FIAT + FIORI – UMA PARCERIA DE BABACAS FOREVER ALONE

Standard

A concessionária Fiori, revendedora da linha Fiat em João Pessoa, comercializou em dezembro de 2011 um veículo ‘Novo Palio’, modelo 2012, de placas OFB-7139-PB, com falhas ao cliente José Fernando Santos de Carvalho.

De acordo com o comprador, dois dias após a aquisição do veículo, começaram os intermináveis problemas. Inicialmente, o veículo não deu partida, ou seja, quando a chave de ignição era acionada, o painel não acendia e o carro não ligava o motor.

Indignação
“Procurei a Fiori para solucionar o problema e ‘eles’ (Fiori) não detectaram nenhuma anomalia, informando que o carro estava em perfeitas condições de uso. No entanto, o problema persistiu e eu retornei diversas vezes na concessionária para relatar a mesma anomalia, além de outros tantos, como um alarme de velocidade excedida sem que o veículo estivesse em tal condição. Houve travamento de porta-malas, ponteiro pulando, computador de bordo todo sem regulagem, entre outros problemas”, disse José Fernando.

Medo
O consumidor prejudicado teme pela sua vida e da sua família. Ele revelou que por conta de sua vida profissional, necessita  viajar constantemente. “Eu não posso nem me arriscar, pois não confio mais no Palio que adquiri na Fiori. Vou procurar meus direitos e tenho fé que tudo será resolvido”, desabafou José Fernando.

O outro lado

A reportagem do Paraíba Já entrou em contato com a Fiori, pelo 3208-1512, porém, a ligação passou por diversos ramais e acabou sendo desligada.

Paraíba Já

 

 

=============

 

http://paraibaja.com.br/?p=noticia_int&id=19509

 

Defeito de fábrica em Novo Palio 2012 e o descaso da FIAT

Nos ultimos 3 meses e meio, tenho retornado à Concessionária Fiat varias vezes. O fato é que comprei um carro(NOVO PALIO 2012) com anomalias, que eles nao conseguem resolver. Eles alegam: “O carro está em perfeitas condicoes de uso”.

Pasmem, ja experimentei porta-malas eletrico travado(no dia que ia viajar para ser padrinho de casamento), computador de bordo informando problemas no motor, dificuldades pra ligar o carro, ponteiro do velocimetro “PULANDO”, cortes na ingestão de combustível enquanto em movimento, controle das portas não respondendo e outras falhas na entrega do produto(direção desalinhada, risco no painel, peças alteradas).

Eu ja não aguento mais relatar o problema a empresa ou ficar vários dias à pés, por deixar o carro na Concessionária. Passo por diversos transtornos e incovenientes.

Tenho um filho de 1 ano. Todo pai sabe que “é lei”, chegar em casa e dar uma voltar na rua com o bebe pra ele nao chorar.Ficar se o unico carro da familia é MUITO PROBLEMATICO.

Faço viagems constantes à refice-PE, devido ao meu mestrado na UFPE e tenho MEDO DA INTEGRIDADE FISICA DA MINHA FAMILIA.

Sugiro que NÃO COMPREM VEICULOS FIAT, É JOGAR DADOS COM A SORTE. se o carro sair bem, ok, senão, vc ESTARÁ NO PREJUIZO (FATO).

 

como economizar na conta de luz com aquecedor solar (dica quente)

Standard

Fazia tempo que não posta algo, e principalmente sem flame para com pessoas/instituições que “plantaram e colheram” aquilo que inflamaram. Desta vez vim discutir algo interessante, plausível e principalmente bom para o bolso e o meio ambiente, vim falar de Solução Ecologicamente Correta!
Não necessariamente irei abranger todos os meios de se ter um lugar ecologicamente e economicamente correto, isto daria livros com muitas páginas, pois nos links abaixo vocês podem acompanhar muito sobre o assunto (isto de forma mais abrangente):

http://bbel.uol.com.br/comportamento/post/cozinha-ecologicamente-correta.aspx

http://www.reacaoambiental.com.br/?p=325

Ao estar adquirindo minha primeira casa, parei para pensar como poderia economizar de maneira que “não apertasse o cinto” dentro de minha própria casa. Ao analisar bem, pude perceber que algo de impacto na vida de um desenvolvedor/sysadmin/envolvido diretamente com TI é o custo de energia elétrica, principalmente se esta energia for do estado de Minas Gerais. Como todos sabem é a energia elétrica mais cara do país (e não se justifica, pois basta uma chuva e pimba, picos de luz, quedas e etc).

Seguindo a linha de raciocínio aonde a economia fica aliada ao conforto e não a privações em termos de luxo/conforto/necessidades básicas, podemos finalizar nosso pensamento da seguinte forma:

1 – Meu computador não poderá ser desligado em um momento de suma importância como o de trabalho,

2 – Minha internet não poderá ser desativada em momento de uso,

3 – meus eletrodomésticos jamais poderiam ser desativados, principalmente geladeira.

O que fazer para economizar? Tomar banho frio?

NEGATIVO!

Quem sabe você não está se perguntando? Quem consome mais energia elétrica em uma casa/apartamento comum?

Respondo depois de pesquisar: Quem consome mais energia é o chuveiro elétrico!

