URI “dark.cgi”
SecRule REQUEST_URI “udp.pl”
SecRule REQUEST_BODY|REQUEST_URI “\.cgi\?m\=state”
SecRule REQUEST_BODY|REQUEST_URI “cgi\?m\=snd”
SecRule REQUEST_BODY|REQUEST_URI “cgi\?m\=icfg”
SecRule REQUEST_BODY|REQUEST_URI “\.pl\?m\=state”
SecRule REQUEST_BODY|REQUEST_URI “pl\?m\=snd”
SecRule REQUEST_BODY|REQUEST_URI “pl\?m\=icfg”

Isto irá salvar sua pele!

fonte: http://www.forumcpanel.com.br/index.php?showtopic=8608&hl=secrule

Lista de funções para desabilitar em um ambiente CPANEL de Hospedagem de Sites compartilhada

Standard


Bem, se você quer mais segurança em um ambiente compartilhado você precisará de ajustar seu php.ini global (/usr/local/lib/php.ini) em seu servidor de hospedagem compartilhada afim de prevenir ataques usando recursos avançados do php.

Como faremos isto?

Procure pela linha disable_functions =

e depois do ‘=’ aplique as seguintes funções:

dl, system, exec, shell_exec, chown, chgrp, escapeshellcmd, putenv, popen, pclose, passthru, proc_open, proc_get_status, proc_nice, proc_close, proc_terminate, posix_ctermid, posix_get_last_error, posix_getcwd, posix_getegid, posix_geteuid, posix_getgid, posix_getgrgid, posix_getgrnam, posix_getgroups, posix_getlogin, posix_getpgid, posix_getpgrp, posix_getpid, posix_getppid, posix_getpwnam, posix_getpwuid, posix_getrlimit, posix_getsid, posix_getuid, posix_isatty, posix_kill, posix_mkfifo, posix_setegid, posix_seteuid, posix_setgid, posix_setpgid, posix_setsid, posix_setuid, posix_strerror, posix_times, posix_ttyname, posix_uname

Talvez você precisará do shell_exec para o caso do Fantástico Deluxe.
Avalie se vale a pena deixar esta função ativa e prossiga 😀

post_max_size uma informação a mais na hora de aumentar o UPLOAD no php.ini

Standard


Olá ALL,
As vezes erramos quando somente aumentamos diretivas do PHP visando upload, tais como:

max_execution_time,
upload_max_filesize,
e até mempory_limit.

Elas até que estão corretas, assim como max_execution_time, só que os forms que enviam dados (refiro-me a arquivos), fazem envio de arquivos pelo método post.
Sendo assim, se quisermos um upload de 96M em um servidor rodando php precisamos colocar no php.ini a informação de qual o tamanho máximo de envio de dados pelo POST.
A saída então seria:

post_max_size = 96M

Isto dentro do PHP.INI.

Pronto, após ajustes o apache deverá ser reiniciado.

Abraços galera!

Como mudar o Charset para aplicações WEB com apache e php

Standard


Na realidade esse tutorial é algo bem simples que mostra como ajustar o charset de uma aplicação que atualmente opera em UTF-8.
É simples e rápido, veja as formas:

Um exemplo para uso do ISO 8859-1 dentro do .htaccess:

AddDefaultCharset iso-8859-1

Um exemplo para uso do ISO 8859-1 dentro de um arquivo php.ini:

default_charset = “ISO-8859-1”