Prestando consultoria em um cliente que vende equipamentos de aquecedor solar, pude perceber que o fluxo de compradores na empresa de revenda de aquecedor solar Tuma que atendente contagem e belo horizonte era muito alto, principalmente em termos de instaladores (bombeiros especializados em aquecimento solar), fui imediatamente atraído a condição de cliente, não mais sendo o consultor da empresa neste instante.

Ao conhecer mais sobre o produto, entender como funcionava o auxiliar elétrico (que tem o termostato), entender sobre a sobra de água para o dia seguinte e etc, ao sondar sobre o equipamento em pesquisa (TUMA SOLAREM), vi o selo do INMETRO (isto tem suma importância na aquisição do seu equipamento), percebi que as placas que cotei tinham eficiência A no INMETRO, assim fiquei mais descansado. Restava saber quanto custaria o equipamento e quanto de economia eu alcançaria se seguisse de modo que não deixasse o auxiliar elétrico automático na minha residência. É de se espantar, mas 60% de economia de energia foi algo maravilhoso aqui para os meus olhos :D.

Eu recomendo, além de politicamente correto, ecologicamente é correto, e o mais gostoso, ECONOMICAMENTE correto.
Investimento?
400L + 2 placas classe A no INMETRO não deram nem 1800 reais!
Vale a pena.
O equipamento dura em média entre 15 e 20 anos, basta fazer a base de cálculo por mês de economia x 240 meses (20 anos), neste ponto o investimento fica como “um trocado para o passado”.

Economizar energia sem dúvidas alguma é muito simples, faça sua escolha :D.

A web seria “mais um espaço”? Quake 2 + html 5 + google web kit – a nova era dos navegadores

Standard


Uma das coisas que acho mais loucas na web é o desenvolvimento dela em relação a disponibilização de novos recursos.
É impressionante o quanto a web vem crescendo e hoje gostaria de comentar rapidamente algo que nem acreditei quando vi.

HTML 5 nem chegou direito e junto com ele a Google já faz “estrago de peixe grande”.

Quake 2 rodando com30 fps via browser?
Isso pode?
Como assim?

Um game via browser? Primeira pessoa com 30 fps via browser?

A engine do Quake 2 + HTML 5 + Google Web Kit colaboram, vejam no link abaixo:

Sinceramente, o que vier de moderno não será tão imprevisto assim.
Web é sim a plataforma do presente e do futuro!

Software livre: Necessidade ou Xiitismo?

Standard

É muito comum ver pessoas criticando o software livre ou mesmo elogiando sem entender seu impacto no mundo comercial.

Vamos falar um pouco da realidade do Software Livre em um foco totalmente comercial para que as pessoas entendam a real necessidade desta metodologia/visão de negócio e também possam aplicar em suas vidas esta estratégia. (mais à frente explicarei o porquê de estratégia)

Em primeiro passo devemos fixar em nossas mentes que Software Livre NÃO é software gratuito, isto mesmo, o fato de você ter usado uma ferramenta de código-fonte aberto e se beneficiado da gratuidade deste utilitário não quer dizer que as pessoas não tirem proveitos financeiros sobre tal metodologia/visão.

Abaixo vou citar alguns casos aonde se extrai muito dinheiro do software livre.

Dentro deste seguimento prestemos atenção em um dos mais populares fenômenos do Software Livre, o Gnu/Linux e seus sabores.

Temos no mercado corporativo do pingüim 3 distribuições em especial que se destacam pela sua aceitação de mercado, estabilidade e suporte de alta qualidade:

* Red Hat
* Suse Enterprise
* Mandriva

As três distribuições acima citadas COBRAM pelo suporte e acesso a repositórios comerciais.

Em algum instante você pode estar se perguntando:
Isto é maquiavélico, por que eles cobram por Gnu/Linux se ele é gratuito?

Mentira! Gnu/Linux é um sistema de código-fonte aberto, mas isto não quer dizer que todos têm sua disponibilidade ou licença gratuitos.

Explique-me como manter um suporte via fone, helpdesk e ter servidores ligados 24 horas, com alta disponibilidade de rede e software?
Quem pagará as contas de luz, água e internet?

Quem pagará os desenvolvedores?

Vejamos outro caso de sucesso – Ubuntu. Sistema amigável, Gnu/Linux, grátis para uso, porém, o suporte cobra para impor seu know how e ajustar sua plataforma, mas pergunto, isto é maquiavélico?

Não, muito pelo contrário, é uma forma de manter o negócio das pessoas bem estruturado e reter lucratividade para empresa. (isto resulta em contratações de desenvolvedores mais experientes e equipamentos mais sofisticados para que sejam testados os softwares com mais stress)

Saindo do globo do pingüim, voltemos à situação do software livre como alternativa as empresas, como sua empresa ou sua casa, até mesmo seu escritório poderiam beneficiar-se de uma metodologia tão forte, melhor dizendo, uma tendência tão evidente e aplicável a qualquer mercado?

Simples, vamos analisar um caso bastante comum nas empresas e entender o porquê do Software Livre ser tão necessário para uma implementação.

Há meses presto consultoria em uma empresa mineira, tendo a mesma uma utilização software proprietário (isto não quer dizer Microsoft, mas qualquer código fechado é de propriedade do desenvolvedor) em alta escala. Até aí as coisas transcorriam de vento em polpa, entretanto, como nem tudo tende a ser um mar de rosas sem espinhos, houve a necessidade de implementação de uma simples funcionalidade no software que a empresa usa para gestão de seus negócios, o que aconteceu?
Houve um investimento de R$ 1000 (mil reais) para implementação de um campo.
Havendo 2 programadores na empresa (um programando em VB e outro em PHP), por que tal campo não foi implementado sem custos?
A resposta é clara, AONDE estava o código-fonte? Ele estava aberto? Quem diabos o fechou?

Pois é amigo, nesta hora as coisas começam a fazer sentido, e para piorar, o software utiliza cliente como sendo pontos de acesso, fazendo consultas infinitas no banco de dados, com resultados pesadíssimos, o que gera gargalo na rede, mesmo sabendo que um front-end no servidor resolveria tudo, visto que somente ele processaria toda a demanda, e o melhor, somente ele precisaria de alta capacidade de armazenamento e processamento, assim como evitar que cada terminal cliente não estivesse obrigado a utilizar-se de um Sistema Operacional Windows, visto que o mesmo tem custos e as bibliotecas da ferramenta comercial só operam nele.

Em cálculos mais claros, vamos analisar custo de licença e vantagens comerciais:

Se cada licença Windows XP Profissional custa R$ 250 (duzentos e cinqüenta reais), preço este sob compra em maior escala, e se a instituição possui 14 computadores nós temos 14 x R$ 250 = R$ 3500 (três mil e quinhentos reais). Cada hardware deve suportar Windows XP e os requisitos mínimos do software que não utiliza conceitos de mercado de TI do século XXI, ou seja, se cada máquina custa R$ 590 (sem monitor, é claro) nós temos R$ 8260 (oito mil duzentos e sessenta reais), então concluímos que o total gasto pela empresa para rodar a aplicação e estar provida dos recursos que a mesma disponibilizava foi de R$ 11760 (onze mil setecentos e sessenta reais) + custo de desenvolvimento e implementação da plataforma proprietária.

Vamos levar este foco agora para o Software Livre e ver o quanto as coisas começam a ficar claras:

Como o software utiliza-se de browser (nem tudo, por que os desenvolvedores podem usar linguagens como C, C++ ou Java) podendo ter sido feito até mesmo em Java (Java desktop) nós cortaríamos gastos com o sistema operacional, visto que não depende de sistema operacional para trabalhar, ou seja, abateremos (pelo menos) R$ 3500 (três mil e quinhentos reais) e o processamento (em caso de browser) é centralizado no servidor, o que faria com que máquinas de baixo processamento fossem utilizadas (sabe aqueles k6-II- 500 mhz parados aí na sua empresa?).

No caso acima, compilando e devolvendo o fonte principal ao cliente, é claro.(em caso caso de linguagens que necessitam de compiladores)

De posse de simples afirmações citadas não tenha medo de focar-se em Gnu/Linux e em Software Livre, por que com SL nós temos a possibilidade de analisar o fonte e mudar as coisas ao nosso estilo, seguindo as necessidades triviais de nossa empresa sem qualquer falta de qualidade, escalabilidade ou dificuldade na manutenção.

Quanto a utilizar-se de Gnu/Linux em sua empresa, faça isto por amar sue negócio, use Gnu/Linux para economizar em seu negócio.

Se às pessoas vierem justificando a não utilização por falta de recursos como impressão, rede e etc, fique certo de que a plataforma Gnu/Linux tem suporte as mais variadas impressoras que o mercado disponibiliza, tem suporte pesado a redes (servidores de dns, logon, ldap – que te dão a mesma autonomia de unidades organizacionais do Windows Server, assim como suporte dhcp, compartilhamento de arquivos e bancos de dados).

Em outras palavras, utilizar-se de Windows para facilidades já não é um argumento válido. Programar soluções proprietárias é outra afirmação equivocada, quer saber por quê?

1 – Software de código-fonte aberto permite uma interação mútua no suporte, ocorrendo de maneira mais simples,

2 – Software aberto permite que qualquer pessoa, inclusive o dono da empresa saibam o que realmente o código faz no back-end, (em background)

3 – Software aberto permite manutenção mais abrangente e update de software com mais qualidade,

4 – Software aberto permite que o código seja visto por qualquer desenvolvedor, o que dá mais amplitude na aplicação de técnicas mais maduras e sofisticadas.

Então, ainda vai ficar no mundo “Redmond”?

Lá em cima afirmei como estratégia o software livre, pois bem, pergunte ao Obama o que ele acha disto, visto que tornou tal metodologia como sendo padrão no desenvolvimento de aplicações para o governo (escolas, hospitais e etc).

Abraços a todos.

Gnu/Linux e suas dificuldades na usabilidade (diversidade que pode matar)

Standard

Gnu/Linux e suas dificuldades na usabilidade (diversidade que pode matar)

Gnu/Linux sem dúvidas é a prática mais comum no mundo do Software Livre, em outras palavras, é o meio mais fácil e mais comum do mundo Open Source estar declarado em nosso dia-a-dia. Temos ferramentas de uso diário, que são open source e não percebemos, mas quando nos deparamos com o Gnu/Linux nós podemos afirmar – este realmente é free software (ainda que não tenhamos um conceito muito forte do que realmente é software livre, que muitos infelizmente interpretam como software gratuito). Isto, sem sombra de variação é muito fabuloso, pois este excelente sistema que já mostrou do que é capaz, e o melhor, deixou claro que tem seu código aberto para customizações e forks, estando disponível para qualquer pessoa, aonde quer que esteja.
Ao longo de 12 anos de convívio com o Gnu/Linux (tendo somente 5 anos como profissional neste ramo, prestando serviços, e outros 7 “ouvindo falar bem”) pude perceber algumas “metamorfoses” que não vieram e fixaram um conceito amigável de usabilidade.
Vou detalhar isto de maneira abrangente para que fique claro o que realmente desejo expor, a dificuldade na curva de aprendizado, devido a variações muito pesadas nas distribuições Gnu/Linux.
Em 1997 possuía um computador Pentium 133 mhz mmx 100% off-board e tenho um irmão que na época estava fazendo cursos da Conectiva (uma distribuição Gnu/Linux que tinha um corpo técnico que prestava consultoria e cursos), tendo assim um impulso forte para instalação desta distribuição, o que me fez “saber que existia um sistema operacional diferente do Windows 95”, sem contar que no ano seguinte o Macintosh havia se tornado “mais uma daquelas descobertas milenares”. Naquela “descoberta” ouvi falar que ele era Free Software, mas confesso que não fez diferença para mim.
Os anos se passaram, para ser mais preciso 7 anos, e depois de tantas tentativas de me familiarizar com “aquela tela preta, parecia de mais com o MS-DOS”, consegui instalar uma distribuição chamada Slackware. Levei a sério, e fui tomando gosto.
Na época o melhor guia, ou documentação brasileira disponível (ainda está disponível) é o perfeito e completo GuiaFoca, um manual do Gnu/Linux, baseado no Debian, mas operando de maneira simples e direta em outras distribuições.
Passei um ano estudando sem cessar este sistema operacional maravilhoso, o que me fez implementar algumas soluções baseadas em Software Livre no SENAC-PB, empresa que trabalhei durante 3 anos. Adquiri um conhecimento sólido nesta plataforma, mas com o passar do tempo necessitei partir para outras como Red Hat Enterprise, por exemplo, sem contar as distribuições desktop que estavam bombando nesta fase. Com a saída da antiga empresa para outra que prestava consultoria não obtive dificuldades em implementações para clientes, principalmente pelo fato do Slackware ser muito flexível e “bastante Unix”, não senti nada difícil nos primeiros meses.
Nesta etapa eu entendi quais os problemas que as distribuições Gnu/Linux sentiam, isto aos olhos do usuário final, por que o nível de curva de aprendizado torna-se alto quando entramos em uma distribuição comercial. Para que se tenha uma idéia, o CentOS (remasterização do Red Hat Enterprise, respeitando direitos autorais e imagens da instituição), caso seja instalado como servidor, com poucos pacotes default você não terá a ferramenta ifconfig disponível, mas espere, ifconfig é um utilitário disponível em todas as distribuições, isto é padrão, e nem todas usam o system-config. Quantas usam dpkg, apt ou aptitude? Quantas tem o RPM como gestor de pacotes? O Yum? O Yast, Yast2?
Sabemos que são particularidades em cada distribuição, e que tais particularidades visam a automatização de determinadas tarefas que comumente estão vinculadas com o sistema operacional que as implementam.
Neste momento entram as divergências em geral, pois entendemos que comandos básicos sempre serão respeitados, e que seus manuais são preservados de uma distribuição para outra, mas que nem sempre estão no mesmo lugar.
Localidades na árvore de estrutura de dados, nomes de arquivos de configuração, modalidade de configuração de rede a nível de arquivo e forma com que containers web trabalham é muito diversificada em cada distribuição. Isto dificulta no momento de colocar na cabeça de algum xiita de códigos fonte proprietários que o Gnu/Linux é bom!
Observem o estouro e magnitude de distribuições como Ubuntu e Fedora, a nível desktop, vejam o quão abrangentes e aceitáveis elas são, e o mais importante, o quão bem documentadas elas são, mas em uma suave visão diferenciada, tente usar os conceitos aprendidos em cada uma delas em um Gentoo, CentOs ou OpenSuse, talvez você não queira mais usar Gnu/Linux, ou melhor, fará distinção por conhecer todas as ferramentas/utilitários de uma e de outra não.
Deixo claro que o Gnu/Linux é a escolha certa para quem não quer dores de cabeça futuras, quer estabilidade e o melhor, segurança de suas informações garantidas por sistemas que têm geeks de milhares de lugares dedicando-se na provisão de códigos de altíssimo nível e de escalabilidade monstruosa.
Minhas recomendações para marinheiros de primeira viagem:

• Use Ubuntu/Fedora para desktop, principalmente o Ubuntu que permite upgrades de versão do Sistema Operacional de maneira mais segura,
• Use CentOs/Ubuntu/Slackware ou Debian em seus servidores, principalmente Ubuntu/Debian que permitem upgrades de versões sem maiores dores de cabeça,
• Use Ubuntu/Fedora em escritórios, principalmente por sua quantidade enorme de drivers (módulos) para impressoras e etc.

Existem outras distribuições Gnu/Linux que têm tido muito prestígio, como por exemplo cito o Mandrake, empresa que assumiu a Conectiva e que tem se destacado pela ampla gama de produtos e suporte de qualidade, sendo hoje conhecida como Mandriva. OpenSuse, outra distribuição muito respeitada, versão Grátis e de código fonte aberto, 100% baseada no Suse Enterprise, mantido pela comunidade open source do mundo inteiro, esta é bastante amigável também.
Lembre-se que uma distribuição deve primar por conceitos de segurança, estabilidade e alto desempenho, principalmente, deverá ser bem documentada, e trivialmente falando, documentada maciçamente sobre suas ferramentas em particular.
Gestores de pacotes também são algo que tornam a problemática maior, por que os pacotes .DEB e .RPM imperam, seguidos de seus gestores deb/apt/aptitude e RPM/up2date/yum. Sabemos que é simples compilar algo (em alguns casos, devido requerimento de paths para libs a situação poderá complicar-se) e ajustar paths de destino, mas nem tudo isto brilha aos olhos dos mantenedores de software, tanto pelo nível de dificuldade avaliado para compilações e geração de source pré-compilado na plataforma como pela simplicidade de gestão (upgrade, downgrade e patching em geral).
Quanto ao GuiaFoca, este ainda é a melhor alternativa em documentação Gnu/Linux (falando de maneira geral), mas não atenha-se ao mesmo pois as distribuições estão mudando e agora parecem que estão tomando “independência” ou pensam em seguir assim, longe de padrões LSB.
Aprender sempre é bom, mas não atenha-se a distribuições muito individualistas, isto poderá complicar sua vida em um futuro muito próximo, principalmente no que tange ciclo de vida da versão do sistema ou até descontinuidade do projeto adotado por você ou por sua empresa (vide distribuições como Kurumin que tinham excelente iniciativa, mas que estão agonizado neste momento, Conectiva – adquirida pela Mandrake e outras).

As particularidades excessivas das distribuições estão levando as distribuições que adotam esta modalidade de negócio/serviço para uma ilha de destaque e talvez solidão.

Muito cuidado com sua escolha!

Abraços a todos e bom trabalho/estudo.

O dia em que testemunhei a pirataria prevalecendo

Standard

Estes dias estava observando um notebook de um conhecido, o qual não tinha conhecimento em sistemas operacionais livres e mais uma das vítimas dos “enlatados”. Pois é, como de costume, instalei no notebook dele o Windows XP service pack 2. Lutei para que o respeito aos produtos da Microsoft fossem prezados (não que deixe de apoiar ou que seja xiita, pelo contrário, para mim plataforma é unix-like), procurei evitar piratarias com aquelas coisas “enlatadas” de sempre.
Instalei coisas grátis como BrOffice, acrobat reader, winzip com evaluation e Avast Free (home).

software enlatado

software enlatado

Passaram-se semanas e ele (o “vitimado”) me liga e fala:

– Olha, dá para ver meu notebook, vou dar um pulinho aí e você vê o que pode fazer!

Pensei comigo:

– Poxa, deve ter sido algum trojan, alguma coisa que comprometeu o sistema do cara.

Assim que ele adentrou a porta da minha casa pedi que ligasse o notebook, um belo notebook core2duo e deixei a coisa andar.
Assim que o sistema foi carregado perguntei aonde estava o erro e ele me disse:

– Não, não há erro algum, é porque não sei digitar textos em um editor que não seja o Word e um gerador de planilhas que seja o excell.

Naquela hora ainda insisti:

– Preste atenção, instalar isso eu não posso por que não é original, não tem como, as atualizações em falta vão comprometer a segurança de seu pc a tal ponto que nem anti-vírus poderá suprir tamanho furo. E mais, usar um sistema broffice não é problema, pelo contrário, é muito parecido com os aplicativos que o office disponibiliza. Sem contar na simplicidade de menus e coisas do gênero.

Pois é, foi vã a minha insistência.

O cara pegou o pendrive, meteu o office 2003 PIRATA, instalou tudo que tinha direito, meteu um serial que achou em qualquer buraco e disse:

– Até que enfim achei o que eu realmente precisava, isso sim é que é editor!

Comecei a me perguntar o por que dessas coisas, visto que não faz sentido que as pessoas não atentem pela segurança de sua casa, de seus filhos, pois acredite, ter um pc seguro ajuda e muito na segurança de seus filhos, desde estelionatários até pedófilos utilizando keyloggers.

Sinceramente não entendia aquilo, e ao pensar por pouquíssimos segundos lembrei das coisas que vi e que vivi na minha infância em relação a sistemas operacionais e coisas do tipo, aonde os “técnicos” forneciam a mais célebre frase do mundo da TI:

– Pode instalar, eu me responsabilizo, este troço é perfeito e é “gratuito”.

Aplicam uma licença de um Adobe Photoshop pirata e falam tais misérias tecnológicas.
Assim foi seguindo e fui lembrando de “mais facilidades da vida”:

– Ah, usa este soft (não é software que eles dizem) aqui, ele é muito mais simples de usar.

Foi em uma dessas que em meados de 97 pagamos (eu e meu irmão) por uma instalação pirata do windows 95.

Fico pensando, até aonde as pessoas vão, até aonde elas realmente são sinceras e honestas consigo mesmas. Olhando pelo lado humano, você gostaria que alguém pegasse 1 kilo de cimento de sua loja e saísse com ele sem pagar afirmando que o pagamento foi copiado e colado de um outro depósito?

É assim que acontece, as pessoas utilizam-se de software pirata afirmando estarem santas em quaisquer aspectos da vida, mas esquecem que em outras palavras não passam de ladras.

Obs: nada de “santarrice”, pelo contrário, já fui praticante disto, mas hoje, como sou desenvolvedor e sei o quão esforçado é fazer as coisas corretas, dentro dos parâmetros de usabilidade e segurança (acredite, segurança de mais pode matar a usabilidade de um sistema caso o mesmo não tenha sido feito com precisão e com muita lógica), sei quão caro isto é para o tempo/bolso de um desenvolvedor.

Pense em uma coisa:

VOCÊ nunca agradaria-se de alguém invadindo seu supermercado e levando carnes, ovos, leite, arroz e etc falando que pegou o número da nota do vizinho que “deixou cair ao chão”.

Pense, reflita e pague por isso, quando alguém paga, este alguém pode exigir suporte, qualidade, reportar falhas e etc.

Lamentável a minha situação, pois além de ficar chateado com o rapaz eu não acreditei na falta de consciência prestada pelo mesmo, nem sequer parou para entender o que eu havia acabado de falar sobre atualizações, segurança e outros blá blá blá que a turma de ti tem.

Quantas empresas não saem perdendo com isto, e o pior, quanto não se perde com esta prática insana?

Pense que no fim de tudo, se houvesse mais dinheiro nas mãos dos desenvolvedores a estratégia seria sempre progressiva e talvez este software que você tanto reclama poderia ser bem melhor pela equipe mais qualificada de desenvolvimento, ou mesmo pela quantidade superior de desenvolvedores atuando em um mesmo projeto.

Mas é isto, bola para frente e Make life!

Ferro-Velho, “a verdadeira casa dos Geeks”!

Standard

Você pode até estar se perguntando o porquê deste título.
De fato é algo estranho, juro que não vou mentir em uma palavra sequer do meu post aqui, mas até foto tenho do que realmente vi.

Semana passada o dono do estabelecimento do qual presto consultoria me chamou para irmos ao ferro-velho, isto devido o fato de um amigo (o dono do ferro-velho) ter arrematado um lote de informática gigantesco, e que possivelmente acharíamos algo interessante.

Topei, mas dentro de mim aquela interrogação:

– Como alguém pode encontrar um parafuso que funcione em um computador no meio de um lugar como este que iremos visitar?

Talvez esta seria sua pergunta também, e concordAVA com você até o momento em que pisei lá.

Assim que chegamos atentei para uma pilha gigantesca de máquinas Itautec.
Corri atrás daquela pilha e comecei uma busca de apenas 4 dias úteis corridos.
Ah, em meio a tantas coisas impressionantes, sabe o que achei de bom? Sim existe algo de bom, mas sabe o que achei?

Nada de ter uma taquicardia hein?

1 – Um kit Celeron 2,5 ghz + 512 ddr 333 Samsung + Placa Asus
2 – Um kit pcchips Duron 750 mhz + 256 pc133 + hd 20 gb Seagate
3 – Um kit Celeron 566 mhz + 256 pc 133 + hd Seagate 20gb.

Entre muitas coisas.

Sabe quanto custou o trio acima citado?

R$ 300 reais.

Abaixo segue foto do Celeron 2.5 ghz + placa de rede 3com (achada lá também):

05-02-09_1417

05-02-09_1418

Sabe o que ele vai ser?

Servidor Slave de Banco de Dados e vai rodar Ubuntu Server 8.04!
Para os amantes de tecnologia antiga, achei um server Itautec 100mhz, só que tinha pouca memória e o hd scsi era muito pequeno, senão levava para casa!

Abraços.

=]

 

Como decompilar programas em Delphi – How to Decompiler Delphi application decompilar delphi

Standard

PRESTE ATENÇÃO em TODO o artigo para depois não dizer que o NerdBlog cometeu crime ou que “não souberam passar o macete”.
Irei mostrar a parte “burocrática da coisa” e a parte expert da “coisa”.

O texto abaixo foi tirado do link (logo após a nossa avaliação): http://www.ramosdainformatica.com.br/art_recentes01.php?CDA=45

Questão/Problema:

Aqui vou esclarecer porque não é possível decompilar aplicações desenvolvidas em Delphi. E apresentar as ferramentas existentes que prometem fazer isso.

Resposta:

Sempre encontramos pessoas interessadas em decompilar programas desenvolvidos em Delphi, sempre com desculpas de perda dos Fontes, ou perda de Disco Rígido.

O que é Decompilação? É muito simples, é o inverso de compilação. É a transformação de um Executável, em seu código fonte, no caso do Delphi, formulários e os fontes.

Suponha-se que você desenvolveu um Sistema que levou meses e até anos para estar pronto, derrepente você perde todos os fontes, ficando com apenas o executável. Qual a solução? Utilizar a engenharia reversa (decompilação) para recuperar todo seu trabalho (os fontes).

Uhhmm, então quer dizer que posso decompilar o projeto de outras pessoas? Bem, sim e não…

Então é possível Decompilar um programa?

Não, claro que não. Total decompilação não é possível – não exatamente como ele foi desenvolvido, ou seja, com o fonte original….

Quando um projeto em Delphi é compilado e linkado, para produzir um executável, a maioria dos nomes usados no programa é convertido em endereços. Na decompilação, se você observar em seus fontes originais, com os fontes de um executável decompilado, você irá perceber a troca de nomes em constantes, variáveis e procedures.

Porque e quando usar:

A engenharia reversa, pode ser usada por várias razões, eis algumas:

Ø Recuperação de Código Perdido;
Ø Migração de Aplicações para uma plataforma de Hardware nova;
Ø Determinação de existência de Vírus e/ou código fonte malicioso;
Ø Correção de erros, quando o dono da aplicação não está disponível para fazer a correção;
Ø Recuperação dos fontes de outra pessoa;

Mas é Legal?

Engenharia Reversa NÃO é cracking, embora as vezes é difícil traçar um panorama entre os dois. Programas de computador são protegidos por direitos autorais e leis de marca registrada. Em alguns países são permitidos, como por exemplo a Rússia.

Na Rússia, se você compra um programa, ele é seu, pode-se fazer o que quiser com ele, inclusive aplicar a engenharia reversa. Recentemente um russo, decompilou alguns programas da Macromedia, alterou-os e distribuiu gratuitamente pela Internet, e a Macromedia não pode fazer nada contra isso, pois conforme as Leis da Rússia, o programa, uma vez alterado (não importa o que) passa ser de propriedade do indivíduo que o alterou.

Mas atenção, isso é apenas na Rússia. No Brasil, deve-se tomar bastante cuidado, por isso recomendo consultar um advogado, antes de realizar algum tipo de engenharia reversa, seja ela qual for.

Algumas leis que permitem a engenharia reversa:

Ø Suspeita da existência de Vírus e/ou código fonte malicioso;
Ø Correção de erros, quando o dono da aplicação não está disponível para fazer a correção;

Mas existem outras leis, mas deve ser consultado com especialistas antes de sua execução.

Para escrever este texto, tive que consultar um advogado, o qual me falou que não haveria problemas, uma vez que é somente para estudos, e que os exemplos de decompilação de programas, sejam feitos com um programa por mim desenvolvido.

Por enquanto, os produtos da Inprise, não possui nenhum produto capaz de decompilar um arquivo executável (.exe) ou a “Delphi Compiled Unit” (DCU), volta para o código original (.PAS).

Delphi compiled unit: DCU

Quando um projeto Delphi é compilado, os arquivos .pas são convertidos para .dcu. Armazenando assim, em arquivos binários os fontes do projeto. Ou seja, unit1.dcu é igual a unit1.pas.

Isso significa que se você tem somente os DCU do projeto pode decompilar e obter os fontes do projeto. Errado. O arquivo com formato DCU não é documentado, e muda de versão para versão.

Após a Compilação: Engenharia Reversa no Delphi

Para quem quer tentar decompilar um projeto desenvolvido em Delphi. Eis algumas coisas que deveria saber:

Os programas desenvolvidos em Delphi, tem seus arquivos divididos em dois tipos de formatos: Código ASCII (.pas, .dpr) e arquivos de recursos (resource files) (.res, .rc, .dfm, .dcr).

Os arquivos DFM, contém os detalhes (Propriedades) dos objetos contidos em um formulário. Quando criamos um executável, o Delphi armazena as informações dos Formulários em um arquivo DFM para a geração do EXE.

Todas informações de um componente dos formulários, suas propriedades, localização e até mesmo nome, são armazenados em um arquivo DFM pelo Delphi. (Não os códigos de procedimento de eventos, esses são armazenados em arquivos .pas e .dcu.). Para se obter o arquivo DFM de um executável, é necessário conhecer a fundo como funciona um executável Win32.

Todos os programas compilados pelo Delphi, possuem as seguintes seções: CODE, DATA, BSS, .idata, tls, .rdata, .rsrc. O mais importante ponto de vista de decompilação são os códigos e seções de .rsrc.

Entre muitos recursos que são armazenados em um arquivo executável, o RT_RCDATA segura as informações que estavam armazenadas em arquivos DFM, antes da compilação.

Alguns Decompiladores Existentes no Mercado

A arte da Engenharia Reversa, é uma área para técnicos, acostumados com a linguagem Assembler e Debugers, No entanto há diversas ferramentas que ajudam qualquer pessoa a realizar a engenharia reversa em Delphi.

Se você está interessado em aplicar a engenharia reversa em seus programas, aconselho a dar uma olhada nestes programas de Decompilação para Delphi:

DeDe (www.balbaro.com/dede/index.html )

DeDe é um grande programa de decompilação de programas desenvolvidos em Delphi. Ele analisa todo o executável, e fornece o seguinte:

Ø Todos os DFM, podendo ser alterados pelo Delphi;
Ø Todos os Fontes, .pas, .res, .dfm, etc… Todos comentados com os fontes em Assembler.
Ø Muito bom, se não fosse os arquivos .pas serem em Assembler, às vezes não podendo ser recompilado.

Reverendepro (www.puthoon.com/Revendepro/index.html )

Reverendepro acha quase todas estruturas (classes, types, procedures, etc) no programa e gera a representação de pascal e procedures escritas em Assembler. Devido a algumas limitações do Assembler, às vezes pode não ser recompilado. Os códigos fontes deste decompilador é livre. Devido a algumas limitações deste decompilador eu não pude explorar ele mais a fundo.

MRIP ( www.delphi32.com/vcl/4549/ )

Este programa procura e extraí arquivos de outros arquivos. MRIP pode pegar mais de 100 formatos de arquivos. O mais importante para nós é que o MRIP pode decompilar qualquer executável Delphi. Esta ferramenta pode extrair todos os recursos de uma aplicação Delphi: Cursores, Ícones que o DFM arquiva, arquivos .pas e outros. Nos arquivos PAS não contém os procedimentos de eventos. MRPI é uma aplicação DOS.

DfmExplorer (www.instinct.org/fravia/aitodelp.htm )

Isso é o que o DfmExplorer faz (Inclui os Fontes): Ele procura e separa todos os arquivos DFM do executável.

Exe2Dpr (www.instinct.org/fravia/aitodelp.htm )

Este programa é talvez o mais utilizado na decompilação de aplicações Delphi, mas ele só pega o DPR de um Executável.

CONCLUSÃO

A engenharia reversa (decompilação), é possível no Delphi? Sim, mas não 100%.

Então vamos acabar agora com este mito de decompilação de executáveis Delphi. Mas aconselho a você explorar todas as ferramentas aqui citadas, como uma forma de aprendizagem e curiosidade, e fazendo com que você mesmo, tire as suas próprias conclusões.

É isso aí, espero ter esclarecido este tabu, que sempre acompanha milhares de programadores.
++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++

Agora entra a parte maliciosa da coisa (aonde o NerdBlog entra).

Já que entendemos como funciona a legislação brasileira sobre decompilação nós agora podemos tentar “salvar o mundo”… rsrsrs.

Primeiro passo
Ache o programa Certo!
Isto mesmo, testei a sistemática da situação e só obtive bons resultados com a seguinte ferramenta:

– reshacker em: http://angusj.com/resourcehacker/

O que ela me “rendeu” e como fiz?
Primeiro tive que decompilar a aplicação delphi que é o sistema da empresa, no caso, aquele EXE do tamanho do mundo.
Abrindo o reshacker a sua única dificuldade será  apontar a origem e o destino da decompilação.
Feito isto, quando o processo começar será gerado todo o fonte (inclusive arquivos de imagem bmp, por exemplo, tais arquivos retornam também).
Terminada a decompilação você terá em mãos o fonte.
Abra o projeto com o delphi e tente compilar (para localizar algum erro), caso consiga sucesso, parabéns, agora você tem o fonte do sistema, caso contrário o que você terá de problemas são os componentes ou erro de caracters (sendo muito fácil a correção, para este caso).

Acabou tudo, isto quer dizer que não posso mais concluir o meu projeto de decompilação delphi com sucesso?
NADA DISSO, faça como o carinha do site (aquele tosco de camisa do hacker),  o que você vai fazer é -> Buscar os componentes que “podem” ser os que você precisa.
O podem entre aspas duplas significa que nem sempre você vai encontrar todos os componentes necessários, até por que algumas pessoas vendem componentes feitos sob demanda de um cliente importante, em outras palavras, algo customizado, então trate de preparar seu cliente torrent e seu emule + limewire para pegar fogo com suas pesquisar e mandar ver. Antes iremos fazer uma busca básica nos sites:

http://inf.unisul.br/~osmarjr/delphi/componentes.htm
http://www.webmundi.com/delphi/dfuncaoc.asp?SubTipo=Visuais

Pronto, dependendo de sua aplicação a agonia acabará aí, mas a minha foi além… rsrsrs… mas houve triunfo.

De posse disto, instale os componentes no delphi e veja a necessidade que as units estão declarando e etc, em outras palavras, veja se lhe faltará algo mais e BINGO!

Lutando por um software “menos problemático”!

Standard

Uma coisa interessante que observei hoje foi o quão importante é o software REALMENTE livre.

Na instituição que presto serviço de consultoria o dono da empresa comprou um software mais ou menos naquele estilo “embutido”, aonde os compradores pagam por algo não customizado, ou seja, enlatado.

Não por ter algo contra Delphi, até por que conheço ótimos desenvolvedores nesta linguagem, mas pelo fonte fechado (após compilação).

Uma coisa que a maior parte dos “desenvolvedores” não faz é documentar o fonte e pior, não testa sua aplicação. Foi mais ou menos nisto que “clamei” para ter o fonte do sistema criado em Delphi e “enlatado”.

Minha ira concretizou-se quanto tentei gerar um relatório de produtos com uma marca X, o qual, no momento em que instruí o sistema para tal feito recebi uma mensagem (bug) com erros da aplicação, resultante de que?

Adivinhe -> Software mal debuggado.

Segue a fotinha “maldita”:

tabajaraengine

Sem mais reclamações, somente lamentando por não poder ver o fonte e fazer modificações que possam ajudar na usabilidade deste software.

Lamentável.

Hello world!

Standard

Esse termo Hello World é interessante, por que se observarmos o cidadão torna-se bem vindo ao mundo… rsrsrs, sem graça não é? Sim, mas faz sentido aqui em 2 situações:

Hello Nerd World and Hello Program World.

Seja bem vindo ao nosso site de How Tos e “contos de TI”.
Divirta-se ou aprenda algo interessante.

Prometemos How tos sobre Redes, PHP, Mysql, Postgres, Windows, BSD e Gnu/Linux, sem contar notícias sobre Apple, Sun, IBM e outros “monstrinhos” do mercado de TI, como Red Hat e a “pequenina” GOOGLE.

Obrigado por nos prestigiar.